As 7 Igrejas e a Igreja do Fim

Revelação de Yahusha ha’Mashyach, a qual Yahuah lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo;
O qual testificou da palavra de Yahuah, e do testemunho de Yahusha ha’Mashyach, e de tudo o que tem visto.

Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.
João, às 7 igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos 7 espíritos que estão diante do seu trono;
E da parte de Yahusha ha’Mashyach, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados,
E nos fez reis e sacerdotes para Yahuah e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amém.

Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.
Eu sou Alef Tav, o princípio e o fim, diz nosso Alahim, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.
Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Yahusha ha’Mashyach, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Yahuah, e pelo testemunho de Yahusha ha’Mashyach.
Eu fui arrebatado no Espírito no dia de Alahim, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, Que dizia: Eu sou o Alef Tav, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às 7 igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia.
E virei-me para ver quem falava comigo.

E, virando-me, vi 7 castiçais de ouro;
E no meio dos 7 castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro.
E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo;
E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas.
E ele tinha na sua destra 7 estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece.
E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último;
E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.
Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer;
O mistério das 7 estrelas, que viste na minha destra, e dos 7 castiçais de ouro. As 7 estrelas são os anjos das 7 igrejas, e os 7 castiçais, que viste, são as 7 igrejas.
Apocalipse 1:1-20

Podemos ter a percepção que nesse momento do Capítulo 1, Yahusha se mostra como sumo sacerdote no momento da expiação, ou seja, 6° selo do apocalipse, e que sua voz é como de trombeta e como de muitas águas, e é o momento em que a espada sai da sua boca, ou seja, na Vinda Dele depois do tribunal do julgamento da Besta. E ele nos mostra que as 7 estrelas são anjos das 7 igrejas (no apocalipse, anjos são a igreja do fim dos tempos que tocam trombetas), e que os 7 castiçais de ouro são as 7 igrejas, e as 7 igrejas são a prefiguração da última igreja do fim dos tempos, ou seja, as duas testemunhas, como vamos ver nos capítulos a seguir.

Éfeso:

Escreve ao anjo da igreja de Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as 7 estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro:
Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos.
E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste.
Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor.
Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.
Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Yahuah.

Smirna:

E ao anjo da igreja em Smirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu:
Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás.
Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de 10 dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte.

Pérgamo:

E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios:
Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.
Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e fornicassem.
Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio.
Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.

Tiatira:

E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Yahuah, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente:
Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras.
Mas algumas poucas coisas tenho contra ti que deixas Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que forniquem e comam dos sacrifícios da idolatria.
E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua fornicação; e não se arrependeu.
Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras.
E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que Eu Sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras.
Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei.
Mas o que tendes, retende-o até que eu venha.
E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações,
E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai.
E dar-lhe-ei a estrela da manhã.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Apocalipse 2:1-29

A Bíblia diz que em Éfeso, Paulo entrou na sinagoga e disputou com os judeus. Naquele momento parece que a comunidade judaica de Éfeso recebeu bem a mensagem de Yahusha, pois os judeus pediram que Paulo ficasse ali mais um tempo

E chegou a Éfeso, e deixou-os ali; mas ele, entrando na sinagoga, disputava com os judeus.
E, rogando-lhe eles que ficasse por mais algum tempo, não conveio nisso.
Antes se despediu deles, dizendo: É-me de todo preciso celebrar a solenidade que vem em Jerusalém; mas querendo Yahuah, outra vez voltarei a vós. E partiu de Éfeso.
Atos 18:19-21

Paulo tinha um compromisso em Jerusalém e não pôde ficar na cidade. Mas Priscila e Áquila permaneceram em Éfeso e pouco depois acabaram conhecendo Apolo, um judeu de Alexandria. Foi esse casal de amigos de Paulo que anunciou o Evangelho a Apolo, que depois disso se tornou um ótimo pregador das boas novas de salvação em Yahusha.

E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloqüente e poderoso nas Escrituras.
Este era instruído no caminho de Yahusha e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas de Yahusha, conhecendo somente o batismo de João.
Ele começou a falar ousadamente na sinagoga; e, quando o ouviram Priscila e Aqüila, o levaram consigo e lhe declararam mais precisamente o caminho de Yahuah.
Querendo ele passar à Acaia, o animaram os irmãos, e escreveram aos discípulos que o recebessem; o qual, tendo chegado, aproveitou muito aos que pela graça criam.
Porque com grande veemência, convencia publicamente os judeus, mostrando pelas Escrituras que Yahusha era A Salvação (Yahshua).
Atos 18:24-28

Mais tarde Paulo retornou a Éfeso e acabou encontrando alguns discípulos de João Batista, e os anunciou as verdades de Yahusha e eles foram batizados e receberam o Espírito Santo.

E sucedeu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado por todas as regiões superiores, chegou a Éfeso; e achando ali alguns discípulos,
Disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo.
Perguntou-lhes, então: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João.
Mas Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Yahusha ha’Mashyach.
E os que ouviram foram batizados em nome de Yahusha.
E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam.
E estes eram, ao todo, uns doze homens.
Atos 19:1-7

Depois Paulo pregou com ousadia durante três meses na sinagoga judaica em Éfeso. Foi nesse tempo que muitos judeus endurecidos rejeitaram o Evangelho e se tornaram violentos opositores aos cristãos.

E, naquele mesmo tempo, houve um não pequeno alvoroço acerca do Caminho.
Porque um certo ourives da prata, por nome Demétrio, que fazia de prata nichos de Diana, dava não pouco lucro aos artífices,
Aos quais, havendo-os ajuntado com os oficiais de obras semelhantes, disse: Senhores, vós bem sabeis que deste ofício temos a nossa prosperidade;
E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que se fazem com as mãos.
E não somente há o perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada, vindo a ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo veneram.
E, ouvindo-o, encheram-se de ira, e clamaram, dizendo: Grande é a Diana dos efésios.
E encheu-se de confusão toda a cidade e, unânimes, correram ao teatro, arrebatando a Gaio e a Aristarco, macedônios, companheiros de Paulo na viagem.
E, querendo Paulo apresentar-se ao povo, não lho permitiram os discípulos.
E também alguns dos principais da Ásia, que eram seus amigos, lhe rogaram que não se apresentasse no teatro.
Uns, pois, clamavam de uma maneira, outros de outra, porque o ajuntamento era confuso; e os mais deles não sabiam por que causa se tinham ajuntado.
Então tiraram Alexandre dentre a multidão, impelindo-o os judeus para diante; e Alexandre, acenando com a mão, queria dar razão disto ao povo.
Mas quando conheceram que era judeu, todos unanimemente levantaram a voz, clamando por espaço de quase duas horas: Grande é a Diana dos efésios.
Então o escrivão da cidade, tendo apaziguado a multidão, disse: Homens efésios, qual é o homem que não sabe que a cidade dos efésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu de Júpiter?
Ora, não podendo isto ser contraditado, convém que vos aplaqueis e nada façais temerariamente;
Porque estes homens que aqui trouxestes nem são sacrílegos nem blasfemam da vossa deusa.
Mas, se Demétrio e os artífices que estão com ele têm alguma coisa contra alguém, há audiências e há procônsules; que se acusem uns aos outros;
E, se alguma outra coisa demandais, averiguar-se-á em legítima assembléia.
Na verdade até corremos perigo de que, por hoje, sejamos acusados de sedição, não havendo causa alguma com que possamos justificar este concurso.
E, tendo dito isto, despediu a assembléia.
Atos 19:23-41

Mas Paulo continuou trabalhando em Éfeso por quase três anos. A Bíblia diz que “Yahuah, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias”.

E Yahuah pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias.
Atos 19:11

Então houve um verdadeiro avivamento local naquela cidade. O nome de Yahusha era engrandecido ali, e muitos judeus e gentios creram e receberam o Evangelho. Inclusive, muitos dos habitantes da cidade que seguiam artes mágicas trouxeram seus livros e os queimaram publicamente.

E foi isto notório a todos os que habitavam em Éfeso, tanto judeus como gregos; e caiu temor sobre todos eles, e o nome de Yahusha era engrandecido.
E muitos dos que tinham crido vinham, confessando e publicando os seus feitos.
Também muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros, e os queimaram na presença de todos e, feita a conta do seu preço, acharam que montava a cinqüenta mil peças de prata.
Assim a palavra de Yahusha crescia poderosamente e prevalecia.
Atos 19:17-20

A igreja de Éfeso cresceu de forma tão extraordinária que a economia da cidade que dependia da venda de artefatos religiosos, foi ameaçada. Nesse contexto um ouvires chamado Demétrio, liderou um princípio de tumulto na cidade.

Contudo, a obra de Yahusha ha’Mashyach naquela cidade não podia ser impedida. A igreja de Éfeso estava estabelecida e serviu como um centro propagador do Evangelho para as regiões vizinhas. Além de Paulo, Timóteo e o apóstolo João estiveram envolvidos na igreja de Éfeso.

Entre 60 e 63 d.C. Paulo enviou de Roma uma carta aos crentes efésios para ensiná-los acerca do significado maravilhoso das implicações práticas de ser a Igreja de Yahusha (Carta aos Efésios). Parece que essa carta não ficou restrita apenas aos crentes de Éfeso, mas circulou nas cidades vizinhas.

Mas o tempo passou e uma nova geração de crentes surgiu em Éfeso. Foi a essa nova geração que Yahusha ha’Mashyach fala pra João nessa carta à igreja de Éfeso. Como a data mais provável para o livro do Apocalipse é a década de 90 d.C., a carta à igreja de Éfeso foi escrita cerca de quarenta anos depois de existência da igreja.

Depois da saudação de Yahusha, podemos perceber que a carta à igreja de Éfeso traz um elogio, uma crítica, uma exortação e uma promessa.

Elogio à igreja de Éfeso:
A igreja de Éfeso foi elogiada por Yahusha por suas boas obras, trabalho árduo e perseverança. Aquele Ysrael trabalhavam pela causa do Evangelho. Além disso, a igreja de Éfeso também era intolerante com os homens perversos. A igreja pôs à prova homens que se diziam ser apóstolos, e descobriu que na verdade eles eram impostores.

A igreja de Éfeso também odiava as práticas dos nicolaítas que: seguiam falsos líderes e propagavam ensinos que tinham por objetivo fazer os crentes tropeçarem.

Perseverantes, os crentes efésios também suportavam sem desfalecer os sofrimentos por causa do nome de Yahusha. Em Éfeso havia muito idolatria que movimentava a economia da cidade. Como o Evangelho abomina o paganismo, naturalmente isso resultava em perseguição por parte dos incrédulos idólatras.

Além do mais, na cidade de Éfeso também havia um templo dedicado ao culto do imperador. A liderança romana obrigava os cidadãos da cidade a reconhecer a suposta divindade do imperador romano – que naquele tempo era Domiciano. Então ao invés de os crentes declararem o senhorio de César, eles declaravam o senhorio de Yahusha ha’Mashyach. Tudo isso obviamente criava num ambiente hostil e de intensas perseguições ao Ysrael fiél.

Crítica e advertência à igreja de Éfeso:
A igreja marcada por boas obras, trabalho duro e perseverança, também tinha um sério problema. Os crentes efésios tinham abandonado “o primeiro amor”. A primeira geração da igreja de Éfeso tinha passado, e com ela também parece que o entusiasmo e a devoção fervorosa à Yahusha também tinham ficado no passado. Faltava a essa nova geração a intensidade no amor pelo Evangelho que seus pais tiveram quando ouviram as boas novas de Yahusha pela primeira vez.
O “primeiro amor” é o entusiamo da primeira geração do Ysrael de Éfeso.
Parece que os crentes efésios daquele tempo estavam mais apegados ao dever do que à devoção. Eles permaneciam fiéis, mas faltava a eles o amor entusiasmado que já tinham demonstrado um dia (a primeira geração deles). Eles eram guardiões da fé, mas não eram mais os que tinham sido no início de sua história.
Nesse ponto a igreja de Éfeso parecia aquele tipo casal que depois de muito tempo ainda permanece fiél um ao outro pela formação de uma só carne no casamento, mas falta o amor e tesão caloroso do início do casamento.

Na carta à igreja de Éfeso também vemos que aquele Ysrael foi convidado por Yahusha à refletir sobre sua queda e se arrepender de seu erro para voltar a praticar suas primeiras obras. Perceba então que Yahusha não apenas criticou a igreja de Éfeso, mas advertiu acerca de como ela poderia corrigir o que estava errado.

Mas Yahusha também assegurou que se aquela comunidade falhasse em responder adequadamente ao Seu chamado de advertência, Ele a visitaria e tiraria o seu candelabro do seu lugar. Isso significava que como congregação local, a igreja de Éfeso deixaria de existir.

Posteriormente a ameaça de Yahusha foi cumprida. Chegou o tempo em que a igreja de Éfeso deixou de existir.

Promessa à igreja de Éfeso
A carta à igreja de Éfeso termina com uma maravilhosa promessa. Antes, porém, Yahusha deixa a exortação comum em todas as cartas: “Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas”. Isso é uma mensagem pra gente, irmãos, nós (igreja do fim) temos que ter ouvidos para ouvir o quê o Espírito está dizendo para as 7 igrejas e juntar os enigmas, entendendo que na Verdade todas as mensagens às igrejas são uma mensagem única para o fim.

Depois vem a promessa: “Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida que está no meio do paraíso de Yahuah”. É importante enfatizar que aqui o vencedor não vence por seus próprios méritos, mas pelos méritos do próprio Yahusha que conquistou a vitória definitiva para comprar o Seu povo da terra (vasos de honra predestinados, que nasceram vasos de ira por conta da Queda sendo quebrados e reconstruídos como vasos de honra). Mas ao mesmo tempo os redimidos são chamados a ter uma vida de santificação e sacerdócio lutando contra o pecado e contra toda obra maligna de Satanás. E se não fizer isso, não ficará mais no castiçal, ou seja, perde o galardão do Shabat (Milênio).

Com relação aos crentes efésios, na cidade de Éfeso havia grandes banquetes dedicados aos ídolos. Os pagãos procuravam atrair o Ysrael para os seus cultos idólatras com esses banquetes. Mas os fieis receberam de Yahusha a promessa de um banquete muito melhor. Eles haveriam de comer da árvore da vida, ou seja, não estava reservada para eles uma mera alegria passageira, mas, sim, a vida eterna no paraíso celeste.

A carta à igreja de Smirna começa com uma saudação da parte do Yahusha ha’Mashyach ao anjo da igreja. Depois vem o elogio de Yahusha à igreja local, sua exortação enfatizando que a igreja deve ouvir o que o Espírito diz, e por última uma promessa relacionada à fidelidade da igreja.

A autodesignação de Yahusha na carta à igreja de Smirna é totalmente harmônica e adaptada para o contexto daquela igreja, com o conteúdo da carta que descreve a situação enfrentada pelo Ysarel daquela cidade, por isso Ele diz: “Esta é a mensagem daquele que é o Primeiro e o Último (Alef Tav), que morreu e tornou a viver”.

A igreja de Smirna era muito perseguida, e ela na Menorah é uma Igreja que representa uma das duas testemunhas, a casa de Yahudah (Judah), que representa Moisés (profetiza contra o Faraó [Anti-Messias] em Jerusalém e é morta), por isso é dito que ela sofria uma tribulação de 10 dias, por 2 motivos:
1.É o período de dias da Festa das Trombetas (1° Selo do Apocalipse) até a festa da Expiação (6° Selo do Apocalipse).
2.Se refere a dias proféticos, sendo cada dia equivalente a um ano, que se cumpriu na última grande perseguição da igreja antiga, promovida pelos imperadores Diocleciano e Galério durante exatos 10 anos, de 303 a 313.

E está interligado também com o período de provação em que o Ysrael fiel é desafiado a manter sua obediência à Yah, assim como Daniel, Hananias, Misael e Azarias foram provados durante 10 dias.

Elogio à igreja de Smirna:
Yahusha elogia a igreja de Smirna falando sobre as dificuldades que eles tinham que lidar: “Conheço as suas aflições e a sua pobreza; mas você é rico! Conheço a blasfêmia dos que se dizem judeus mas não são, sendo antes sinagoga de Satanás”.

Muitos dos crentes de Smirna eram extremamente pobres, mesmo com a cidade sendo rica e poderosa. Isso porque Esmirna era muito fiel a Roma e ao imperador. Então frequentemente os cristãos eram despedidos de seus empregos ou perdiam seus negócios quando eram convertidos à Yahusha. Eles deixavam de proclamar: “César é o meu mestre”, para proclamar: “Yahusha é o meu Mestre”. Isso evidentemente lhes custava muito caro social e economicamente.

Mas embora materialmente os crentes de Smirna fossem muito pobres, na verdade eles eram muito ricos. As riquezas espirituais que eles tinham eram incontáveis. Além disso, na carta à igreja de Smirna Yahusha conforta os crentes dizendo que Ele conhece muito bem as dificuldades que seus filhos enfrentam.

Os judeus formavam um dos grupos que fazia muita oposição à igreja de Smirna. Frequentemente muitos deles se empenhavam em acusar os crentes diante dos tribunais romanos. Embora eles se considerassem “sinagoga de Yah”, eram, na realidade, “sinagoga de Satanás”. Ao acusarem o Ysrael eles se levantavam contra o próprio Yahusha.

A igreja de Esmirna era perseguida:
Yahusha fez questão de confortar aquela igreja quanto à perseguição que haveria de ficar ainda pior. Ele diz: “Não tenha medo do que você está prestes a sofrer. Saibam que o diabo lançará alguns de vocês na prisão para prová-los, e vocês sofrerão perseguição durante 10 dias. Seja fiel até a morte, e eu lhe darei a coroa da vida”.

Perseguidores romanos, especialmente incitados pelos judeus que nutriam um ódio maligno contra o Ysrael, serviam como instrumentos do diabo para prejudicar o Ysrael de Smirna. Assim, muitos fiéis eram lançados na prisão, o que significava quase sempre a morte.

Mas é interessante perceber que toda aquela perseguição era também uma provação através da qual o próprio Yahuah aperfeiçoava e aprovava a fidelidade daqueles crentes para nos mostrar hoje (no tempo do fim) revelações sobre o tempo que enfrentaremos (casa de Yahudah que é a testemunha que representa Moisés e profetiza em Jerusalém). Como tudo é predestinado e não foge do controle de Yahuah Tzvaot, Yahusha avisa que o Ysrael de Smirna sofreria perseguição durante 10 dias. Isso significa que tudo estava sob o controle soberano de Yah.

A perseguição tinha hora para começar e hora para acabar. A expressão simbólica “dez dias” representa um tempo completo, breve e determinado. Não seriam nove dias, e muito menos onze dias. Satanás, com seus agentes, persegue a Igreja, mas ele jamais pode ir além do que Deus lhe permite ir.

Além disso, saber que Deus está no controle e conhece as dificuldades do seu povo, e que Ele é quem determina os tempos e as estações, obviamente traz ao crente encorajamento à perseverança. Ele sabe que deve permanecer fiel ainda que isso lhe custe à vida, pois de acordo com o cuidado providencial de Yahusha, a coroa da vida o espera.

A promessa à igreja de Smirna:
A carta à igreja de Esmirna termina com a maravilhosa promessa: “O vencedor de modo algum sofrerá a segunda morte”. Aqui nos lembramos de um ensino do Yahusha:

E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.
Mateus 10:28

A vida dos crentes da cidade de Smirna no primeiro século estava sempre por um fio. Então os crentes de Esmirna poderiam ter seus corpos destruídos por seus perseguidores, mas jamais eles seriam lançados, de corpo e alma, no lago de fogo no grande Dia de Yah.

A carta à igreja de Pérgamo traz em seu início uma saudação e uma autodesignação de Yahusha ha’Mashyach que diz: “Estas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes”.

Outra vez, Yahusha escreve a carta para a igreja de Pérgamo usando o contexto deles histórico e profético nas duas testemunhas, a carta que em sua sequência mostra que Yahusha fará guerra contra algumas pessoas que estavam pervertendo o verdadeiro Evangelho naquela comunidade, é usada profeticamente também para denominar o tribunal de 30 dias após a Expiação no 6° Selo do Apocalipse onde Ele guerreira com seus exércitos (nós) contra a besta na batalha do Har Megido.

Depois da autodesignação de Yahusha, a carta ao Ysrael de Pérgamo traz um elogio seguido de uma repreensão e uma promessa final aos vencedores. O conteúdo de todas essas seções da carta à igreja de Pérgamo está em harmonia com o ambiente que cercava a igreja, e com os seus acontecimentos internos.

A igreja de Pérgamo e o trono de Satanás:
A igreja de Pérgamo foi elogiada por Yahusha por sua fidelidade mesmo diante de grande oposição e perseguição. A carta diz que a igreja de Pérgamo ficava bem no local onde estava o “trono de Satanás”. Isso porquê é a Turquia, Constantinopla onde o Anti-Messias vai se sentar do 1° ao 2° Selo para fazer guerra contra o rei do Sul (Egito).

Pérgamo tinha muitos templos pagãos. O monumento dedicado a Zeus era referência no mundo antigo. Asclépio, o deus da cura simbolizado pela figura da serpente (uma das figuras que Inácio da Antioquia usou para criar o novo deus chamado “iesus kristos” junto à religião “cristianismo” cultuando assim esse deus), também era altamente cultuado em Pérgamo.

Mas Pérgamo também era um centro da adoração ao imperador. Naquela cidade o imperador romano era louvado e recebia cultos em sua homenagem. Todos os habitantes da cidade eram convidados a proclamar: “César é meu mestre”.

Evidentemente esse ambiente causava sérios problemas ao Ysrael. Em Pérgamo eles eram duramente perseguidos. Ao não aderirem aos festivais religiosos da cidade, os crentes também eram praticamente excluídos da vida social e econômica da cidade, pois a economia estava muito ligada à religião, assim como será no Fim dos Tempos, ao rei que será o Anti-Messias.

Além disso, ao não reconhecer César como um deus, o Ysrael se tornavam alvos de uma perigosa repressão que poderia lhes custar a liberdade e até a vida. A própria carta à igreja de Pérgamo cita um sujeito do Ysrael chamado “Antipas” que foi martirizado naquela cidade. Inclusive, há uma antiga tradição que diz que Antipas foi queimado até a morte dentro de um touro de metal…

A repreensão à igreja de Pérgamo:
Depois de ter elogiado a igreja de Pérgamo por sua fidelidade num cenário de perseguição, o Yahusha repreendeu a mesma igreja por causa de seus descuidos com a doutrina e com a disciplina. Ali a “doutrina de Balaão” estava encontrando simpatizantes.
Balaão é um personagem do livro “Números”, quarto livro de Moisés. Balaão foi o profeta a quem Balaque deu instrução para amaldiçoar as tribos de Ysrael, ele arquitetou um plano para conduzir Ysrael à imoralidade e à desobediência à Yahuah. Contudo por revelação divina, Yahuah Tzvaot lhe aparecia e determinava que o povo de Ysrael fosse abençoado por ele, profetizando a grandeza daquele povo, o que irritou Balaque (Números 22-25).
Então a doutrina de Balaão seria: amaldiçoar Ysrael.
Então parece que de forma semelhante, na igreja de Pérgamo havia algumas pessoas que estavam participando das festas imorais da cidade como se isso não fosse um problema para a vida prática fiél daquela comunidade.
Talvez essas pessoas pensassem que podiam frequentar os festivais pagãos com seus cultos aos ídolos, desde que tivessem dentro de si a certeza de que um ídolo não significava nada. No final, essas pessoas propagavam a “doutrina dos nicolaítas” que basicamente eram pessoas comprometidas com o mundo. Mera semelhança com o povo cristão de hoje em dia cultuando aniversários, natal, ano novo, carnaval não é mera semelhança.

Então Yahusha exortou a igreja de Pérgamo a se arrepender e disciplinar seus membros faltosos. Caso contrário, o próprio Yahusha iria pelejar com a espada de sua boca contra aqueles permanecessem na prática mundana.

A promessa à igreja de Pérgamo:
Por fim, a carta à igreja de Pérgamo termina com uma promessa. Yahusha promete dar ao vencedor “do maná escondido”, bem como uma “pedrinha branca” com um novo nome escrito sobre ela, “o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe”.

A Bíblia explica que o próprio Yahusha é o maná que desceu do céu.

Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu.
Disse-lhes, pois, Yahusha: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu.
Porque o pão de Yahuah Tzvaot é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.
Disseram-lhe, pois: Mestre, dá-nos sempre desse pão.
E Yahusha lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a Mim não terá fome, e quem crê em Mim nunca terá sede.
João 6:31-35

Parece haver um contraste aqui. Aqueles crentes que rejeitassem os banquetes dos ídolos, poderiam se alimentar do próprio Yahusha ha’Mashyach e viver para sempre.

Eu sou o pão da vida.
Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram.
Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra.
João 6:48-50

Sim, Yahusha é o maná que alimenta a sua Igreja.
A respeito da pedrinha branca que traz sobre ela um novo nome, pode representar o próprio crente que a recebe, assim como as doze tribos de Israel eram representadas por doze pedras que ficavam nas vestes do sumo sacerdote.

Farás também o peitoral do juízo de obra esmerada, conforme à obra do éfode o farás; de ouro, de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido o farás.
Quadrado e duplo, será de um palmo o seu comprimento, e de um palmo a sua largura.
E o encherás de pedras de engaste, com quatro ordens de pedras; a ordem de um sárdio, de um topázio, e de um carbúnculo; esta será a primeira ordem;
E a segunda ordem será de uma esmeralda, de uma safira, e de um diamante;
E a terceira ordem será de um jacinto, de uma ágata, e de uma ametista;
E a quarta ordem será de um berilo, e de um ônix, e de um jaspe; engastadas em ouro serão nos seus engastes.
E serão aquelas pedras segundo os nomes dos filhos de Israel, doze segundo os seus nomes; serão esculpidas como selos, cada uma com o seu nome, para as doze tribos.
Êxodo 28:15-21

Nesse caso a pedra é branca como símbolo de purificação, justificação e santificação, assim como os santos em apocalipse se vestem com vestes de linho fino, puro e branco.

E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.
E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.
Apocalipse 19:8,14

Já com relação ao novo nome escrito sobre a pedrinha branca, pode ser a pessoa que o recebe e tem a ver com o seu novo caráter transformado e com sua nova relação com Yahusha, tendo o novo nome sendo o Nome de Yahusha (tendo a mente de Yahusha, sendo guiado por Ele, assim como seremos no apocalipse).

A carta à igreja de Tiatira começa trazendo uma grandiosa autodesignação de Yahusha: “Estas coisas diz o Filho de Yahuah, que tem os olhos como chama de fogo e os pés semelhantes ao bronze polido”. Essa apresentação de Yahusha tinha tudo a ver com o contexto em que viviam o Ysrael daquela cidade. Tiatira possuía uma famosa associação que trabalhava com bronze.
Na sequência Yahusha elogia a igreja de Tiatira por seu trabalho. Ele declara conhecer suas obras, seu amor, sua fé, o seu serviço e sua perseverança. Na verdade as últimas obras da igreja de Tiatira eram mais numerosas que as primeiras. A igreja de Tiatira possivelmente já tinha quase 40 anos de existência.
Mas se na carta à igreja de Tiatira o Yahusha Yahusha elogia a igreja por suas boas obras, Ele também repreende a igreja por sua negligência em combater certas práticas e costumes pagãos que estavam sendo introduzidos na comunidade de Ysrael enquanto a importância da disciplina aos membros faltosos era negligenciada.
O principal problema da igreja de Tiatira tinha um nome bem definido: Jezabel. Não é possível afirmar com exatidão se Jezabel era o nome real da mulher que pertencia àquela comunidade ou era o seu pseudônimo; já que o nome Jezabel na Bíblia é sinônimo de sedução à idolatria e à imoralidade TREMENDA.
Seja como for, tal como a personagem do Antigo Testamento que foi mulher do rei Acabe, a mulher de Tiatira denominada Jezabel também se ocupava de influenciar e seduzir as pessoas à idolatria e à imoralidade. E a verdade é que em Tiatira Jezabel encontrava um ambiente muito propício para propagar o seu engano.

O grande erro da igreja de Tiatira:
Como foi dito, toda a vida econômica da cidade era organizada em associações comerciais. Cada associação possuía o seu deus patrono. Então era praticamente impossível pertencer à vida social e comercial da cidade sem ter de abraçar o culto ao deus de determinada associação, tipo na “igreja” católica que existe patronos pra tudo, são pedro, são judas tadeu, e por aí vai. E uma vez introduzido em uma dessas associações, era esperado que o indivíduo participasse das festas pagãs que traziam grandes banquetes oferecidos à deidade patronal, e ainda muita imoralidade através dos rituais de prostituição religiosa.
Portanto, o Ysrael da igreja de Tiatira não tinha vida fácil. Se não participasse de uma associação, o crente era basicamente excluído da sociedade e passava por necessidade, fome e perseguição. Mas se ele resolvesse participar de uma dessas associações, então ele teria demandas que inevitavelmente o colocariam numa posição de infidelidade ao Yahusha Yahusha. Ou o crente de Tiatira negava o mundo e enfrentava as privações decorrentes disso, ou negava à Yahusha.

Nesse contexto foi que surgiu a autodeclarada profetiza Jezabel. Ela estava seduzindo os crentes de Tiatira a comerem dos banquetes sacrificados aos ídolos e a praticarem a prostituição. Ela pregava que os crentes tinham que conhecer “as coisas profundas de Satanás”.
Talvez ela apoiasse seu ensino em alguma vertente do dualismo grego que enxergava a matéria como algo ruim e o espírito como algo puro e bom. Então ela ensinava que o crente podia explorar as coisas profundas de Satanás em seu corpo, sem que com isso prejudicasse o seu espírito.
Na prática, Jezabel induzia os crentes de Tiatira a participarem de todo o paganismo da cidade, com a desculpa de que com isso eles estavam sendo introduzidos ao conhecimento das coisas profundas de Satanás. Parece que a ideia dela era que para vencer Satanás, os crentes tinham de conhecê-lo profundamente, e para se tornarem um “Ysrael melhor”, os crentes de Tiatira tinham que experimentar o pecado.

A repressão à igreja de Tiatira:
Por tudo isso a igreja de Tiatira foi repreendida pelo Yahusha. Não havia qualquer desculpa para a igreja tolerar Jezabel e sua corrupção. Na carta ainda Yahusha mostra sua longanimidade ao afirmar que havia dado tempo para que aquela mulher se arrependesse, porém ela não queria saber de abandonar a sua prostituição.
Como juízo sobre tudo isso, Yahusha avisou: “Eis que a prostro de cama, bem como em grande tribulação os que com ela adulteram; caso não se arrependam das obras que ela incita. Matarei os seus filhos, e todas as igrejas conhecerão que Eu Sou aquele que sonda mentes e corações, e vos darei a cada um segundo as vossas obras”.
Se a igreja de Tiatira estava falhando em disciplinar Jezabel e os que com ela se prostituíam, o Yahusha Yahusha não falharia em sua disciplina. Na sentença provavelmente há um contraste entre o leito de prostituição e o leito de enfermidade. Aquela que deliberadamente e insistentemente havia se deitado numa cama para se prostituir, agora se deitaria numa cama enferma. Então na carta parece que Yahusha promete punir Jezabel com alguma enfermidade.
Mas o castigo divino não pararia por aí. Aqueles que aceitaram os ensinos daquela mulher e se prostituíram com ela, seriam colocados em grande tribulação. Além disso, os chamados “filhos de Jezabel” também seriam mortos.
Sendo esses filhos, seus filhos naturais ou filhos espirituais, ou seja, todos aqueles que já tinham aceitado sem qualquer reserva e de forma irreversível às práticas ensinadas por Jezabel.
Por fim, o castigo sobre Jezabel e seus associados serviria de testemunho para todas as igrejas de que é impossível escapar d’Aquele que “sonda as mentes e corações”.

A promessa à igreja de Tiatira:
Na carta à igreja de Tiatira, em vez de trazer uma lista de exigências aos crentes fiéis que não tinham abraçado a falsa doutrina de Jezabel, Yahusha apenas os exorta a continuarem fiéis, evitando os costumes pagãos daquela cidade.

Então Yahusha promete aos crentes que guardarem os seus mandamentos, que eles reinarão com Ele, e estarão associados ao próprio Yahusha no julgamento que condenará os pecadores reduzindo-os “a pedaços como se fossem objetos de barro”.
A carta à igreja de Tiatira termina com a afirmação de que os crentes fiéis não apenas reinarão com Yahusha, mas ainda participarão do seu esplendor.

Agora, veja irmãos, a igreja de Tiatira está exatamente no meio da Menorah, significa a metade da semana, o 4° Selo do Apocalipse, por isso aqui é a primeira vez que Yahusha fala “Grande Tribulação”, é a metade da última semana de Daniel, onde o Anti-messias impõe a marca (Veja meu modelo do Apocalipse).

Sardes:

E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os 7 espíritos de Yahuah, e as 7 estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto.
Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Yahuah.
Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.
Mas também tens em Sardes algumas poucas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso.
O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Filadélfia:

E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:
Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o Meu Nome.
Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.
Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.
Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.
A quem vencer, eu o farei coluna no templo do Meu Alahim, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o Nome do Meu Alahim, e o nome da cidade do Meu Alahim, a Nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Alahim, e também o meu Novo Nome.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Laodicéia:

E ao anjo da igreja de Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Yahuah:
Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!
Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.
Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;
Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.
Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.
Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.
Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no Seu Trono.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
Apocalipse 3:1-22

A mensagem para a Igreja de Sardes é basicamente: “Arrependa-te, mude seus caminhos, e vigie, porquê virei a ti como um ladrão”.
Profeticamente é para nós vigiarmos o tempo inteiro, e lavar nossas vestes no sangue do Cordeiro!

“Consolida o resto que estava para morrer”: Uma última tentativa de resgate. A igreja em Sardes estava quase morta, mas ainda houve uma esperança de salvar alguns, ou talvez até de reavivar a congregação.

Não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus”: Para ter a reputação de ser uma igreja viva, parece que ainda havia alguma atividade em Sardes. O problema não foi a ausência total de obras, mas a falta de integridade delas. É possível defender a doutrina de Yahuah sem amá-lo. É possível obedecer mandamentos de Yahuah sem inteireza de coração. É possível fazer coisas certas com motivos errados. Os homens podem ver as obras; Yahuah vê os corações, também.

“Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te”: Como a cidade de Sardes olhava para seu passado glorioso, a igreja precisava lembrar as grandes bênçãos recebidas e voltar a valorizar a sua comunhão especial com Yah. Se esquecermos da palavra de Yahuah e da salvação do pecado, facilmente cairemos no pecado. Para nos firmar na fé, temos que lembrar do que temos recebido. Não é por acaso que a Ceia de Yah foi dada como a celebração central das reuniões do Ysrael. Quando lembramos da morte de Yahusha, do sacrifício que ele fez por nós, ficamos mais firmes em nossos passos rumo ao Reino. Mas não é suficiente lembrar das coisas que ouvimos; precisamos guardar as palavras de Yah. O evangelho não é apenas para ouvir; é para ser obedecido. No caso do povo desobediente de Sardes, teriam de se arrependerem para voltar às boas obras de obediência.

A Igreja de Filadélfia representa a outra testemunha do Apocalipse, os Gentios, ou seja, nós os que seremos guardados no momento do 4° Selo do Apocalipse, ou seja, a Grande Tribulação, o Messias diz que usará a chave de David para abrir uma porta, isso está apontando diretamente para Apocalipse 12, onde a Mulher recebe asas de grande águia para voar até o seu lugar no deserto que foi preparado para lhe sustentar por 1260 dias.

E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente.
E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar.
E a terra ajudou a mulher; e a terra abriu a sua boca, e tragou o rio que o dragão lançara da sua boca.
E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os Mandamentos de Yahuah, e têm o testemunho de Yahusha ha’Mashyach.
Apocalipse 12:14-17

Podemos fazer um link com a frase “guardaste a minha palavra, e não negaste o Meu Nome.” com “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo”, isso aponta a porta que será aberta para os gentios fugirem para o deserto, essa ajuda se daria porquê o anjo Miguel se levanta em favor do povo do Pai (nós) e então a terra abre a boca e traga a água que a serpente joga, que são exércitos, sendo a serpente o Anti-Messias, e então ela se ira e vai fazer guerra contra a outra testemunha, a casa de Yahudah (Judah) que representa Moisés, e fica em Jerusalém profetizando contra o Anti-Messias.

A mensagem para a Igreja de Laodicéia é totalmente uma exortação:
“Que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente!”: As águas termais de Hierápolis ajudavam no tratamento de alguns problemas de saúde. As águas frias de Colossos eram boas para beber. Mas as águas mornas de Laodicéia basicamente não serviam para nada; só davam ânsia de vômito!
“Assim…estou a ponto de vomitar-te da minha boca”: Yahusha olhou para a igreja de Laodicéia, contente no seu estado de autossuficiência e falsa confiança, e sentiu vontade de expulsá-la de sua presença.
“Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu”: O orgulho dos discípulos de Laodicéia os cegou ao ponto de não enxergarem os seus problemas. Eles se achavam fortes e independentes, mas Yahusha viu o estado real de uma igreja fraca, cega e infrutífera. A cidade de Laodicéia sofreu um terremoto em 60 d.C. e foi reedificada com recursos próprios, sem auxílio do governo romano. Parece que a igreja sentia a mesma atitude de autossuficiência, perigosíssima num rebanho de ovelhas que precisa seguir o seu Bom Pastor! Numa cidade conhecida por tratamentos de olhos, a igreja se tornou cega e não procurou o tratamento do Grande Médico. Precisavam da humildade dos publicanos e pecadores

E Yahusha, respondendo, disse-lhes: Não necessitam de médico os que estão sãos, mas, sim, os que estão enfermos;
Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento.
Lucas 5:31,32

Numa cidade que produzia roupas de lã, a igreja andava nua, sem a vestimenta de justiça oferecida por seu Mestre. Se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus.
2 Coríntios 5:3

Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos. E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou;
Colossenses 3:9,10

“Aconselho-te”: Yahusha não elogiou a igreja em Laodicéia, mas ofereceu conselho para guiá-la de volta à comunhão íntima com ele. Sugeriu 3 coisas necessárias para a igreja:

1. Comprar Dele ouro refinado. A verdadeira riqueza é espiritual, e vem exclusivamente de Yahuah. Ele oferece o ouro puro, refinado pelo fogo.

2. Comprar Dele vestiduras brancas. É Yahuah quem lava os nossos pecados e nos veste de pureza e de atos de justiça.

3. Comprar Dele colírio para os olhos. Somente Yahusha pode curar a cegueira espiritual que aflige os orgulhosos e autossuficientes. Foi exatamente o mesmo problema que Yahusha criticou nos fariseus

Deixai-os; são cegos condutores de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.
Mateus 15:14

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança.
Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo.
Mateus 23:25,26

É o mesmo problema de qualquer um que esquece da importância do sacrifício de Yahusha e começa a confiar em si mesmo.

Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, nada vendo ao longe, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados.
2 Pedro 1:9

“Eu repreendo e disciplino a quantos amo”: A correção que vem de Yahuah é uma manifestação do Seu Amor.

Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.
E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção de Yah, E não desmaies quando por ele fores repreendido;
Porque Yah corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho.
Se suportais a correção, Yahuah vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija?
Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos.
Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos?
Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade.
E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela.
Hebreus 12:4-11

Quando Yahuah nos corrige, devemos aceitar a disciplina como ele deseja, para o nosso próprio bem. Ele quer nos conduzir ao arrependimento e à plena comunhão com Ele. A disciplina aplicada pelos servos de Yahuah deve também ser motivada pelo Amor

Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados,
E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado.
Hebreus 12:12,13

“Sê, pois, zeloso e arrepende-te”: A solução ao problema dos discípulos em Laodicéia não seria meramente algumas mudanças externas. Precisavam do zelo para com Yahuah para se arrependerem.

“Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono”: Os vencedores terão o privilégio de reinar com Yahusha. Tal honra não seria para os orgulhosos e autossuficientes, mas para os humildes e obedientes. Yahusha foi obediente ao Pai aqui na terra para ser exaltado ao lado dele no céu

E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de estaca.
Por isso, também Yahuah o exaltou soberanamente, e lhe deu Um Nome que é sobre todo o Nome;
Filipenses 2:8,9

Somente os obedientes serão exaltados com Yah.

Na carta à igreja em Laodicéia, Yahusha não citou nenhuma doutrina errada e nenhum pecado de imoralidade. Ele não condenou a igreja por práticas idólatras. Esta igreja, que se achava rica e forte, foi criticada por seu orgulho e autossuficiência. Exaltou-se, ao invés de se humilhar diante do Rei dos reis.

Uma separação interessante se você perceber, é que a carta para as 4 primeiras igrejas foram reunidas no capítulo 2 de Apocalipse, e as 3 últimas no próximo capítulo, o 3, igualmente as Festas da Torah, 4 foram cumpridas pelo Messias (Pesach, Ázimos, Primícias, Pentecostes), e então há um intervalo, o lapso de tempo entre a semana 69 e a 70 de Daniel, e por fim as 3 últimas festas (Trombetas, Expiação e Tabernáculos), é uma divisão interessante que mostra conexão com as festas, e com os selos do apocalipse!

Eric Guedes

Esta é uma comunidade escatológica dos escolhidos, dos eleitos do fim dos tempos. Nosso objetivo é direcionar os eleitos no estudo da Palavra baseado na sinceridade e verdade.

Deixe um comentário