A ORIGEM DO CRISTIANISMO

A CRIAÇÃO DO JESUS CRISTO

Nós sempre ouvimos que foi Jesus Cristo quem criou o cristianismo, ou melhor, catolicismo, mas a Verdade não é bem por aí.
Corrigindo a frase, digo que não foi Jesus Cristo que inventou o cristianismo, mas o cristianismo que inventou Jesus Cristo. “Mas Eric, o quê isso quer dizer?” Você entenderá.

E digo mais, além do Jesus Cristo ter sido inventado pelo catolicismo, o catolicismo foi inventado por um homem chamado: Inácio, conhecido como “Santo Inácio”.
“Ora, mas sempre ouvi falar que foi Constantino quem criou o cristianismo, e foi o responsável pela corrupção e paganização do Cristianismo”… bom, apesar do imperador romano, Constantino, ter certamente acrescentado e consolidado a apostasia do Cristianismo primitivo, ele não foi o primeiro, foi na realidade Inácio da Antioquia da Síria que se rebelou contra o Concílio de Jerusalém, usurpou sua autoridade, segregou-se do Judaísmo, declarou que a Torá havia sido abolida, substituiu o Shabat do sétimo dia pela adoração no domingo (o primeiro dia) e fundou uma nova religião chamada de “Cristianismo”, criando um novo deus chamado “Iesus Cristo” através de um sincretismo de deuses pagãos.


Vamos falar primeiro da criação do personagem “Iesus Cristo”.
Iesus Cristo, em Grego: Ἰησοῦς (Iesous), em Latim: Iesus, em Hebraico-Aramaico: Yeshua, também chamado Jesus de Nazaré é a figura central do cristianismo e aquele que os ensinamentos de maior parte das denominações cristãs, além dos judeus messiânicos, consideram ser o Filho de Deus. Mas será que esse “Filho de Deus” é o Filho do Deus da Bíblia?
Vejamos o significado dos nomes nos idiomas respectivos:
Se o nome vem do grego, do latim e do hebraico-aramaico, vamos traduzir os significados diretamente da língua:
IESOUS (GREGO)

Estranho, né? Certamente você deve estar confuso agora.
Bom, vamos continuar…
Zeus (em grego antigo: Ζεύς: Zeus, em grego moderno: Δίας: Días é o pai dos deuses, que exercia a autoridade sobre os deuses olímpicos na antiga religião grega. É o deus dos céus, raios, relâmpago que mantêm a ordem e justiça na mitologia grega.
Deus é um termo latino que de início descrevia todas as deidades e que com o tempo passou a ser usado também para descrever o conceito de Deus como substantivo próprio, a raiz é mesmo de Zeus, e foi designado para o uso com quaisquer entidades, do mesmo modo que ocorreu ao termo germânico “God”. Os termos latinos “deus e dīvus” são provenientes do idioma protoindo-europeu deiwos, “celestial” ou “brilhante”, da mesma raiz de Dyēus, o deus reconstruído do Panteão Proto-Indo-Europeu.
Em latim clássico, deus (feminino: dea) era substantivo comum, mas tecnicamente divus ou diva era uma figura que se tornara divina, como um imperador divinizado. Em latino tardio, “Deus” veio a ser usado principalmente para o Deus cristão. o termo foi herdado pela línguas românicas: em Francês “Dieu”.
Em Espanhol “Dios”.
Em Português e Galego “Deus”.
Em Italiano “Dio”.
E também pelas Línguas célticas em galês “Duw” e irlandês “Dia”.
O latim deus traduz-se consistentemente em grego θεός: theos tanto na Vetus Latina quanto na Vulgata. Tudo isso diz respeito ao deus sol, seja em quaisquer culturas, assim como em inglês: God, tendo sua letra “G” para representar o deus, muito usado na Maçonaria (GADU), ao mesmo tempo representa a nota “Sol”, em inglês “G”, e para formar o acordo de Sol sustenido 2° (Gsus2) é necessário 3 notas, sendo elas: Sol, Lá e Ré, e levando de volta para o inglês, temos: G A D.


Zeus é equivalente ao deus romano Júpiter:

Também é equivalente ao deus etrusco Tinia:

E equivalente ao deus sol Babilônico Tamuz, “reencarnação” de Nimrod: Tamuz, Dumuzi ou ainda Dumuzide (em hebraico: תַּמּוּז; romaniz.: Tamuz; em acádio: Duʾzu ou Dūzu; em sumério: 𒌉𒍣𒉺𒇻; romaniz.: ddumu-zid) era uma antiga divindade suméria (sol), sendo o deus da fertilidade e um pastor. O nome Tamuz parece ter sido derivado da forma acadiana Tammuzi, baseada no antigo sumério Damu-zid, que no sumério padrão posterior se tornou Dumuzide ou Dumuzi. A menção mais antiga conhecida de Tamuz está em textos que datam do início do Terceiro Período Dinástico (c. 2600–2334 a.C.), mas seu culto provavelmente era muito mais antigo. Embora o culto seja atestado para a maioria das principais cidades da Suméria no III e II milênios a.C., ele se concentrava nas cidades ao redor da área de estepe central (o edim), como, por exemplo, em Bade-Tibira (moderna Madīnah), onde Tamuz era considerado um deus da cidade.

Equivalente ao deus sol da Pérsia Mitra:
Mitra é o deus da sabedoria, dos contratos e da guerra na mitologia indo-ariana da Índia, Pérsia e Anatólia.
Na mitologia persa representava a luz, o bem e o mundo espiritual distinto da matéria. Era filho do deus persa do bem, Aúra-Masda, e lutava contra os inimigos deste com suas armas e com seu javali Verethraghna. Era identificado com o sol, viajando todos os dias pelo céu com sua carruagem para espantar as forças das trevas. Era uma das mais populares divindades persas.

Equivalente ao deus sol do Egito Rá:  ou  (em egípcio: ri:ʕu) é o deus do Sol do Antigo Egito. No período da Quinta Dinastia se tornou uma das principais divindades da religião egípcia, identificado primordialmente com o sol do meio-dia. O principal centro de seu culto era a cidade de Heliópolis (chamada de Inun, “Local dos Pilares”, em egípcio), onde era identificado com o deus solar local, Atum. Através de Atum, ou como Atum-Ra, também era visto como o primeiro ser, responsável pela egípcia Enéade, que consistia de Shu e Téfnis, Geb e Nut, Osíris, Seti, Ísis e Néftis.

Todos esses deuses, representam os mesmos em culturas diferentes, e com o cristianismo não é diferente, o deus sincrético pagão Jesus Cristo foi criado como o deus sol encarnado, assim como na Antiga Babilônia com Tamuz. Inácio da Antioquia revela-se conhecedor das processões divinas em “Deus”, ao reconhecer no Cristo a processão intelectiva de “Deus”: “De fato, Iesus Cristo, nossa vida inseparável, é o pensamento do Pai”, o que seria mais tarde explicado à luz da filosofia por Tomás de Aquino. Inácio tinha a ideia do Iesus Cristo como: “gerado e não criado, Deus existindo em carne”. Então podemos afirmar que o “Iesus Cristo” é o deus do cristianismo. Inácio fez muitas coisas, uma delas foi substituir a adoração no Sábado, pelo domingo, ele declara que os cristãos herdeiros da Nova Aliança não guardam mais o sábado, mas se reúnem no dia do “Senhor” (o domingo):
“Aqueles que viviam na antiga ordem de coisas chegaram à nova esperança, e não observam mais o sábado, mas o dia do Senhor, em que a nossa vida se levantou por meio dele e da sua morte. Alguns negam isso, mas é por meio desse mistério que recebemos a fé e no qual perseveramos para ser discípulos de Iesus Cristo, nosso único Mestre”.
Então até agora podemos concluir que Iesus Cristo é:

  1. Deus do cristianismo
  2. O dia dele é o domingo (sunday – o dia do sol)
  3. Iesus significa o deus sol, sórdido e porco.

Podemos perceber que Inácio da Antioquia tinha um longo repertório pagão.
A história da criação de “Iesus Cristo”:
Tudo começa em Alexandria, no Egito com Ptolemeu.
Cláudio Ptolemeu foi um cientista grego que viveu em Alexandria, uma cidade do Egito. Ele é reconhecido pelos seus trabalhos em matemática, astrologia, astronomia, geografia e cartografia. Realizou também trabalhos importantes em óptica e teoria musical.
Na época de Ptolemeu os estudos tendiam a mesclar ciência e misticismo. A Astrologia ocupava-se dos estudos da localização e movimento dos corpos celestes, mas também da associação da localização dos mesmos com a adivinhação.
Por essa razão, séculos mais tarde, houve a necessidade de separar o componente científico da mística e criou-se o termo “Astronomia” para referir o estudo apenas do componente científico da coisa. Foi exatamente o mesmo que aconteceu com a Química que se separou da Alquimia pelas mesmas razões.
Tudo isso que temos hoje não é nada puramente científico ou técnico, tudo isso veio do misticismo, só fizeram a separação, como por exemplo: rituais de matança de bebês para oferecer ao Senhor (Senhor era o verdadeiro nome de Baal), teve uma separação aí ao decorrer do tempo na sociedade, separou a parte científica da coisa (ritual de sacrifício de fetos), da parte religiosa (sacrifício de fetos para Baal), e surgiu aí o direito inefável constitucional do aborto.
A política de Ptolemeu consistiu em encontrar uma divindade que conquistasse a reverência dos dois grupos étnicos do país, a despeito das maldições imprecadas pelos sacerdotes egípcios contra os deuses dos antigos soberanos estrangeiros (como o deus Seti, que foi louvado pelos hicsos).
Alexandre, o Grande havia tentado usar Amon para este propósito, porém este deus era mais cultuado no Alto Egito, e não tinha tanta popularidade entre os habitantes do Baixo Egito, onde havia maior influência grega.
Os gregos tinham pouco respeito por figuras com cabeças de animais, como as quimeras criadas pelos Anjos que fizeram sexo com mulheres humanas na era Pré-Diluviana, e portanto uma estátua antropomórfica, no estilo grego, foi escolhida como ídolo, e proclamada oficialmente como equivalente ao deus egípcio “Ápis”, extremamente popular.
Foi chamado inicialmente, em egípcio, de Aser-hapi (Osíris-Ápis), que então, se tornou “Serápis”. Ele era tido como sendo o deus Osíris em sua totalidade, e não apenas a sua Ka (que significa força vital).
“Serápis Christus” foi uma divindade sincrética helenístico-egípcia. O culto a Serápis foi introduzido em Alexandria, por volta do século IV antes do Messias, com o propósito de reunir em um sincretismo as tradições religiosas egípcia e helênica.
Do lado egípcio, o deus identificava-se com Osíris, o marido de Ísis; do lado grego, aproximava-se de Dionísio e dos seus mistérios. Nas duas tradições, esses deuses presidiam à vegetação e governavam o mundo subterrâneo.
Por um certo tempo, Serápis ganhou o status de deus masculino universal, o único: Zeus Serápis. E seu culto, geralmente associado ao de Ísis, disseminou-se pelo mundo Greco-Romano.
Serápis Christus é representado com o aspecto de um homem de idade madura e semblante grave, usando barba e longos cabelos. O seu atributo é a corbelha sagrada dos mistérios, símbolo da abundância, juntamente com a serpente de Asclépio, uma vez que ele era, igualmente, um deus curandeiro.

Uma correspondência do imperador Adriano (117-138) a seu cunhado o cônsul Serviano, refere-se aos adoradores de Serápis Christus, de Alexandria, chamando-os de “cristãos” e “bispos de Cristo”:
“Queridíssimo Serviano, o Egito que tanto elogiavas parece-me ser leviano, vacilante e borboleteador entre os rumores de cada momento. Os que adoram a Serápis são cristãos. E os que dão o título de bispos de Cristo são devotos de Serápis”. GONZALEZ, 2003, pág. 117
Na criação do cristianismo, Inácio, sendo o primeiro bispo depois da morte de Paulo, fez um sincretismo religioso pagão com vários deuses e usando Serápis Christus para criar um novo deus cujo sua história é a do Messias de Ysrael. O nome composto pelo deus sol de várias culturas e o curandeiro Serápis Christus, foi criado como “Iesus Christos”.
“Christos” é o termo usado em português (Cristo) para traduzir a palavra grega “Χριστός”: Khristós, que significa “Ungido como filho do Sol”.
A partir de então, Inácio perseguia todos os ysraelitas que criam no Messias de Ysrael (chamados de Natzarim [ramos da oliveira]), por não quererem se converter e prestar culto à esse novo deus chamado “Iesus Christos”, pois para Inácio, todos os que não se converterem ao cristianismo, não são de “Deus”:
“Não nos façamos pois insensíveis à Sua bondade. Pois se Êle imitar nosso proceder, estaremos liquidados. Por isso, tornando-nos discípulos Seus, aprendamos a viver segundo o cristianismo. Pois quem usar outro nome fora dêsse não é de Deus”. Carta de Inácio aos Magnésios 10:1
O Verdadeiro Nome do Messias de Ysrael é: Yahusha ha’Mashyach
Significa: Yahu Salva, o Messias
Mas também está correto o Nome: Yahushua ou Yahshua
Os significados são:
Yahushua: Yahu é a Salvação
Yahshua: Yah é a Salvação
Em Hebraico-Aramaico o Nome do Messias:
Yod (Y)
He (Ah)
Wav (U)
Shin (Sh)
Ayin (A)
= Yahusha.
Perceba o nome do Pai abreviado “Yah”.
Abraão, Jacó e Moisés o chamava assim, como Yah, no Hebraico.
ha’Mashyach Significa: “O Messias”, e
Mashyach significa: “Messias”.
Algumas pessoas acreditam que o Nome do Messias é Yeshua, mas não pode ser Yeshua porquê “Ye” não é o Nome do Pai, e se não é, o Messias viria por Ele mesmo, e não é, o Messias vem pelo Pai, É o Pai Quem Salva:
Eu, Eu Sou Yahuah, e fora de mim não há Salvador.
Isaías 43:11
Então o verdadeiro Nome do Messias precisa ter o Nome do Pai, de regra. E não importa se o sistema está tentando ocultar isto, o Espírito do Pai está revelando Seu Nome e o Nome de Seu Filho para teus filhos eleitos. Para se aprofundar no Nome do Pai e do Filho, veja o post do Nome Inefável.
Paulo disse aos efésios em sua última visita a eles:
“Cuidai pois de suas almas e de todo o rebanho sobre o qual a Ruach ha’Kodesh vos constituiu supervisores, para apascentardes a Congregação de Alahim, que Ele adquiriu com seu próprio sangue. Eu sei que depois da minha partida entrarão no meio de vós lobos cruéis que não terão pena do rebanho, e que dentre vós mesmos se levantarão homens, falando coisas perversas para desviar os discipulos, para que os sigam.”
Atos 20:28-30
Paulo parece indicar que após sua morte, líderes começariam a se levantar dentre os supervisores [bispos] em seu lugar, e levariam pessoas a os seguirem doutrinas erradas e a se afastarem da Torah.
Na realidade, Paulo morreu em 66, e o primeiro supervisor (bispo) de Antioquia a tomar o cargo após a sua morte foi Inácio em 98. Inácio cumpriu com precisão as palavras de Paulo. Depois de tomar o cargo de bispo sobre Antioquia, Inácio enviou uma série de epístolas a outras congregações. Suas cartas aos efésios, magnésios, trálios, romanos, filadelfenos, e esmirneus, bem como sua carta pessoal a Policarpo.
O historiador e comentador nazareno antigo, Hegésipo (cerca do ano 180) escreve acerca do tempo imediatamente após a morte de Shimon (Simão), o qual havia sucedido a Ya’akov HaTsadik (Tiago, o Justo) como Nassi (“Presidente”) do Sanhedrin Nazareno, e que morreu em 98:
“Até aquele período (98 DC), a Assembléia havia permanecido como uma virgem pura e incorrompida: pois, se havia quaisquer pessoas dispostas a alterar a regra completa da proclamação da salvação, elas ainda vagavam em um lugar obscuro oculto ou outro. Mas, quando o bando sagrado de Emissários havia de várias formas findado suas vidas, e a geração dos homens havia sido confiado ouvir à Sabedoria inspirada com seus próprios ouvidos passou, então a confederação do erro da iniquidade tomou ascenção através da infidelidade dos falsos mestres que, vendo que nenhum dos emissários ainda sobrevivia, levantaram suas cabeças para se opor à proclamação da verdade, proclamando algo falsamente chamado de conhecimento.” Hegésipo, o Nazareno; c. 98 DC; citado por Eusébio em Hist. Ecl. 3:32
Hegésipo indica que a apostasia começou no mesmo ano que Inácio se tornou bispo de Antioquia!
Até o tempo de Inácio, qualquer disputa que surgisse em Antioquia por fim era levada ao Concílio de Jerusalém (tal como em Atos 14:26-15:2).
“E dali navegaram para Antioquia, de onde tinham sido encomendados à graça de Yahuah para a obra que já haviam cumprido.
E, quando chegaram e reuniram a igreja, relataram quão grandes coisas Yahuah fizera por eles, e como abrira aos gentios a porta da fé.
E ficaram ali não pouco tempo com os discípulos.
Então alguns que tinham descido da Judéia ensinavam assim os irmãos: Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos.
Tendo tido Paulo e Barnabé não pequena discussão e contenda contra eles, resolveu-se que Paulo e Barnabé, e alguns dentre eles, subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, sobre aquela questão.”
Atos 14:26-28, 15:1,2
Inácio usurpou a autoridade do Concílio de Jerusalém, declarando a si mesmo, o bispo local, como sendo a autoridade final sobre a assembleia que o havia feito bispo, e semelhantemente declarando isto ser verdade acerca de todos os outros bispos e suas assembleias locais. Inácio escreve:
“[…] sujeitando-se ao seu bispo… …andem juntos conforme a vontade de D-us. Jesus… é enviado pela vontade do Pai; Assim como os bispos… são [enviados] pela vontade de Jesus Cristo.”
Carta de Inácio aos Ef. 1:9,11
“[…] seu bispo […] penso que felizes são vocês que se unem a ele, assim como a igreja o é a Jesus Cristo e Jesus Cristo o é ao Pai… Vamos portanto cuidar para que não nos coloquemos contra o bispo, para que nos sujeitemos a D-us. Devemos olhar para o bispo tal como olharíamos para o próprio S-nhor.”
Carta de Inácio aos Ef. 2:1-4
“[…]obedeça ao seu bispo[…]”
Carta de Inácio aos Mag. 1:7
“Seu bispo está presidindo no lugar de D-us[…] […] unam-se ao seu bispo[…]”
Carta de Inácio aos Mag. 2:5,7
“[…] aquele […] que faz qualquer coisa sem o bispo… não é puro em sua consciência…”
Carta de Inácio aos Tral. 2:5
“[…] Não faça nada sem o bispo.”
Carta de Inácio aos Fil. 2:14
“Cuidem para que vocês sigam o seu bispo, Assim como Jesus Cristo ao Pai[…]”
Carta de Inácio aos Esm. 3:1
Ao exaltar o poder do ofício do bispo (supervisor) e exigir a absoluta autoridade do bispo sobre a assembleia, Inácio estava na realidade fazendo uma jogada para obter o poder, tomando a autoridade absoluta sobre a assembleia de Antioquia e encorajando outros supervisores não-judeus a fazerem o mesmo.
Além disso, Inácio afastou os homens da Torah e declarou que a Torá havia sido abolida, não somente em Antioquia, mas em todas as assembleias de não-judeus para as quais escreveu:
“Não sejam enganados por doutrinas estranhas; nem por fábulas antigas sem valor. Pois se continuarmos a viver conforme a Lei Judaica, estamos confessando que não recebemos a graça […]”
Carta de Inácio aos Mag. 3:1
“Mas se alguém pregar a Lei Judaica a vocês, não lhe dêem ouvidos […]”
Carta de Inácio aos Fil. 2:6
Foi Inácio quem primeiro substituiu o Shabat do sétimo dia pela adoração dominical, escrevendo:
 
“[…] não mais observem os Shabatot, mas observem o dia do Senhor, no qual também a nossa vida floresce nEle, através da Sua morte[…]”
Carta de Inácio aos Mag. 3:3
Tendo usurpado a autoridade de Jerusalém, declarado a Torah abolida, e substituído o Shabat pelo domingo, Inácio criou uma nova religião. Inácio então cunha um novo termo, nunca antes utilizado, para essa nova religião que ele chama de “Cristianismo”, a adoração ao Christos, e a qual ele mesmo deixa claro que é distinta do Judaísmo. Ele escreve:
 
“Vamos portanto aprender a viver conforme as regras do Cristianismo, pois quem quer que seja chamado por qualquer outro nome além desse, esse não é de D-us […] É absurdo nomear Jesus Cristo e Judaizar. Pois a religião cristã não abraçou a judaica. Mas a judaica [abraçou] a cristã […]”
Carta de Inácio aos Mag. 3:8,11
Ao final do primeiro século, Inácio de Antioquia havia cumprido o alerta de Paulo. Ele abandonou o Judaismo e fundou uma nova religião a qual chamou de “Cristianismo.” Uma religião que rejeitou a Torah, e substituiu o Shabat do sétimo dia pela adoração dominical.
A subordinação da Igreja à autoridade de seus bispos marcou o início da apostasia que deu origem à hierarquia papal da Igreja Católica Apostólica Romana (seita romanista) e de suas variações. Mas até o fim do primeiro século e começo do segundo, a doutrina da Trindade ainda não havia sido plenamente formulada e, portanto, não fazia parte das crenças primitivas dos seguidores do Messias de Ysrael. Nesse aspecto, trechos das chamadas “epístolas de Santo Inácio de Antioquia” reunidos pelo católico J. N. D. Kelly no artigo abaixo, condensado do livro “Early Christian Doctrines”, são também reveladores e comprovam a desonestidade dos teólogos adventistas que nos tentam fazer crer que até os apóstolos e o próprio Messias teriam sido trinitarianos! Convém lembrar que, para muitos, essas cartas de Inácio escritas no começo do século II, quando este supostamente seguia para o martírio em Roma, seriam “os primeiros documentos cristãos após o Novo Testamento”. As citações contêm nas entrelinhas o pensamento “ternário”, embrião da apostasia trinitariana. Mas perceba também que Inácio desvirtua a verdade bíblica acerca da supremacia do Criador, o Pai, e da consequente subordinação de Seu Filho, o Messias de Ysrael, usando-a para tentar justificar uma relação hierarquizada entre os bispos e os fiéis.
Inácio diz que o Espírito Santo foi o princípio da concepção virginal do Messias:
“Nosso Deus, Jesus Cristo, tomou carne no seio de Maria, sendo de um lado descendente de Davi, provindo por outro do Espírito Santo”.
Cartas e Inácio aos Ef. 18, 2
Inácio diz também que foi pelo Espírito Santo que Cristo confirmou a hierarquia da Igreja:
“Saúdo vossa Igreja no sangue de Jesus Cristo, pois ela é minha constante alegria, sobretudo se continuarem unidos aos bispos, aos presbíteros e diáconos que estão com ele, instituídos segundo a palavra de Jesus Cristo, que por sua própria vontade os fortaleceu no Espírito Santo”.
Cartas de Inácio aos Fil. Intr.
Segundo Inácio, foi ainda o Espírito Santo que falou através do próprio Inácio:
“Alguns desejaram enganar-me segundo a carne, mas o Espírito, que é de Deus, não se deixa enganar e revela seus segredos. Clamei em alto e bom som, na voz de Deus: ‘Apegai-vos aos bispos, ao presbitério, e aos diáconos'”.
Cartas de Inácio aos Fil. 7,1-2 4.
A fórmula ternária aparece três vezes nas cartas de Inácio:
“Sois pedras do templo do Pai, alçadas para as alturas pela alavanca de Jesus Cristo, alavanca que é a cruz, servindo-vos do Espírito Santo como de um cabo”.
Carta de Inácio aos Ef. 9,1
“Cuidai de permanecer firmes nas doutrinas do Senhor e dos Apóstolos, para que tudo quanto fazeis caminhe bem, na fé e na caridade, no Filho e no Pai e no Espírito, em união com o vosso bispo muito digno e coroa espiritual do vosso presbitério, e com os diáconos segundo o coração de Deus”.
Carta de Inácio aos Mg. 13,1
“Sede sujeitos ao bispo e uns aos outros, como Jesus Cristo está sujeito ao Pai, segundo a carne, e os Apóstolos a Cristo e ao Pai e ao Espírito”.
Mg. 13,2 5
Inácio afirma que Iesus Christos é Deus nas seguintes passagens:
“Nosso Deus, Jesus Cristo, tomou carne no seio de Maria segundo o plano de Deus”.
Carta de Inácio aos Ef. 18,2
“Não vos separeis de Jesus Cristo Deus, nem dos bispos, nem das prescrições dos Apóstolos”.
Carta de Inácio aos Tral. 7,1
“Inácio, à Igreja amada e iluminada segundo a fé e a caridade de Jesus Cristo nosso Deus, deseja todo o bem e irrepreensível alegria em Cristo Jesus Nosso Deus”.
Carta de Inácio aos Rom. Introd.
Em outras passagens, ele subentende a diferença de Cristo do Pai:
“Assim como o Senhor nada fez sem o Pai, com o qual estava unido, nem pessoalmente, nem através dos Apóstolos, assim também vós nada haveis de empreender sem o bispo e os presbíteros”.
Carta de Inácio aos Mg. 7,1
“Sigam todos ao bispo, como Jesus Cristo ao Pai”.
Carta de Inácio aos Smir. 8,1
“Após a ressurreição comeu e bebeu com eles, como alguém que tem corpo, ainda que estivesse unido espiritualmente ao Pai”.
Carta de Inácio aos Smir. 3,3
Uma doutrina da Trindade no sentido estrito não há sinal, embora a fórmula ternária da Igreja tivesse deixado a sua marca em todo lugar. A Trindade é apenas uma invenção dos pais do cristianismo que por si só já é herético…
O nome ” Igreja Católica” tem seu significado geral como “Católico” – Universal ou Geral, porquê como já mostramos, é um sincretismo de todas as religiões pagãs…
Apostólica: Iniciou com os Apóstolos do Messias (diz Inácio), mesmo as doutrinas ultrapassarem a dos apóstolos do Messias…
Romana: Por ter sido a igreja oficial do “santo” Império Romano em 380. Esse é um fato, ou seja, é Católica por ser um sincretismo pagão e Romana, logo é uma seita romanista pagã por definição.
A Igreja influenciou a filosofia, a cultura, a arte e as ciências ocidentais.
As crenças cristãs do catolicismo são baseadas no Credo Niceno (declaração de fé cristã aceita pela Igreja Católica, definida no concílio de Nicéia).

Todos esses deuses, representam os mesmos em culturas diferentes, e com o cristianismo não é diferente, o deus sincrético pagão Jesus Cristo foi criado como o deus sol encarnado, assim como na Antiga Babilônia com Tamuz. Inácio da Antioquia revela-se conhecedor das processões divinas em “Deus”, ao reconhecer no Cristo a processão intelectiva de “Deus”: “De fato, Iesus Cristo, nossa vida inseparável, é o pensamento do Pai”, o que seria mais tarde explicado à luz da filosofia por Tomás de Aquino. Inácio tinha a ideia do Iesus Cristo como: “gerado e não criado, Deus existindo em carne”. Então podemos afirmar que o “Iesus Cristo” é o deus do cristianismo. Inácio fez muitas coisas, uma delas foi substituir a adoração no Sábado, pelo domingo, ele declara que os cristãos herdeiros da Nova Aliança não guardam mais o sábado, mas se reúnem no dia do “Senhor” (o domingo):
“Aqueles que viviam na antiga ordem de coisas chegaram à nova esperança, e não observam mais o sábado, mas o dia do Senhor, em que a nossa vida se levantou por meio dele e da sua morte. Alguns negam isso, mas é por meio desse mistério que recebemos a fé e no qual perseveramos para ser discípulos de Iesus Cristo, nosso único Mestre”.
Então até agora podemos concluir que Iesus Cristo é:

  1. Deus do cristianismo
  2. O dia dele é o domingo (sunday – o dia do sol)
  3. Iesus significa o deus sol, sórdido e porco.

Podemos perceber que Inácio da Antioquia tinha um longo repertório pagão.
A história da criação de “Iesus Cristo”:
Tudo começa em Alexandria, no Egito com Ptolemeu.
Cláudio Ptolemeu foi um cientista grego que viveu em Alexandria, uma cidade do Egito. Ele é reconhecido pelos seus trabalhos em matemática, astrologia, astronomia, geografia e cartografia. Realizou também trabalhos importantes em óptica e teoria musical.
Na época de Ptolemeu os estudos tendiam a mesclar ciência e misticismo. A Astrologia ocupava-se dos estudos da localização e movimento dos corpos celestes, mas também da associação da localização dos mesmos com a adivinhação.
Por essa razão, séculos mais tarde, houve a necessidade de separar o componente científico da mística e criou-se o termo “Astronomia” para referir o estudo apenas do componente científico da coisa. Foi exatamente o mesmo que aconteceu com a Química que se separou da Alquimia pelas mesmas razões.
Tudo isso que temos hoje não é nada puramente científico ou técnico, tudo isso veio do misticismo, só fizeram a separação, como por exemplo: rituais de matança de bebês para oferecer ao Senhor (Senhor era o verdadeiro nome de Baal), teve uma separação aí ao decorrer do tempo na sociedade, separou a parte científica da coisa (ritual de sacrifício de fetos), da parte religiosa (sacrifício de fetos para Baal), e surgiu aí o direito inefável constitucional do aborto.
A política de Ptolemeu consistiu em encontrar uma divindade que conquistasse a reverência dos dois grupos étnicos do país, a despeito das maldições imprecadas pelos sacerdotes egípcios contra os deuses dos antigos soberanos estrangeiros (como o deus Seti, que foi louvado pelos hicsos).
Alexandre, o Grande havia tentado usar Amon para este propósito, porém este deus era mais cultuado no Alto Egito, e não tinha tanta popularidade entre os habitantes do Baixo Egito, onde havia maior influência grega.
Os gregos tinham pouco respeito por figuras com cabeças de animais, como as quimeras criadas pelos Anjos que fizeram sexo com mulheres humanas na era Pré-Diluviana, e portanto uma estátua antropomórfica, no estilo grego, foi escolhida como ídolo, e proclamada oficialmente como equivalente ao deus egípcio “Ápis”, extremamente popular.
Foi chamado inicialmente, em egípcio, de Aser-hapi (Osíris-Ápis), que então, se tornou “Serápis”. Ele era tido como sendo o deus Osíris em sua totalidade, e não apenas a sua Ka (que significa força vital).
“Serápis Christus” foi uma divindade sincrética helenístico-egípcia. O culto a Serápis foi introduzido em Alexandria, por volta do século IV antes do Messias, com o propósito de reunir em um sincretismo as tradições religiosas egípcia e helênica.
Do lado egípcio, o deus identificava-se com Osíris, o marido de Ísis; do lado grego, aproximava-se de Dionísio e dos seus mistérios. Nas duas tradições, esses deuses presidiam à vegetação e governavam o mundo subterrâneo.
Por um certo tempo, Serápis ganhou o status de deus masculino universal, o único: Zeus Serápis. E seu culto, geralmente associado ao de Ísis, disseminou-se pelo mundo Greco-Romano.
Serápis Christus é representado com o aspecto de um homem de idade madura e semblante grave, usando barba e longos cabelos. Concílio de Niceia:
O Primeiro Concílio de Niceia foi um concílio de bispos cristãos, reunidos na cidade de Niceia da Bitínia (atual İznik, província de Bursa, Turquia) pelo Imperador Romano Constantino I em 325.
Constantino I organizou o concílio nos moldes do senado romano e o presidiu, mas não votou oficialmente.
Este concílio ecumênico foi a primeira tentativa de alcançar um consenso na Igreja através de uma assembleia representando toda a cristandade.

Seus principais feitos foram a resolução da:

  • Questão cristológica da natureza divina de Jesus e sua relação com Deus Pai; (trindade)
  • A construção da primeira parte do Credo Niceno; 
  • A fixação da data da Páscoa
  • E a promulgação da lei canônica em sua primeira forma.

 A Igreja Católica ensina que :

  • É a Igreja única, santa, católica e apostólica fundada por Jesus Cristo em sua Grande Comissão. A Grande Comissão, na tradição cristã, foi a última instrução dada pelo Jesus ressuscitado aos seus discípulos para que eles espalhassem seus ensinamentos para todas as nações do mundo. Ela se tornou um ponto chave da teologia cristã sobre o trabalho missionário, o evangelismo e o batismo.
  • Que seus bispos são os sucessores dos apóstolos do Jesus.
  • O papa é o sucessor de São Pedro, a quem o primado foi conferido pelo Jesus.
  • Ela afirma que pratica a fé cristã original, reservando a infalibilidade, transmitida pela tradição sagrada. 

A doutrina católica, é o conjunto de todas as doutrinas que a Igreja Católica professa como verdades de fé. 

  • Segundo o Catecismo de São Pio X, a doutrina católica foi ensinada por Jesus Cristo para mostrar aos homens o caminho da salvação e da vida eterna. 
  • As suas partes mais importantes e necessárias são: o Credo, o Pai Nosso, os Dez Mandamentos [Católicos] e os sete sacramentos.

Os Sete sacramentos
A Igreja Católica celebra os sete sacramentos, que são: Batismo, Crisma, Eucaristia, Penitência, Unção dos Enfermos, Ordem e o Matrimônio.

1)BATISMO: por efusão/afusão em nome da trindade (derramar ou entornar desde criança), e é o principal ritual para salvação, e não a fé no Messias, e pregam o Universalismo, que é a ideia que o Cristo morreu para Salvar todos, até os que não creram por impossibilidade.
O batismo perdoa o pecado original e todos os pecados pessoais e as penas devidas ao pecado. Possibilita aos batizados a participação na vida trinitária de Deus mediante a graça santificante e a incorporação em Cristo e na Igreja. Confere também as virtudes teologais e os dons do Espírito Santo. Uma vez batizado, o cristão é para sempre um filho de Deus e um membro inalienável da Igreja e também pertence para sempre a Cristo.

Brecha pra ser salvo sem batismo:
Embora o batismo seja fundamental para a salvação, os catecúmenos, todos aqueles que morrem por causa da  (batismo de sangue), todos os que sob o impulso da graça, sem conhecer Cristo e a Igreja procuram sinceramente a Deus e se esforçam por cumprir a sua vontade (batismo de desejo), conseguem obter a salvação sem serem batizados porque, segundo a doutrina da Igreja Católica, “Cristo morreu para a salvação de todos”. Quanto às crianças mortas sem serem batizadas, a Igreja na sua liturgia confia-as à misericórdia de Deus, que é ilimitada e infinita.
Mas a Igreja Católica insiste no batismo às crianças porque “tendo nascido com o pecado original, elas têm necessidade de ser libertadas do poder do Maligno e de ser transferidas para o reino da liberdade dos filhos de Deus“. Por essa razão, a Igreja recomenda os seus fiéis a fazerem tudo para evitar que uma pessoa não batizada venha a morrer em sua presença sem a graça do batismo. 
Assim, embora o sacramento deva ser ministrado por um sacerdote, diante de um enfermo não batizado, qualquer pessoa pode e deve batizá-lo, dizendo “Eu te batizo, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” enquanto, com o polegar da mão direita, desenha uma cruz sobre a testa, a boca e o peito do enfermo.
O Batismo Bíblico é nas aguas e por imersão, e com pessoas adultas, que sabem o que estão fazendo, e não é uma condição para ser salvo ( como podemos ver no caso do ladrão no madeiro) mas uma demonstração publica de Fé no Messias de Ysrael: 
Para o cristão o batismo nas águas é a identificação com Cristo em:

  1. Sua morte: Romanos 6.3;
  2. Seu sepultamento Romanos 6.4;
  3. Em sua ressurreição Romanos 6.5

O Messias foi apresentado no templo com oito dias de vida, e batizado já adulto:
“E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Yahusha, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido”.
Lucas 2:21

“E, sendo Yahusha batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele”.
Mateus 3:16

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
Efésios 2:8,9

Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Yahuah.
João 3:18

Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
Marcos 16:16

E os que ouviram foram batizados em nome de Yahusha ha’Mashyach. 
Atos 19:5

OBS: No nome do Messias, Yahusha ha’Mashyach e não na trindade, o único texto que fala de batismo com a trindade é o Mateus 28:19, e existem indícios de adulteração.

“A forma básica de nossa profissão de fé (Mateus 28:19 trinitária) tomou forma durante o segundo e terceiro séculos em conexão com a cerimônia do batismo. No que diz respeito ao seu lugar de origem, o texto (Mateus 28:19) veio da cidade de Roma. “O batismo da Trindade e o texto de Mateus 28:19, portanto, não se originaram da Igreja original que começou em Jerusalém em torno de  33 DC. Foi bastante, uma vez que a evidência prova uma invenção posterior do catolicismo romano completamente fabricada. Muito poucos sabem sobre esses fatos históricos. ” – Introdução ao cristianismo Por Joseph Ratzinger. pág. 82-83.

O Livro de Mateus:
O batismo em nome da trindade não é bíblico, e Mateus 28:19 em sua forma alongada, a forma trinitariana, não faz parte do texto original, mas foi uma adulteração inserida em um manuscrito supostamente de Mateus que circulava entre o terceiro e quarto século.
O Livro de Mateus foi escrito originalmente em Hebraico (Matityahu) e os pais do cristianismo consumiram com os manuscritos e traduziram o livro com as doutrinas da igreja.
De fato, os pais do cristianismo eram inteiramente antissemitas, e os discípulos do Messias eram ysraelitas e eram chamados de natzarim (nazarenos – significa ramos da oliveira, sendo o Messias a oliveira) e não de cristãos.

“Estes sectários (relativo a seita) […] não se chamam de cristãos, mas ‘nazarenos’ […]”
Epifânio de Salamina; Panarion 29.

“Eles usam não só o ‘Novo Testamento’, mas também o ‘Velho Testamento’, assim como os judeus o fazem […] ”
Epifânio de Salamina; Panarion 29

“Eles têm o evangelho segundo Mateus totalmente em hebraico.
Pois é claro que eles ainda preservam esta obra no alfabeto hebraico, como ele foi originalmente escrito”
Epifânio de Salamina; Panarion 29

“Escreveu [Hegésipo, o Nazareno] também muitas outras coisas, das quais fizemos menção anteriormente, em parte, ao dispor as narrativas conforme as circunstâncias.
Põe algumas coisas tomadas do Evangelho dos hebreus e do Siríaco, e em particular tomadas da Língua Hebraica, mostrando assim que se fez crente sendo hebreu.”
Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica, editora Novo Século, 2002, página 92.

O Verdadeiro texto de Mateus 28:18-20 é:
18 E יהושע chegando, falou-lhes, dizendo: Todo o poder Me foi dado nos shamayim e na terra.
19 Ide portanto, e fazei talmidim de todas as nações, [realizando-lhes a mikvah] em Meu Nome.
20 Lhes ensinando a shomer todas as coisas que Eu vos tenho ordenado, e Eu estou convosco sempre, até a consumação do olam hazeh. Omein. ת

Todos os apóstolos batizavam em Nome somente do Messias, Yahusha ha’Mashyach:
“E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Yahusha ha’Mashyach, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”
Atos 2:38

“(Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome de Yahusha ha’Mashyach)”.
Atos 8:16

“E mandou que fossem batizados em nome de Yah. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias”.
Atos 10:48

“E os que ouviram foram batizados em nome de Yahusha ha’Mashyach”.
Atos 19:5

Símbolos do Batismo:
Na Igreja Católica, o sacramento do batismo tem vários símbolos, mas existem quatro principais, que são eles: água, óleo, veste branca e a vela.
 Cada um representa um mistério na vida do batizado. Além desses símbolos (que são os principais) o rito romano ainda estabelece o sal, mas este símbolo só é usado conforme as orientações pastorais das Igrejas particulares.
Unção é somente com óleo/azeite: o quê está correto de acordo com a Torah.
“E tomarás o azeite da unção, e o derramarás sobre a sua cabeça; assim o ungirás”.
Êxodo 29:7

“Depois derramou do azeite da unção sobre a cabeça de Arão, e ungiu-o, para santificá-lo”.
Levítico 8:12

“E de cássia quinhentos siclos, segundo o siclo do santuário, e de azeite de oliveiras um him.
E disto farás o azeite da santa unção, o perfume composto segundo a obra do perfumista: este será o azeite da santa unção.
E com ele ungirás a tenda da congregação, e a arca do testemunho,
E a mesa com todos os seus utensílios, e o candelabro com os seus utensílios, e o altar do incenso.
E o altar do holocausto com todos os seus utensílios, e a pia com a sua base.
Assim santificarás estas coisas, para que sejam santíssimas; tudo o que tocar nelas será santo.
Também ungirás a Arão e seus filhos, e os santificarás para me administrarem o sacerdócio.
E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Este me será o azeite da santa unção nas vossas gerações”.
Êxodo 30:24-31

Uso do Sal:
Descarrego em religiões afro-brasileiras como Umbanda e Candomblé, bem como neopentecostais é um ritual empregando banhos de ervas, orações e outros para livrar uma pessoa de espíritos ou entidades sobrenaturais maléficas, bem como livrá-la de energias deletérias.
Os rituais de purificação como o ritual de descarrego é presente no neopentecostalismo brasileiro como é o caso da IURD, que adota práticas religiosas do catolicismo popular e da Umbanda; utilizando-se de um sincretismo, estabelece contato com a cultura religiosa de sua clientela, por exemplo, realizando sessões de descarrego em uma apropriação de rituais das religiões de raízes africanas.
Já era usada pelas antigas civilizações com sabedoria e riquezas.
A palavra “sal” vem do grego “hals” e “halos”, que tanto significa sal como mar. Da mesma raiz se deriva a palavra “halita”, dada ao Cloreto de Sódio encontrado em depósitos naturais, que é o sal gema. Platão falava que “o sal era uma substância cara aos deuses”.
Antigamente sacerdotes usavam o sal para afastar os demônios. 
No Egito antigo, o sal foi considerado um produto sagrado e era oferecido aos deuses.
Os romanos consideravam o sal um símbolo de sabedoria, e por isso usavam-no num ritual aos recém-nascidos, derramavam sal sobre eles para que nunca faltasse a sabedoria. 
Gregos e romanos para agradar os deuses do lar, faziam sacrifícios de animais. Era comum por sal na cabeça do animal sacrificado, para purificar a casa.
Na Idade Média o sal era usado para afastar os maus espíritos, os demônios e as bruxas das casas, jogando sal nas portas, janelas e chaminés. 
Os árabes citam recomendações de Maomé para: “começar pelo sal e terminar com o sal; porque o sal cura numerosos males”. 
No Marrocos coloca-se sal nos lugares escuros para espantar os maus espíritos. 
No Laos e Sião, as mulheres grávidas lavam-se diariamente com água e sal, para proteger-se contra as maldições. 
Nos países Nórdicos, o sal é colocado junto ao berço das crianças, para protegê-las.
No Havaí, a pessoa que volta de um funeral joga sal sobre ela mesma, para afastar maus espíritos não venham com ela do enterro.
Os japoneses têm o costume de deitar sal na soleira da porta de suas casas depois de alguém não desejado ou negativo ter saído.
Nos dias atuais o sal continua sendo muito usado por vários povos com muita força mística. É usado no esoterismo e bruxaria para afastar as energias ruins e os maus espíritos.
Hoje, o sal grosso e o marinho são muito usados para eliminar a energia negativa de ambientes e das pessoas. Ele tem a propriedade de atrair os íons negativos dos ambientes e das pessoas.
Residências e empresas que tem a energia negativa sofrem um desequilíbrio energético que atua negativamente nos ambientes e vigor das pessoas. É muito comum esta força negativa ficar concentrada nos cantos dos ambientes e na porta de entrada principal do imóvel. 

2)CRISMA: Confirmação do batismo, o batizado reafirma sua fé em Cristo, sendo ungido durante a cerimônia, recebendo os sete dons do Espírito Santo. A unção é feita pelo bispo ou sacerdote autorizado, com óleo abençoado na quinta-feira da Semana Santa.
Trata-se de um rito em que o ministro sagrado impõe as mãos sobre os confirmandos, invocando o Espírito Santo, e os unge com óleo de oliveira.
“A Crisma é um sacramento que nos dá o Espírito Santo, imprime na nossa alma o caráter de soldados de Cristo, e nos faz ser perfeitos cristãos.” Ao serem batizados os crismandos assumem sua fé de livre vontade e se responsabilizam por ela. Ao receber o sacramento da confirmação, o crismando afirma, por conta própria, que é membro da fé católica.
 A Igreja afirma que a celebração deste sacramento resulta em efusão especial do Espírito Santo, como outorgado antigamente aos apóstolos por ocasião do Pentecostes; em aprofundamento e crescimento da graça batismal e do sentido de filiação divina; une o crismando mais solidamente a Cristo; aumenta os dons do Espírito Santo; torna mais perfeita a sua vinculação com a Igreja; e concede uma especial graça para testemunhar a fé. 
A doutrina sobre este sacramento afirma que ele imprime “caráter”, como se deixasse na alma um selo ou marca indelével que vincula o crismando como se fosse uma “propriedade” de Cristo.
A Crisma é comparado ao Batismo do Espírito Santo pelas igrejas Pentencostais e Neo em que após a oração de Imposição de Mãos, começam a se manifestar os dons do espirito santo falar em línguas e etc. No qual é uma farsa, já fiz aqui no site o post sobre o Dom de línguas.

Ou seja, para a “Igreja” Católica, a Crisma é o batismo do Espírito Santo que aconteceu no pentecostes, mas as crianças são batizadas neném ainda, algo totalmente sem noção, aqui eles afirmam que é necessário a decisão dos pais, então recebem o Espírito Santo na sua vida,  ou seja, o primeiro batismo é só pra “garantir a salvação caso morra antes e limpar o pecado original”, afinal o que importa para a “igreja católica” é o ritual com água, e não: aceitar verdadeiramente o Messias e ter fé nele como a Bíblia nos diz.
A Oração com Imposição de mãos é bíblico, sim:
“E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam”.
Atos 19:6

“E aconteceu estar de cama enfermo de febre e disenteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele, e o curou”.
Atos 28:8

Mas Paulo impôs as mãos porquê ele tinha a Manifestação do Espírito Santo, logo passa o Espírito Santo para quem impôs as mãos. Mas hoje tem gente, cheio de demônios impondo as mãos, e tem gente deixando ainda acreditando…
Isso é uma coisa complicada… se negligencia a seguinte passagem: 
“A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro”.
1 Timóteo 5:22

Quando se deixa impor as mãos, por alguém que não seja um servo fiel do Pai, ou um Satanista infiltrado, pode ocorrer a transferência de demônios, com a legalidade de quem se deixou no jugo. Geralmente isso ocorre em igrejas avivadas, Satanás tenta imitar tudo que é bíblico.
A imposição de mãos é frequentemente usada em rituais de ocultismo para efetuar transferências de demônios.
Uma pessoa que recebe o Espírito Santo através do Batismo do Espírito Santo (Já fiz um post aqui no site sobre isso) com imposição de mãos (como acontecia na igreja primitiva que estava com a chuva temporã) recebia os Dons do Espírito Santo, porém conforme o Espírito Santo queria dar, ou seja, a pessoa batizada pelo Espírito Santo não tem controle sobre os Dons, e pé o Espírito Santo que se manifesta conforme o propósito Dele, pessoas que recebem este batismo através da oração de imposição de mãos hoje em dia (já fiz um post disso também) e pode controlar e falar em línguas na hora que quiser e quando quiser por propósitos individuais e particulares, na Verdade receberam um demônio que passou a habitar dentro de si, e está se manifestando de forma a enganar e controlar sua vida.
Mas isso acontece com a pessoa sendo cristã, confessando o nome do Messias, e ainda assim pode ser possuída?
Se a pessoa não seguir a recomendação bíblica sim, é claro que sim, neste caso se deixou orar com imposição de mãos por quem não tinha a Chuva Temporã nem a Serôdia, não testou a manifestação que recebeu: 
“Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Yahuah, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.
Nisto conhecereis o Espírito de Yahuah:
 
Todo o espírito que confessa que Yahusha ha’Mashyach veio em carne é de Yahuah Tzvaot;”
1 João 4:1,2

Caso desconfie que tenha acontecido isto com você, faça uma oração ao Pai se arrependendo disto, peça que o Pai te limpe de qualquer espirito maligno, entregue e confesse com sua boca que crê no messias da bíblia, que morreu no Madeiro para limpar seus pecados em uma Nova Aliança no Sangue Dele, abra a bíblia em Apocalipse 18 e comece a ler sem hesitar, se você estiver possuído por demônios, ou demônios tiverem habitando na sua vida, você não conseguirá concluir essa tarefa. E somente se o Pai lhe conceder o perdão, devido ao seu arrependimento genuíno. Quando uma pessoa tem demônios habitando em si devido as brechas e legalidades que dá em sua vida, ela não consegue orar, não consegue jejuar, não consegue ler a bíblia ou se relacionar com o Pai, tem sono, desinteresse, e sente como que sempre que tenta se aproximar do pai algo lhe afasta, ou tudo é melhor e mais interessante que a comunhão com o Pai.

3)EUCARISTIA: É similar a santa ceia protestante – Páscoa Ysraelita “Pesach” (a verdadeira, diferente com algo antibíblico que conduz à idolatria com a hóstia consagrada)
É a celebração em memória do Cristo, recordando a santa ceia, a “paixão” e a ressurreição, em que o cristão recebe a hóstia consagrada.
Crença Católica: 
A Eucaristia é, simplesmente, o auge, o clímax, a santificação, a união, dos santos da Terra e os do Céu, a antecipação da vida eterna, o resumo e a suma da nossa fé! Pela Eucaristia podemos viver, em certo sentido, o Céu já aqui na Terra! Santo Tomás de Aquino diz que “todos os Sacramentos estão ordenados para a Eucaristia, como para o seu fim”: toda a riqueza dos Sacramentos se cumpre no Santíssimo Sacramento.
Na teologia cristã, eucaristia é a presentificação do sacrifício do Jesus Cristo no Calvário. 
Também é denominada de Sagrada Comunhão, Santíssimo Sacramento do Altar, a Refeição Noturna do Senhor e a Celebração da Morte e ressurreição de Cristo, é a parte central da vida eclesial do fiel católico.
É o sacramento culminante, que dá aos fieis a oportunidade de receber e ingerir fisicamente o que consideram como sendo o corpo de Jesus Cristo, em que se transformou o pão consagrado pelo sacerdote, assim como o vinho se transforma no seu sangue.
No sacramento da eucaristia, a hóstia consagrada é distribuída aos fiéis, que a colocam na boca e ingerem lenta e respeitosamente.
Para receber a hóstia, o fiel deve estar em “estado de graça”, ou seja, deve ter antes confessado os seus pecados e recebido o perdão divino através do sacramento da confissão ou penitência.
A consagração não faz parte do sacramento da eucaristia. É um rito precedente e separado. É um ato que só os sacerdotes têm o poder de praticar.
Normalmente, a consagração acontece durante a celebração da missa, rito também chamado de santo sacrifício. 
O sacrifício é precisamente o ato da consagração. 
Consiste na recriação, durante a missa, de um momento da última ceia dos apóstolos com o Cristo, quando ele serviu pão e vinho aos apóstolos, dizendo-lhes que aquilo era o seu corpo e o seu sangue.
A Igreja Católica sustenta que, quando o sacerdote pronuncia as palavras rituais “Isto é o meu corpo” em relação pão e “Isto é o meu sangue” em relação vinho, acontece um fenômeno chamado transubstanciação, ou seja, a substância material que constitui o pão se converte no corpo de Cristo e a que constitui o vinho se transmuda no Seu sangue.
O pão transubstanciado é distribuído aos fiéis que, ao ingerirem a hóstia estão ingerindo o próprio corpo de Cristo. 
“Para receber a sagrada Comunhão é preciso estar plenamente incorporado à Igreja Católica e em estado de graça, isto é, sem consciência de pecado mortal. Quem tem consciência de ter cometido pecado grave deve receber o sacramento da confissão antes da Comunhão. São também importantes o espírito de recolhimento e de oração, a observância do jejum prescrito pela Igreja e ainda a atitude corporal (gestos, trajes), como sinal de respeito para com Cristo.” n. 291.
“A devoção de adorar Jesus sacramentado é, depois dos sacramentos, a primeira de todas as devoções, a mais agradável a Deus e a mais útil para nós”. Para a Igreja, a presença de Cristo nas hóstias consagradas que se conservam após a Missa perdura enquanto subsistirem as espécies do pão e do vinho.

Não Existe a “Transubstanciação” na Bíblia:
Esta doutrina é contrária ao bom senso, e ao relato bíblico,  pois não se pode admitir que o pão e o vinho oferecidos por Yahusha aos seus discípulos na Ceia fossem a sua própria carne e o seu próprio sangue, ao mesmo tempo em que Ele permanecia em pé diante deles vivo em carne e osso, ou seja, é figurativo!
A razão humana não pode admitir tampouco o pensamento de que o corpo de Jesus, tal qual se encontra no céu, esteja nos elementos da Ceia. 
“Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho”.
Lucas 24:39

Não há, nos ensinos do Messias , nem nos ensinos apostólicos nenhuma instrução sobre essa “presença mística” (sobrenatural) do Messias na chamada “Santa Ceia do Senhor.”
E também no catolicismo somente o sacerdote bebe do cálice, mas a instrução de Yahusha foi:
“E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos;”
Mateus 26:27

Logo também se observa que na Ceia foi partilhado o pão e não a hóstia.
“Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.
Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte de Yah, até que venha”.
1 Coríntios 11:25,26

A recomendação de fazer isto sempre foi para comemorar a primeira festa da Torah, a Pesach, pois não precisaria mais sacrificar o cordeiro, o próprio Yahusha foi o cordeiro, e se consumou a promessa, pois antes a festa era feita com a promessa que o Messias viria para libertar seu povo da escravidão do pecado e fazer Seu Reino, e quando Ele veio se consumou e a festa, e seria a memória de que Ele veio.

A HÓSTIA: IDOLATRIA – PAGANISMO
HÓSTIA: A hóstia para os católicos é o pão ázimo, ou seja, é a substituta do pão sem fermento (Na verdade para eles ela é um pão). 
A confecção da hóstia teve sua origem no paganismo, suas raízes, assim como seu nome são de origem pagã. 
A palavra “Hóstia” vem do latim (língua dos romanos na época). Em latim, “hóstia” é praticamente sinônimo de “vítima” ao animal sacrificado em honra dos deuses, é a vítima oferecida em sacrifício à uma divindade.
O catolicismo então associou a morte brutal do Messias às suas doutrinas com a inclusão da hóstia, ela é fabricada com trigo e sempre de forma redonda. 
Ceres era a deusa das plantas que brotam (particularmente dos grãos), ela tinha doze deuses menores que a assistiam, e estavam encarregues de cuidados específicos da lavoura.
Conta-se que a deusa Ceres era adorada como a “descobridora do trigo”, era representada com uma espiga de trigo nas mãos que correspondia à deusa Mãe e seu filho. 
O filho de Ceres que se encarnou no trigo era o DEUS SOL. 
A doutrina católica transformou o Messias de Ysrael em um personagem novo chamado “Iesus Christos”, e este, por sua vez, em um pedaço de pão de trigo no formato arredondado do sol e cujo ostensório (Santíssimo Sacramento) – que vamos explicar logo abaixo – também tem um formato do sol e seus raios solares (MITRAÍSMO).
A Igreja Protestante/Evangélica crê que os elementos (pão e vinho) simbolizam o corpo e o sangue de Cristo, mas não que se transformam no próprio corpo e sangue. O sacrifício do Messias no Madeiro e depois ressurreição foi único e suficiente.
O catolicismo justifica a festa de Corpus Christi com a Bíblia citando:
“E, quando comiam, Yahusha tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.
E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de Meu Pai.”
Mateus 26:26,29

“E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos.
Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue, que é derramado por vós”.
Lucas 22:14,20

“Yahusha, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.
Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”.
João 6:53,56

O Messias por diversas vezes usa metáforas como: “Eu Sou a porta”, “Eu Sou a videira verdadeira”, e nem por isso compreendemos que Ele seja como uma porta de madeira, ou como uma árvore, mas sim que representa uma porta e uma árvore.
Outra expressão figurada que o Messias usou na Santa Ceia, Ele disse, referindo-se ao pão: 
“E, quando comiam, Yahusha tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.
Porque isto é o meu sangue, o sangue da Nova Aliança, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados”.
Mateus 26:26,28

O que a linguagem simbólica queria dizer: “Este pão que parto representa o meu corpo que vai ser partido por vossos pecados; o vinho neste cálice representa o meu sangue, que vai ser derramado para apagar os vossos pecados.”
“Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Yah” 
Ao dizer que o ser humano não viverá apenas do alimento físico (pão), mas também do alimento espiritual (de toda palavra que procede da boca de Yahuah), Messias afirma que temos que alimentar nosso espírito com seus ensinamentos. 
Assim, as palavras de Yahusha ha’Mashyach sobre “comer sua carne” e “beber o seu sangue” são uma linguagem metafórica, com o significado de que o que alimenta nosso espírito é nossa fé Nele. E não literal fazendo TRANSUBSTANCIAÇÃO.
“Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre”.
João 6:58

CONCLUSÃO:
O trigo continua trigo e vinho continua vinho, segundo as Escrituras Sagradas.
E a ceia é apenas um “MEMORIAL” onde pão e vinho são usados para exemplificar e lembrar o povo do sofrimento do Messias no madeiro.
Quando Messias mencionou na última Ceia os elementos “pão” e “vinho”, não deu qualquer motivo para se crer na transubstanciação transformação de uma substância matéria em outra!

MITRAISMO: OSTENSÓRIO, SANTÍSSIMO SACRAMENTO, TABERNÁCULO, SACRÁRIO.
Santíssimo Sacramento é o lugar onde se conservam as hóstias já consagradas na Missa,(isto é, a Eucaristia).
Muitas vezes existem grupos de oração se reúnem ao longo da semana nesse local, para adorar a Eucaristia, Corpo e Sangue do Jesus Cristo, ocasiões comumente chamadas de “Adoração ao Santíssimo”, pois para eles é o próprio Messias ali.
O Ostensório, Hostiário ou Custódia é uma peça de ouro ou prata usada nos culto e procissão da igreja Católica para transportar á hóstia. 
Trata-se de uma escultura imagem semelhante o “SOL”. 
O catolicismo ensina que se deve ter veneração (eufemismo para adoração) e respeito por este objeto. 
Eles acreditam que não se trata apenas de um objeto em si, mas que ali está o Próprio Deus, e está, é o próprio deus sol. 
Ao se passar diante do Santíssimo Sacramento, deve-se inclinar a cabeça em sinal de respeito. 
A Bíblia nos ensina que tudo o que você se curva e adora se torna o seu deus, e se tratando de objetos se torna idolatria!
“Embrutecido é todo o homem, no seu conhecimento; envergonha-se todo o artífice da imagem de escultura; porque a sua imagem de fundição é mentira, e nelas não há espírito”.
Jeremias 51:17

Quando a “luz” da Palavra de Yah entra em nosso coração e mente, entendemos que imagem é só mais um produto vendido em qualquer comércio, que se parte ao cair ao chão e que dá lucro apenas para os que os fabricam e comercializam. 
“Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens”.
Salmos 115:4

Se Ele deve ser adorado em espírito e em verdade, então por que adorar em um pedaço de ouro? 
Yah não está em forma de objeto e nem espiritualmente dentro deles!
“Que aproveita a imagem de escultura, depois que a esculpiu o seu artífice? Ela é imagem de fundição que ensina mentira, para que quem a formou confie na sua obra, fazendo ídolos mudos?
Ai daquele que diz ao pau: Acorda! e à pedra muda: Desperta! Pode isso ensinar? Eis que está coberta de ouro e de prata, mas dentro dela não há espírito algum”.
Habacuque 2:18,19

O ostensório usado para transportar a hóstia lembrar o “SOL” e não é mera coincidência, nunca é.
O Catolicismo é um sincretismo de tudo que é pagão, isso quer dizer que é uma mistura de uma religião em outra. 
O Messias do Catolicismo, o JESUS CRISTO é o DEUS SOL ENCARNADO conhecido por diversos nomes, como já relatei no início do post: Tamuz, Mitra, Hórus, Serápis… pelos povos pagãos antigos (persas, egípcios, babilônicos, gregos, romamos…)
Nos séculos III e IV da era cristã, as religiões romanas, identificando-se com o caráter viril e luminoso do deus, transformaram o culto a Mitra no Mitraísmo.
Em Roma, foi objeto de culto de alguns imperadores, ao lado do “Sol Invicto”, que significa “SOL INVENCÍVEL”, ambos eram os protetores do Império e a partir do século II, o culto a Mitra era dos mais importantes no Império Romano e numerosos santuários (mitreus), foram construídos. 
Algumas peculiaridades do Mitraísmo foram agregadas a outras religiões, como o cristianismo. 
Por exemplo, desde a antiguidade, o nascimento de Mitra era celebrado em 25 de Dezembro a mesma data do Natal adotado no calendário atual. “Coincidentemente” o nascimento de Tamuz na antiga Babilônia também foi em 25 de Dezembro, no solstício de inverno.
Mitra passou a ser “um deus do bem” criador da luz e em luta constante contra a divindade obscura do mal. A igreja católica argumenta com alguns versículos o fato de considerar Jesus o Sol:
“Pelas entranhas da misericórdia do nosso Alahim, Com que o oriente do alto nos visitou;
Para iluminar aos que estão assentados em trevas e na sombra da morte; A fim de dirigir os nossos pés pelo caminho da paz”.
Lucas 1:78,79

Para eles Jesus Cristo é o verdadeiro deus “Sol Invicto”, ele venceu as trevas da morte e reina soberano sobre a vida de todos os homens como a verdadeira Luz do Mundo.
“Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo”.
João 9:5

“Mas Yahuah se afastou, e os abandonou a que servissem ao exército do céu, como está escrito no livro dos profetas: Porventura me oferecestes vítimas e sacrifícios No deserto por quarenta anos, ó casa de Ysrael?
Antes tomastes o tabernáculo de Moloque, E a estrela do vosso deus Renfã, figuras que vós fizestes para as adorar. Transportar-vos-ei, pois, para além da Babilônia”.
Atos 7:42,43

Argumento Católico para adorar imagens:
“Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório.
Farás um querubim na extremidade de uma parte, e o outro querubim na extremidade da outra parte; de uma só peça com o propiciatório, fareis os querubins nas duas extremidades dele”.
Êxodo 25:18,19

“Então Yahuah mandou entre o povo serpentes ardentes, que picaram o povo; e morreu muita gente em Ysrael.
Por isso o povo veio a Moisés, e disse: Havemos pecado, porquanto temos falado contra Yahuah e contra ti; ora à Yahuah que tire de nós estas serpentes. Então Moisés orou pelo povo.
E disse Yahuah a Moisés: Faze-te uma serpente ardente, e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo o que, tendo sido picado, olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, picando alguma serpente a alguém, quando esse olhava para a serpente de metal, vivia.”
Números 21:6-9

A figura dos dois querubins no propiciatório não tinha como objetivo a adoração ou veneração, nem a Serpente de bronze tinha poder para dar a vida ao que olhasse se não fosse a recomendação do Pai a Moisés e a permissão, em nenhum momento o Pai pediu que adorassem ou se prostrassem, pelo contrario, ele mesmo colocou as serpentes entre o povo, para que fossem picados e reconhecessem no milagre da cura que é Ele mesmo Quem fazia as obras no povo. 

Católicos Dizem: 
“Nós não adoramos as imagens, as veneramos.”
Vamos entender o verbo “Venerar” pra ver se faz sentido o quê alguns católicos falam. Verbo:

  • Transitivo direto: Dedicar reverente respeito e deferência a; ter grande consideração por; reverenciar.

Exemplo: “Venerar a pátria”

  • Transitivo direto: render culto a; cultuar, adorar.

Exemplo: “Venerar deuses pagãos”  
“E Yahusha, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás Yahuah vosso Alahim, e só a ele servirás”.
Lucas 4:8

“À YAHUAH teu Alahim temerás e a Ele servirás, e pelo Seu nome jurarás”.
Deuteronômio 6:13

“Para nós as imagens são como fotos que nos ajudam a meditar.
A Bíblia nos convida a meditar na palavra do Pai e não em suas imagens.
Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido.
Josué 1:8

Católicos dizem:
“Os santos não são como deuses, não são ídolos, mas pessoas que viveram de forma heroica as virtudes e nos ensinam um caminho ate chegar a Jesus”
“Disse-lhe Yahusha: Eu Sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”.
João 14:6

“Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”.
João 6:44

“Porque há um só Alahim, e um só Mediador entre Yahuah e os homens, Yahusha ha’Mashyach homem”.
1 Timóteo 2:5

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Yahuah;”
Romanos 3:23

“Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer.
Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Yahuah.
Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só”.
Romanos 3:10-12

Ser justo é diferente de ser justificado, podemos ser justos no sangue do Messias, não por nossas forcas, então ninguém é santo ou alcança santidade, mas alcança a misericórdia do Pai e purificação do seu pecado original, e assim consegue produzir bons frutos e andar em boas obras, mas sempre terá a carne lhe atormentando, não é possível ser humano santo na terra, somente o Messias.
“Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne.
Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis”.
Gálatas 5:16,17

Católicos:
“A honra as santas imagens é uma veneração respeitosa e não uma adoração, que só se deve a DEUS”
A Bíblia não aprova o uso de imagem de escultura como meio de cultuar à Yahuah Tzvaot. 
“Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra;
Não te encurvarás a elas, nem as servirás; porque Eu, Yahuah teu Alahim, Sou um Alahim zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam”.
Deuteronômio 5:8,9

“E Yahusha, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás Yahuah teu Alahim, e só a ele servirás”.
Lucas 4:8

“Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão, e disse-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu.
E Arão lhes disse: Arrancai os pendentes de ouro, que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos, e de vossas filhas, e trazei-nos.
Então todo o povo arrancou os pendentes de ouro, que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Arão.
E ele os tomou das suas mãos, e trabalhou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
E Arão, vendo isto, edificou um altar diante dele; e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa à Yahuah.
E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar.
Então disse Yahuah a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido,
E depressa se tem desviado do caminho que eu lhe tinha ordenado; eles fizeram para si um bezerro de fundição, e perante ele se inclinaram, e ofereceram-lhe sacrifícios, e disseram: Este é o teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
Disse mais Yahuah a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.
Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor se acenda contra ele, e o consuma; e eu farei de ti uma grande nação”.
Êxodo 32:1-10

Como já falamos da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), fiz esse vídeo mostrando a Cruz e a Trindade Cristã baseada em Deus, Maria e Jesus:

Sempre com idolatria ao deus sol, desde sempre, provavelmente desde a Era Pré-Diluviana!
Vamos continuar as práticas catolico-pagãs, agora sobre as procissões!

PROCISSÕES:
O que marca a festa de Corpus Christi são as procissões, quando ocorrem as ornamentações das ruas com tapetes feitos de vários tipos de materiais, como papel, papelão, latinhas de bebidas, serragem colorida, isopor, etc. 
Desenhos são elaborados nos tapetes com as figuras do Jesus, do cálice da Ceia e da Virgem Maria. 
Para o catolicismo o momento mais majestoso é quando o ostensório, onde estão guardadas as hóstias ainda não consagradas, é conduzido nas procissões por um líder da alta hierarquia católica (bispo), para testemunhar e adorar publicamente a veneração para com imagem da Eucaristia. 
No momento em que o Ostensório Hostiário Custódia passa, um silêncio profundo é observado por todos os presentes e, de uma extremidade a outra, toca-se a sineta que anuncia a passagem do cortejo. 
As reações das pessoas são as mais variadas, algumas se comovem choram, outras se ajoelham diante do ostensório, outras querem toca-la (IDOLATRIA).
De ponto em ponto, há uma parada, quando, então, se entoam cânticos tradicionais. 
Segundo a liderança da igreja, os tapetes são feitos para que o Corpo de Cristo possa passar por um local digno. 
A procissão para eles traz a lembrança da caminhada do povo de Israel no deserto, que é peregrino, em busca da Terra Prometida (que zona, É PAGANISMO misturado com história bíblica).
“O significado de “procissão”: Marcha solene (majestosa) em que padres desfilam pelas ruas carregando imagens, seguidos pelos fiéis entoando rezas ou cânticos religiosos.
“Congregai-vos, e vinde; chegai-vos juntos, os que escapastes das nações; nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar”.
Isaías 45:20

Quando a tradição separa o homem de Deus? 
Na mitologia nórdica (os povos nórdicos são chamados de escandinavos), existia o deus “Freyr” ou “Frey” era um dos deuses mais celebrados, representado como belo e forte que comanda o tempo, responsável pela chuva, pelo brilho do sol e por todos os frutos da terra. 
É o deus chefe da agricultura e seu nome significa “senhor”. Ele foi responsável por inspirar a tradição de procissões de carruagem.
Como deus da fertilidade, a procissão seguia pelos campos, para abençoá-los, e o sacerdote seguia até o templo pisando sobre tapetes de flores, semente e frutos da terra.
 Tapetes de flores no Festival da Colheita, em honra á Wotan (Odin).
“Invalidando assim a palavra de Yahuah pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas”.
Marcos 7:13

Para Yahuah pouco importa se o chão está ou não pintado, bordado, colorido ou se tem centenas de metros de cobertura artística, para Yahuah o que importa é o “CORAÇÃO”.
Quando o próprio homem (líderes) que define, por interesses obscuros, o que deve ser ou não comemorado, começa a surgir um problema, unicamente porquê qualquer prática que não esteja estabelecida sobre o alicerce sólido da Palavra de Yahuah deve ser exterminada, porquê não é o homem que decide isso e sim a Palavra do Pai.
“Se olhei para o sol, quando resplandecia, ou para a lua, caminhando gloriosa,
Também isto seria delito à punição de juízes; pois assim negaria a Yahuah que está lá em cima”.
Jó 31:26,28

4)PENITÊNCIA:
A confissão, reconciliação, sacramento da penitência ou sacramento do perdão é um sacramento que envolve o perdão de pecados perante um padre (presbítero) ou bispo, que neste momento atua em nome do Cristo, e o recebimento do perdão divino das faltas confessadas e de uma penitência.
A penitência é feita para que, uma vez cumprida, propiciar a reconciliação com o Cristo. Por outras palavras, é o sacramento que dá ao cristão católico a oportunidade de reconhecer as suas faltas e, se delas estiver arrependido, ser perdoado pelo Deus. Logo a Salvação no catolicismo é pelas obras.
O sacerdote a quem se confessa os pecados é chamado de confessor, pois é instrumento da Reconciliação da alma com o Deus e testemunha da compaixão e da misericórdia divina. 
O reconhecimento das faltas é a sua confissão a um sacerdote, que a ouve em nome do Deus e concede ao fiel o perdão ainda em nome do Deus.
Do ponto de vista formal, o confessante se ajoelha perante um sacerdote, o confessor, e lhe declara que pecou, que deseja confessar o que fez e pedir ao Deus que perdoe os seus pecados.
Após ouvi-lo, cabe ao sacerdote oferecer as suas palavras de conselho, de censura, de orientação e conforto ao penitente, recomendando a penitência a ser cumprida.
O confessado deve rezar a oração denominada ato de contrição, após o que o sacerdote profere as palavras do perdão e abençoa o penitente, que se retira para cumprir a penitência que lhe foi prescrita (tanto orações e rezas com o terço, quanto coisas que envolvam sofrimento).
Para quê o Messias morreu então se você precisa sofrer pelos seus pecados?
Quem te purifica do seu pecado é você mesmo?
Então o Messias serve pra quê?
A Igreja Católica considera o sacramento da penitência um ato purificador, que deve ser praticado antes da Eucaristia, para que esta seja recebida com a alma limpa pelo perdão dos pecados. Mas, entende-se também que esse efeito purificador é salutar, sendo benéfico para o espírito cada vez que é praticado.
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”.
1 João 1:9

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós”.
1 João 1:8

“Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Yahuah?”
Marcos 2:7

A confissão do pecado e o arrependimento dele devem ser feitos diretamente ao trono da graça no Céu, que a libertação da alma no tocante ao pecado advém unicamente através dos méritos do Messias e Sua mediação pessoal. YAHUAH jamais confiou essa prerrogativa a mortais errantes, que frequentemente necessitam de divina misericórdia e graça, mesmo que sejam os dirigentes estabelecidos da igreja:
“Testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão à Yahuah, e a fé em nosso Mestre Yahusha ha’Mashyach”.
Atos 20:21

“Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo”.
João 1:9

“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Yahusha ha’Mashyach, o justo.
1 João 2:1

5)UNÇÃO DOS ENFERMOS:
A unção dos enfermos é o sacramento pelo qual o sacerdote reza e unge os enfermos para estimular-lhes a cura mediante a fé, ouve deles os arrependimentos e promove-lhes o perdão do Deus. Pode ser dado a qualquer enfermo, e não somente a quem pode falecer a qualquer momento.
A unção dos enfermos é mais conhecida por extrema-unção, pois no passado era administrada somente “in articulo mortis” (a ponto de morrer). Atualmente, o sacramento pode ser administrado mais de uma vez, sempre que for em caso de doença grave.
O sacramento confere ao católico uma graça especial para enfrentar as dificuldades próprias de uma doença grave ou velhice.
É conhecido também como o “sagra viático”, porque é o recurso, o “alívio” que leva o católico para poder suportar com fortaleza e em estado de graça um momento de trânsito, especialmente o trânsito à Casa do Pai através da morte. 
A Bíblia não diz isto, após morrermos o Fôlego volta para o PAI e o corpo para a terra:
“O pó volte à terra, como o era, e o espírito volte à Yahuah, que o deu”. Eclesiastes 12:7

“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento”.
Eclesiastes 9:5

“E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,”
Hebreus 9:27

6)ORDEM:
A Ordem é um dos sete sacramentos do catolicismo que confere o poder e a graça de exercer funções e ministérios eclesiásticos que se referem ao culto do Deus e à salvação das almas, e que imprime na alma de quem o recebe o caráter de ministro do Deus. 
Pela imposição das mãos e pelas palavras do bispo, este sacramento faz dos homens diáconos ou presbíteros. 
Atribui aos presbíteros os poderes de, em nome do Jesus, perdoar os pecados e de consagrar o pão e o vinho em Corpo e Sangue do Jesus Cristo e de conferir, conforme o seu grau, os outros sacramentos.
O sacramento da ordem concede a autoridade para exercer funções e ministérios eclesiásticos que se referem ao culto do Deus e à salvação das almas. É dividido em três graus:

  • O episcopado confere a plenitude da ordem, torna o candidato legítimo sucessor dos apóstolos e lhe confia os ofícios de ensinar, santificar e reger.
  • O presbiterato configura o candidato ao Cristo sacerdote e bom pastor. É capaz de agir em nome do Cristo cabeça e ministrar o culto divino.
  • O diaconato confere ao candidato a ordem para o serviço na Igreja, através do culto divino, da pregação, da orientação e sobretudo da caridade.

“Por divina instituição, pelo sacramento da Ordem, alguns dentre os fiéis, pelo carácter indelével com que são assinalados, são constituídos ministros sagrados, isto é, são consagrados e delegados a fim de que, personificando Cristo, cada qual no seu respectivo grau, apascentem o povo de Deus, desempenhando o múnus de ensinar, santificar e governar”
(cf. Direito Canónico de 1983: Cânon 1008).

Na Igreja Católica, somente um varão batizado pode receber validamente a ordenação sagrada.
“Não há santo como o Yahuah; porque não há outro fora de ti; e rocha nenhuma há como o nosso Alahim”.
1 Samuel 2:2

“Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque”.
Eclesiastes 7:20

“Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer.
Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque à Yahuah.
Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.
A sua garganta é um sepulcro aberto; Com as suas línguas tratam enganosamente; Peçonha de áspides está debaixo de seus lábios;
Cuja boca está cheia de maldição e amargura.
Os seus pés são ligeiros para derramar sangue.
Em seus caminhos há destruição e miséria;
E não conheceram o caminho da paz.
Não há temor de Yahuah diante de seus olhos.
Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Yahuah.
Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.
Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Yahuah, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
Isto é, a justiça de Yahuah pela fé em Yahusha ha’Mashyach para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Yahuah Tzvaot;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Yahusha ha’Mashyach.
Ao qual Yahuah propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Yahuah;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Yahusha”.
Romanos 3:10-26

“Vós sois as minhas testemunhas, diz Yahuah, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá.
Eu, Eu Sou Yahuah Tzvaot, e fora de mim não há Salvador”.
Isaías 43:10,11

7)MATRIMÔNIO:
Um casamento religioso ou matrimônio religioso é uma celebração em que se estabelece o vínculo matrimonial segundo as regras de uma determinada religião. 
Submete-se tão somente às regras da respectiva religião e não depende do seu reconhecimento pelo Estado ou pela lei civil para ser válido no âmbito da religião em questão.
O vínculo conjugal nasce do pacto conjugal, isto é, tem origem no consentimento. Segundo São Tomás de Aquino a causa do matrimônio é o pacto conjugal; a sua essência é o vínculo e os seus fins são a procriação e educação da prole, a regulação do instinto sexual e a mútua ajuda.
A doutrina da Igreja Católica estipula que o casamento é simultaneamente uma instituição natural e um sacramento.

CRIAÇÃO DA BÍBLIA:
Cânone bíblico ou Cânone das Escrituras é a lista de textos (ou “livros”) religiosos aceitos como sendo inspirados por Deus e autoritativos. 
A palavra “cânone” vem do termo grego: κανών (“régua” ou “vara de medir”).
Os cristãos foram os primeiros a utilizar o termo para fazer referência às suas Escrituras, mas Eugene Ulrich considera que a ideia é derivada do judaísmo.
A maioria dos cânones são considerados como “fechados” (ou seja, livros não podem mais ser acrescentados ou removidos),o que reflete a crença de que a revelação divina está encerrada e, portanto, uma pessoa ou grupo de pessoas foi capaz de juntar os textos inspirados aprovados num cânone completo e autoritário. 
Nesse processo, emergiu nas comunidades israelitas e, posteriormente, cristãs, uma coleção de textos dotados de autoridade. 
Posteriormente, apareceram debates e consenso entre as autoridades religiosas de cada uma das respectivas denominações.
Alguns livros, como os evangelhos judaico-cristãos, foram excluídos do cânone completamente, mas muitos livros disputados, considerados não canônicos ou apócrifos por alguns, são considerados como sendo apócrifos bíblicos, deuterocanônicos ou plenamente canônicos por outros.

DIFERENÇAS ENTRE AS BÍBLIAS HEBRAICAS, PROTESTANTES E CATÓLICAS:
1.Bíblia Judaica – a Bíblia dos judeus: Tanah

  • Contém somente os 39 livros da Antiga Aliança
  • Rejeita os 27 da Nova Aliança como inspirado, assim como rejeitou O Messias.
  • Não aceita os  livros apócrifos incluídos na Vulgata (versão Católica Romana)

2.Bíblia Protestante: 66 livros

  • Aceita os 39 livros da Antiga Aliança e também os 27 da Nova Aliança
  • Rejeita os livros apócrifos incluídos na Vulgata, como não canônicos.

3.Bíblia Católica: 73 livros

  • Contém os 39 livros da Antiga Aliança e os 27 da Nova Aliança.
  • Inclui na versão Vulgata, os livros apócrifos ou não canônicos.

obs: Além 66 livros, outros sete livros completos (Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Baruque, Sabedoria e Eclesiástico) e alguns acréscimos ao texto dos livros de Ester (10:4 a 11:1 ou a 16:24) e Daniel (3:24-90; caps. 13 e 14).
https://www.youtube.com/watch?v=MguEI3qMZxI
APÓCRIFOS/DEUTEROCANÔNICOS – Adição de livros Apócrifos na Bíblia Católica dados como inspirados: 
Como os apócrifos acabaram sendo incluídos na versão Católica Romana?
1.Os judeus rejeitaram de modo uniforme os livros apócrifos, por isto não se encontram na Bíblia Hebraica;
2.Os apócrifos foram escritos depois do livro de Malaquias, ou seja, depois do Velho Testamento estar concluído.
3.O período é de 300 a.C. e 100 d.C. Este é o período da Helenização, onde os gregos tentarão impor a cultura pagã grega no mundo todo.
4.Nesta época a Bíblia hebraica foi traduzida em Alexandria, para o grego, e nesta versão chamada LXX ou septuaginta, foram incluídas alguns livros apócrifos.
5.No segundo século d.C., as primeiras Bíblias em latim, foram traduzidas não da Bíblia Hebraica, mas da Septuaginta, a versão grega, que tinha incluído os apócrifos no Velho Testamento.
6.A Vulgata, a versão oficial da igreja católica, feita por Jerônimo, distinguia entre:
-libris canonice = Livros canônicos
-libris ecclesiastici = Livros apócrifos
7.No Concílio de Cartago (397), onde a igreja Romana já estava bem solidificada, foi resolvido aceitar os livros apócrifos como próprios para leitura religiosa, embora, não fossem canônicos.
8.Foi somente em 1548, como mais um dogma herético, que a Roma reconheceu os livros apócrifos como de igual valor aos livros 66 livros canônicos. Com exceção de 3 e 4 Esdras e da Oração de Manassés.
9.Os reformadores rejeitaram completamente os apócrifos como canônicos.
Aqui se compreende o porquê a Igreja Católica se utiliza destes livros:
Nestes livros selecionados e reconhecidos pela Igreja Católica como sagrados,  encontram-se ensinamentos contrários ao restante das escrituras, a igreja católica no concílio de Trento Em 1548 d.C. que colocou os 12 livros apócrifos como inspirados.
A igreja católica aceita os livros apócrifos porque eles dão uma falsa base para seus ensinos heréticos.
1)Falsas teorias da existência do purgatório:
Sabedoria 3:1-9; contrastar com Salmo 6:5; Eclesiastes 9:5, 10 
a)Este é o ensino Satânico inventado pela Igreja Católica Romana, de que o homem, mesmo morrendo perdido, pode ter uma Segunda chance de Salvação.
b)Sabedoria 3.1-4 – A Igreja Católica baseia a doutrina do purgatório na ultima parte deste texto, onde diz: “E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade”. Eles ensinam que o tormento em que o justo está, é o purgatório que o purifica para entrar na imortalidade. Isto é uma deturpação do próprio texto do livro apócrifo. De modo, que a igreja Católica é capaz de qualquer desonestidade textual, para manter suas heresias.
Leia atentamente as seguinte textos das Escrituras, que mostram a impossibilidade do purgatório :
Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Yahusha ha’Mashyach, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
1 João 1:7
E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.
Hebreus 9:22
Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Yahuah, estando na mesma condenação?
E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.
E disse a Yahusha: Mestre, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.
E disse-lhe Yahusha: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.
Lucas 23:40-43
Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente.
Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele;
E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas.
E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado.
E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio.
E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.
Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado.
E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.
E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai,
Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.
Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.
E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam.
Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite.
Lucas 16:19-31
Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?
Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Mas graças a Yahuah que nos dá a vitória por nosso Mestre Yahusha ha’Mashyach.
Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão em Yah.
1 Coríntios 15:55-58
Para que andeis honestamente para com os que estão de fora, e não necessiteis de coisa alguma.
Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.
Porque, se cremos que Yahusha morreu e ressuscitou, assim também aos que em Yahusha dormem, Yahuah os tornará a trazer com ele.
Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra de Yah: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda de Yahusha, não precederemos os que dormem.
Porque o mesmo Yah descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Yahuah; e os que morreram em Yahusha ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar Yah nos ares, e assim estaremos sempre com Yah.
1 Tessalonicenses 4:12-17
E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem em Yahusha. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem.
Apocalipse 14:13
E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Yahuah, que o deu.
Eclesiastes 12:7
Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Yahusha, porque isto é ainda muito melhor.
Filipenses 1:23
Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Yahuah o resgate dele.
(Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre),
Salmos 49:7,8
Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;
Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará;
Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.
2 Timóteo 2:11-13
A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele creem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.
Atos 10:43
Doutrina  Católica do Purgatório: base na Biblia

  • Afirmam que aquelas almas que não apresentam a pureza necessária para poderem ser admitidas no céu, devem descer ao lugar da purificação chamado de purgatório.
  • Baseiam-se em Mateus 5:26. Pelo contexto, o Messias estava contando uma “história humana” onde a punição não tinha caráter eterno, e sim passageiro:

Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil.
Mateus 5:26

  • A existência do purgatório caso fosse comprovada, seria a falência da expiação de Yahusha no madeiro do calvário. 

E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado;
Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Yahuah amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
João 3:14-16
E, quando Yahusha tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
João 19:30
2)Orações pelos mortos: II Macabeus 12:42-46 contrasta com Isaías 38:18 e 19:
“E tendo feto uma coleta, mandou 12 mil dracmas de prata a Jerusalém, para  serem oferecidas em sacrifícios pelos pecados dos mortos, sentindo bem e religiosamente a ressurreição, (porque, se ele não esperasse que os que tinham sido mortos, haviam um dia de ressuscitar, teria por uma coisa supérflua e vã orar pelos defuntos); e porque ele considerava que aos que tinham falecido na piedade estava reservada uma grandíssima misericórdia. É, pois, um santo e salutar pensamento orar pelos mortos, para que sejam livres dos seus pecados”.
2 Macabeus 12:43-46
Porque não te louvará a sepultura, nem a morte te glorificará; nem esperarão em tua verdade os que descem à cova.
O vivente, o vivente, esse te louvará, como eu hoje o faço; o pai aos filhos fará notória a tua verdade.
Isaías 38:18,19
É neste texto falso, de um livro não canônico, que contradiz toda a Bíblia, que a Igreja Católica Romana baseia sua falta e herege doutrina do purgatório.

  • Este é novamente um ensino Satânico para desviar o homem da redenção exclusiva pelo sangue de Yahusha, e não por orações que livram as almas do fogo de um lugar inventado pela mente apostata dos teólogos católicos romanos.
  • Após a morte o destino de todos os homens é selado, uns para Perdição eterna e outros para a Salvação eterna – não existe meio de mudar o destinos de alguém após a sua morte.

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
Mateus 7:13
E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.
Lucas 16:26
A oração pelos mortos :

  • Baseados principalmente em 1 Timóteo 2:1, a doutrina católica defenda a oração em favor dos mortos.

Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
1 Timóteo 2:1,2
Após uma vírgula do versículo 1, no versículo 2, Paulo diz quem são os alvos das orações:
“pelos reis, e por todos os que exercem autoridade”.  Não existe reinado e muito menos autoridade sob a responsabilidade de mortos”.
E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,
Hebreus 9:27
3)Ensinam que Anjos bons mentem: Tobias 5:10-14 contrasta com Mateus 22:30 e João 8:44):
a) Tobias 5.15-19
“E o anjo disse-lhe: Eu o conduzirei e te reconduzirei. Tobias respondeu: Peço-te que me digas de que família e de tribo és tu? O anjo Rafael disse-lhe: Procuras saber a família do mercenário, ou o mesmo mercenário que vá com teu filho? Mas para que te não ponhas em cuidados, eu sou Azarias, filho do grande Ananias. E Tobias respondeu-lhe: Tu és de uma ilustre família. Mas peço-te que te não ofendas por eu desejar conhecer a tua geração.”
b) Um anjo de Yah não poderia mentir sobre a sua identidade, sem violar a própria lei santa de Yahuah. Todos os anjos de Yahuah, foram verdadeiros quando lhes foi perguntado a sua identidade.
E, respondendo o anjo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Yahuah, e fui enviado a falar-te e dar-te estas alegres novas.
Lucas 1:19
4)Ensinam Artes Mágicas ou de Feitiçaria como método de exorcismo com órgãos de um peixe postos sobre brasas fazendo espantar os demônios: Tobias 6:5-8 contrasta com Marcos 9:17-29:
a)Este ensino que o coração de um peixe tem o poder para expulsar toda espécie de demônios contradiz tudo o que a Bíblia diz sobre como enfrentar o demônio.
b)Yahuah jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a um servo seu, como usar os métodos da macumba e da bruxaria para expulsar demônios.
c)Satanás não pode ser expelido pelos métodos enganosos da feitiçaria e bruxaria, e de fato ele não tem interesse nenhum em expelir demônios:
E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?
Mateus 12:26
d)Um dos sinais apostólicos era a expulsão de demônios, e a única coisas que tiveram de usar foi o nome de Yahusha:
E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
Marcos 16:17
E isto fez ela por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de Yahusha ha’Mashyach, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu.
Atos 16:18
 5)Ensinam que esmolas e boas obras limpam os pecados e salvam a alma: Tobias 12:8 e 9; Eclesiástico 3:30 contrasta com 1 Pedro 1:18 e 19 e I João 1:7-9:
“É boa a oração acompanhada do jejum, dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro; porque a esmola livra da morte (eterna), e é a que apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna”.
Tobias 12.8, 9
“A água apaga o fogo ardente, e a esmola resiste aos pecados”
Eclesiástico 3.33
a)Este é o primeiro ensino de Satanás, o mais terrível, e se encontrar basicamente em todas a seitas heréticas.
b)  A Salvação por obras, destrói todo o valor da obra vicária de Yahusha em favor do pecador. Se caridade e boas obras limpam nossos pecados, nós não precisamos do sangue de Yahusha. Porém, a Bíblia não deixa dúvidas quanto o valor exclusivo do sangue como um único meio de remissão e perdão de pecados:
Mas, vindo Yahusha, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,
Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.
Hebreus 9:11,12,22
Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais,
Mas com o precioso sangue de Yahusha, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,
1 Pedro 1:18,19
d) Contradiz Bíblia toda. Ela declara que somente pela graça de Yahuah e o sangue de Yahusha o homem pode alcançar justificação e completa redenção:
Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Yahusha ha’Mashyach.
Romanos 3:20,24
6)Ensinam o perdão dos pecados através das orações:
“O que ama a Deus implorará o perdão dos seus pecados, e se absterá de tornar a cair neles, e será ouvido na sua oração de todos os dias”.
Eclesiástico 3.4
a)O perdão dos pecados não está baseado na oração que se faz pedindo o perdão, não é fé na oração, e sim fé naquele que perdoa o pecado, a oração por si só, é uma boa obra que a ninguém pode salvar. Somente a oração de confissão e arrependimento baseadas na fé no sacrifício vicário de Yahusha traz o perdão (Provérbios 28:13; 1 João 1:9, 2:1,2).
7)Mulher que jejuava todos os sias de aua vida:
“E no andar superior de sua casa tinha feito para si um quarto retirado, no qual se conservava recolhida com as suas criadas, e, trazendo um cilício sobre os seus rins, jejuava todos os dias de sua vida, exceto nos sábados, e nas neomênias, d nas festas da casa de Israel”
Judite 8:5,6
Este texto legendário tem sido usado por romana relacionado com a canonização dos “santos” de idolatria. Em nenhuma parte da Bíblia jejuar todos os dias da vida é sinal de santidade. Yahusha jejuou 40 dias e 40 noites e depois não jejuou mais.
O livro de Judite é claramente um produção humana, não inspirado, para escravizar os homens aos ensinos da igreja Católica Romana.
8)Ensinam atitudes antimessiânicas como: VINGANÇA, CRUELDADE E EGOÍSMO
a)VINGANÇA – Judite 9:2
b)CRUELDADE e EGOÍSMO – Eclesiástico 12:6
c)Contraria o que a Bíblia diz sobre:
Vingança:
A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens.
Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Yah.
Romanos 12:17,19
Crueldade e Egoísmo:
Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe pão para comer; e se tiver sede, dá-lhe água para beber;
Porque assim lhe amontoarás brasas sobre a cabeça; e o Yah te retribuirá.
Provérbios 25:21,22
Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.
Romanos 12:20
Então Yahusha, levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem?
João 6:5
9)A igreja Católica tenta defender a imaculada conceição baseando em uma deturpação dos próprios apócrifos: Sabedoria 8:9,20 contradizendo Lucas 1.30-35 e Salmos 51:5; Romanos 3:23:
“Mas as almas dos justos estão na mão de Yahuah, e nenhum tormento os tocará. Aparentemente estão mortos aos olhos dos insensatos: seu desenlace é julgado como uma desgraça. E sua morte como uma destruição, quando na verdade estão na paz!
Se aos olhos dos homens suportaram uma correção, a esperança deles era portadora de imortalidade.
E por terem sofrido um pouco, receberão grandes bens, porque Yahuah, que os provou, achou-os dignos de si.
Ele os provou como ouro na fornalha, e os acolheu como holocausto.
No dia de sua visita, eles se reanimarão, e correrão como centelhas na palha.
Eles julgarão as nações e dominarão os povos, e o Senhor reinará sobre eles para sempre.
Os que põem sua confiança nele compreenderão a verdade, e os que são fiéis habitarão com ele no amor: porque seus eleitos são dignos de favor e misericórdia.”
Sabedoria, 3:1-9
Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?
Salmos 6:5
Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.
Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe com coração contente o teu vinho, pois já Yahuah se agrada das tuas obras.
Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça.
Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol.
Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.
Eclesiastes 9:5-10
“Bendisseram, pois, a mão do justo juiz, o Deus, que faz aparecer as coisas ocultas, e puseram-se em oração, para implorar-lhe o perdão completo do pecado cometido. O nobre Judas falou à multidão, exortando-a a evitar qualquer transgressão, ao ver diante dos olhos o mal que havia sucedido aos que foram mortos por causa dos pecados. Em seguida, organizou uma coleta, enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados. Belo e santo modo de agir, decorrente de sua crença na ressurreição! Pois, se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles. Mas, se ele acreditava que uma belíssima recompensa aguarda os que morrem piedosamente, era esse um bom e religioso pensamento. Eis por que ele pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres de suas faltas.”
II Macabeus 12:42-45
Porque não te louvará a sepultura, nem a morte te glorificará; nem esperarão em tua verdade os que descem à cova.
O vivente, o vivente, esse te louvará, como eu hoje o faço; o pai aos filhos fará notória a tua verdade.
Isaías 38:18,19
“Tendo Tobias entrado e contado o sucedido ao seu pai, este ficou muito admirado e pediu que fizesse entrar o jovem. Ele entrou e saudou a Tobit: “A felicidade esteja contigo para sempre!”. Tobit disse-lhe: “Que felicidade posso eu ter ainda? Estou nas trevas, sem poder ver a luz do céu”. O jovem replicou-lhe: “Tem ânimo, porque é fácil a Deus curar-te!”. Tobit disse-lhe: “É verdade que poderás conduzir meu filho à casa de Gabael, em Ragés, na Média? Quando voltares, eu te retribuirei por isso”.
Tobias 5:10-14
Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos do Alahim no céu.
Mateus 22:30
Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.
João 8:44
“O anjo então disse-lhe: “Abre o peixe e tira-lhe o coração, o fel e o fígado. Guarda-os contigo e joga fora as entranhas. O coração, o fel e o fígado do peixe servirão para remédios muito eficazes”. Ele assim o fez. A seguir, assou uma parte da carne do peixe, que levaram consigo pelo caminho. Salgaram o resto, para que lhes bastasse até chegarem a Ragés, na Média. Entretanto, Tobias interrogou o anjo: “Azarias, meu irmão, peço-te que me digas qual é a virtude curativa dessas partes do peixe que me mandaste guardar”. O anjo respondeu-lhe: “Se puseres um pedaço do coração sobre brasas, a sua fumaça expulsará toda espécie de mau espírito, tanto do homem como da mulher e impedirá que ele volte de novo a eles.”
Tobias, 6:6-8
E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo;
E este, onde quer que o apanhe, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.
E ele, respondendo-lhes, disse: Ó geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo.
E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando.
E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância.
E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.
E Yahusha disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê.
E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Mestre! ajuda a minha incredulidade.
E Yahusha, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.
E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto.
Mas Yahusha, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.
E, quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram à parte: Por que o não pudemos nós expulsar?
E disse-lhes: Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum.
Marcos 9:17-29
“Boa coisa é a oração acompanhada de jejum e a esmola é preferível aos tesouros de ouro escondidos, porque a esmola livra da morte: ela apaga os pecados e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna;”
Tobias, 12:8-10
“Não há nenhuma cura para a assembleia dos soberbos, pois, sem que o saibam, o caule do pecado se enraíza neles.”
Eclesiástico, 3
Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais,
Mas com o precioso sangue de Yah, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,
1 Pedro 1:18,19
Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Yahusha ha’Mashyach, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.
1 João 1:7-9
Nossa conclusão (Eric e Sue) acerca dos Apócrifos:
Motivos para Rejeitar os Apócrifos tidos como inspirados pela Igreja Católica:

  • Eles são um poderoso instrumento de Satanás para semear heresias destrutivas.
  • A igreja Católica Romana os abraçou, porque não podia apoiar suas heresias nos livros canônicos, então, apelou para livros que são fontes de falsidades e heresias.
  • Satanás tem usado de todos os meios e artimanhas para confundir a doutrina Bíblica, mas os eleitos terão a luz do Espírito Santo e não se deixaram enganar.
  • A Bíblia completa, se compõe de 66 livros, que são a Única, Verdadeira e Comprovada Palavra de Yahuah Tzvaot.

Antes de pensar em estudar livros apócrifos, esteja certo de que conhece e compreende a Bíblia de forma a conseguir identificar possíveis enganos, como estes citados acima nos apócrifos considerados inspirados pela igreja católica, ou seja, partindo do pressuposto que a Bíblia que temos é sagrada e contém ensinamentos verdadeiros e inspirados, sendo a palavra do Pai, ela não pode se contradizer certo? 
Sendo assim, ao estudar os apócrifos, sempre confirme a informação na Bíblia, se estiver de acordo, ou não tiver algo especifico relacionado , mas não esteja em desacordo, considere, caso nesta comparação encontre informações em primeiro momento contraditória, analise se trata de uma contradição ou dificuldade em interpretação que o leva a crer que seja contrário quando na verdade é explicado.
Por exemplo:

  • No livro de Enoque temos a expressão “Filhos de Deus “ como sendo Anjos. Já no Segundo Livro de Adão e Eva temos a mesma expressão “Filhos de Deus” porém se referem aos filhos de Sete no tempo de Jared. Estudando sobre o Evento narrado nos dois livros apócrifos e também na Bíblia, podemos concluir que os dois eventos aconteceram, mas que um evento aconteceu antes do outro (Genesis 6:4). Considerando um importante Fato de que os dois eventos aconteceram exatamente no mesmo lugar só que em épocas diferentes (Monte Hermon – Montanha Sagrada).
  • O livro de Enoque, por exemplo, traz muitas verdades sobre a cosmologia hebraica (terra plana), Gigantes (Nephlim), Anjos, Apocalipse, Julgamento, Eleição, Predestinação, e muito mais compreensão do Mundo espiritual e de Alahim que estão em conformidade com a Bíblia, ou adicionando informações complementares não contraditórias, porém ferem as “ doutrinas humanas” (na verdade não existem doutrinas humanas, mas sim doutrinas de demônios que usam os humanos para criar as doutrinas) colocadas pelo Cristianismo como verdade, doutrinas estas indo até contrário a própria Bíblia, como o Heliocentrismo, Trindade, Livre Arbítrio e etc…

Na Bíblia diz que Enoque andou com Yahuah:
E andou Enoque com Yahuah, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas.
Gênesis 5:22
Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Yahuah o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Yahuah.
Hebreus 11:5
No Livro Apócrifo de Enoque temos o relato detalhado sobre o que aconteceu com Enoque e o que viu enquanto estava sendo tomado por Yahuah, grandes revelações e contextos:

  • O apócrifo “O primeiro e o segundo Livro de Adão e Eva” retrata Gênesis focado em Adão e Eva mais detalhadamente, relatando em detalhes o conflito no Éden, após Éden até o momento que os descendentes de Adão começam a se espalhar pela Terra. São Livros reveladores, verdadeiras obras perdidas que retratam detalhes ricos que fazem toda a diferença.
  • Alguns outros livros são citados na Bíblia, e desconsiderados como sagrados, como o livro de YASHER/YASAR:

Dizendo ele que ensinassem aos filhos de Judá o uso do arco. Eis que está escrito no livro de Yasher.
2 Samuel 1:18
E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no livro de Yasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro.
Josué 10:13

  • Não perca tempo lendo e estudando os Apócrifos Gnósticos, pois geralmente propagam heresias e distorcem a Bíblia, apresentando uma visão alternativa, não bíblica.

Mudaram os 10 Mandamentos (removendo o 1, 2 e 4)
Mandamentos Católicos:
Dez Mandamentos, que é a base mínima da conduta moral correta de qualquer católico:

  • 1º – Amar a Deus sobre todas as coisas.
  • 2º – Não falar seu Santo Nome em vão
  • 3º – Guardar domingos e festas de guarda.
  • 4º – Honrar pai e mãe.
  • 5º – Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo).
  • 6º – Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º – Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8º – Não levantar falsos testemunhos.
  • 9º – Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos.
  • 10º- Não cobiçar as coisas alheias.

Mandamentos Bíblia:
“Então falou Yahuah todas estas palavras, dizendo:
Eu sou Yahuah teu Alahim, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
1)Não terás outros deuses diante de Mim.
2)Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, Yahuah teu Alahim, Sou Um Alahim zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.
3)Não tomarás o nome de Yahuah teu Alahim em vão; porque Yahuah não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
4)Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
Mas o sétimo dia é o sábado de Yahuah teu Alahim; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.
Porque em seis dias fez o Alahim dos céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou Yahuah o dia do sábado, e o santificou.
5)Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que Yahuah teu Alahim te dá.
6)Não matarás.
7)Não adulterarás.
8)Não furtarás.
9)Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
10)Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
Êxodo 20:1-17
O Messias morreu no Madeiro e não na Cruz (que é um símbolo pagão [Crucifixo])
Para muitos, a cruz é o maior símbolo do cristianismo. 
No entanto, a Bíblia não dá detalhes sobre o instrumento em que Yahusha morreu, de modo que ninguém pode saber exatamente qual era seu formato. 
Mas na Bíblia há maiores evidências que apontam que o Messias morreu numa estaca, ou poste, e não numa cruz. Ou seja o objeto era composto somente de 1 madeira que era a haste, e não 2 cruzadas.
Na verdade, deve-se dizer que originalmente a “cruz” não era o que hoje se entende por ela, mas compunha-se de uma só peça de madeira ou poste, terminado numa ponta.
Denominava-se em hebraico ’ets (pau, tronco) e aparece na Bíblia, pela primeira vez em Gênesis 40:19: עַל-עֵץ
A palavra ’ets aparece também em Josué 8:29: עַד-עֵת
Também a forca de Mordecai (Ester 5:14) é designada como ’ets: יַעֲשׂוּ-עֵץ
Posteriormente os latinos ao descreverem esse madeiro, denominavam-no acuta crux. Temos essa designação em Sêneca, Epistola XVII, 1, 10, referindo-se especificamente a esse instrumento de suplício.
O segredo esta na palavra grega: stau·rós para se referir ao instrumento em que Yahusha foi executado. (Mateus 27:40; João 19:17)
Embora essa palavra muitas vezes seja traduzida como “cruz”, diversos eruditos concordam que seu significado básico na verdade é “poste reto”.
Stau·rós:
1. pau;
2. paliçada;
3. estaca;
4. patíbulo;
5. instrumento de suplício;
6. cruz. 
O Verbo stauroō significa: levantar uma paliçada, proteger com paus, empalar, crucificar. 
Tau é a designação grega da letra T. E o T assemelha-se à cruz. Há até um tipo de cruz exatamente com essa forma. 
A forma de um T ou, no grego, de um TAU. 

O verbo stau·rós, etimologicamente significa “colocar num TAU” (isto é, num T). 
A palavra “tau” está dentro de staurós e stauroô. Daí o sentido de crucificar.
De acordo com o Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, stau·rós denota, primariamente, poste ou estaca vertical. 
Em tais peças os malfeitores eram pregados para execução. O substantivo stau·rós e o verbo stauroō, amarrar a uma estaca ou poste, devem ser originalmente distinguidos da forma eclesiástica da cruz de duas vigas.
Além disso, a Bíblia usa a palavra grega xý·lon como sinônimo de stau·rós.(Atos 5:30; 10:39; 13:29; Gálatas 3:13; 1 Pedro 2:24).
Essa palavra significa “madeira”, “viga”, “estaca” ou “árvore”.
Desse modo, a The Companion Bible (Bíblia Companheira) conclui: “Não há nada no grego do [Novo Testamento] que sequer sugira duas peças de madeira.”
Existem evidencias históricas, arqueológica de 1970, relatos de historiadores (Pagãos  e Pais da Igreja) que apontam para o Madeiro e também para a cruz, como sabemos que o Cristianismo é pagão, fugindo da doutrina real bíblica e apostólica, o que me leva a CRER e ficar com a versão mais antiga ou mais próxima ao antigo, pois com o passar dos anos as coisas foram sendo alteradas… A cruz evoluiu da simples estaca para o instrumento de suplício com duas peças. 
O apóstolo Paulo diz:
“Yahusha nos comprou, livrando-nos da maldição da Lei por se tornar maldição em nosso lugar, pois está escrito: ‘Maldito é todo aquele pendurado num madeiro [“numa árvore”, Versão Rei Jaime, em inglês].”
Gálatas 3:13
Aqui Paulo cita Deuteronômio 21:22, 23, que fala claramente de uma estaca, não de uma cruz. 
Visto que esses meios de execução faziam da pessoa uma ‘maldição’, não seria apropriado os cristãos terem em sua casa imagens do Cristo numa cruz.
Não há evidência de que aqueles que se diziam cristãos usassem a cruz na adoração nos primeiros 300 anos após a morte do Cristo. 
No quarto século, porém, o imperador pagão Constantino converteu-se ao cristianismo apóstata e promoveu a cruz como símbolo deste. 
Qualquer que tenha sido a motivação de Constantino, a cruz nada tinha a ver com Yahusha ha’Mashyach, por isso não é, mas sim o novo deus criado, Iesus Christos. De fato, a cruz é de origem pagã.
A New Catholic Encyclopedia admite: “A cruz está presente tanto na cultura pré-cristã como na cultura não cristã.” Várias outras autoridades no assunto têm ligado a cruz à adoração da natureza e aos rituais do sexo praticados pelos pagãos.
No mínimo suspeito :
Constantino exaltou a cruz a ponto de tornar-se objeto de veneração, a cruz, entre os antigos povos pagãos, foi símbolo de fertilidade, dos órgãos de reprodução, e também das coisas ignóbeis.
Independentemente de como era o instrumento em que Yahusha morreu, os seguintes fatos e versículos bíblicos indicam que não devemos usar a cruz na adoração.

  • Yahuah não aceita o uso de imagens ou símbolos em sua adoração, e isso inclui a cruz. Yahuah proibiu os israelitas de usar “a figura de qualquer símbolo” em sua adoração:

Guardai, pois, com diligência as vossas almas, pois nenhuma figura vistes no dia em que Yahuah, em Horebe, falou convosco do meio do fogo;
Para que não vos corrompais, e vos façais alguma imagem esculpida na forma de qualquer figura, semelhança de homem ou mulher;
Figura de algum animal que haja na terra; figura de alguma ave alada que voa pelos céus;
Figura de algum animal que se arrasta sobre a terra; figura de algum peixe que esteja nas águas debaixo da terra;
Que não levantes os teus olhos aos céus e vejas o sol, e a lua, e as estrelas, todo o exército dos céus; e sejas impelido a que te inclines perante eles, e sirvas àqueles que o Yahuah teu Alahim repartiu a todos os povos debaixo de todos os céus.
Deuteronômio 4:15-19
Do mesmo modo, os cristãos são aconselhados a ‘fugir da idolatria’:
Portanto, meus amados, fugi da idolatria.
1 Coríntios 10:14

  • Os crentes do primeiro século não usavam a cruz na adoração. 
    Todos os cristãos devem seguir o exemplo e os ensinamentos deixados pelos apóstolos:

Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.
2 Tessalonicenses 2:15

  • O uso da cruz na adoração tem origem pagã. 
    Alguns séculos após a morte de Yahusha, as igrejas haviam se desviado dos ensinamentos dele e permitiam que os novos membros retivessem, “em grande parte, os sinais e símbolos pagãos”, incluindo a cruz. (Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento). No entanto, a Bíblia não aprova que símbolos pagãos sejam adotados com o objetivo de se conseguir mais adeptos:

Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz Yah;E não toqueis nada imundo,E eu vos receberei;
2 Coríntios 6:17
Heliocentrismo- Adoração Suméria x Cosmologia Hebraica – Terra Plana
Todas as civilizações, religiões e raças de nosso passado antigo sabiam que a Terra era plana, com uma cultura semelhante a uma barreira acima de nós. Suas representações provam isso, até 500 anos atrás (séc. XVI) as pessoas acreditavam que éramos o centro do universo, a Igreja Católica Romana e uma equipe de cientistas e astrônomos Jesuítas fizeram grandes esforços para mudar essa crença, quando fizeram, eles acreditavam que poderiam tirar muitas almas das verdades bíblicas, confundido e manipulando a historia de forma a condicionar o mundo a adoração ao sol.

  • O conceito de mundo bíblico, ou seja a cosmologia hebraica é o que temos como“ Modelo terra plana“ , e pasmem, a terra só é considerada um “Globo” pela ciência ocultista baseada em “fatos empíricos” a mais ou menos 500 anos, ou seja: de Adão até o ano 5.500 anos a Terra é plana, ou melhor, do Messias até hoje, 1500 anos aproximadamente a terra é plana, e somente os últimos 500 anos é um Globo, ou seja, por muito mais tempo o conceito de terra plana foi aceito, e o Heliocentrismo é relativamente “Novo” e baseado em ciência empírica, ou seja, quando a pessoa se baseia em  fatos que vem da experiência da pessoa, sem ser necessariamente comprovado cientificamente.

APÓCRIFOS/DEUTEROCANÔNICOS – Adição de livros Apócrifos na Bíblia Católica dados como inspirados: 
Como os apócrifos acabaram sendo incluídos na versão Católica Romana?
1.Os judeus rejeitaram de modo uniforme os livros apócrifos, por isto não se encontram na Bíblia Hebraica;
2.Os apócrifos foram escritos depois do livro de Malaquias, ou seja, depois do Velho Testamento estar concluído.
3.O período é de 300 a.C. e 100 d.C. Este é o período da Helenização, onde os gregos tentarão impor a cultura pagã grega no mundo todo.
4.Nesta época a Bíblia hebraica foi traduzida em Alexandria, para o grego, e nesta versão chamada LXX ou septuaginta, foram incluídas alguns livros apócrifos.
5.No segundo século d.C., as primeiras Bíblias em latim, foram traduzidas não da Bíblia Hebraica, mas da Septuaginta, a versão grega, que tinha incluído os apócrifos no Velho Testamento.
6.A Vulgata, a versão oficial da igreja católica, feita por Jerônimo, distinguia entre:
-libris canonice = Livros canônicos
-libris ecclesiastici = Livros apócrifos
7.No Concílio de Cartago (397), onde a igreja Romana já estava bem solidificada, foi resolvido aceitar os livros apócrifos como próprios para leitura religiosa, embora, não fossem canônicos.
8.Foi somente em 1548, como mais um dogma herético, que a Roma reconheceu os livros apócrifos como de igual valor aos livros 66 livros canônicos. Com exceção de 3 e 4 Esdras e da Oração de Manassés.
9.Os reformadores rejeitaram completamente os apócrifos como canônicos.


Aqui se compreende o porquê a Igreja Católica se utiliza destes livros:
Nestes livros selecionados e reconhecidos pela Igreja Católica como sagrados,  encontram-se ensinamentos contrários ao restante das escrituras, a igreja católica no concílio de Trento Em 1548 d.C. que colocou os 12 livros apócrifos como inspirados.


A igreja católica aceita os livros apócrifos porque eles dão uma falsa base para seus ensinos heréticos.
1)Falsas teorias da existência do purgatório:
Sabedoria 3:1-9; contrastar com Salmo 6:5; Eclesiastes 9:5, 10 
a)Este é o ensino Satânico inventado pela Igreja Católica Romana, de que o homem, mesmo morrendo perdido, pode ter uma Segunda chance de Salvação.
b)Sabedoria 3.1-4 – A Igreja Católica baseia a doutrina do purgatório na ultima parte deste texto, onde diz: “E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade”. Eles ensinam que o tormento em que o justo está, é o purgatório que o purifica para entrar na imortalidade. Isto é uma deturpação do próprio texto do livro apócrifo. De modo, que a igreja Católica é capaz de qualquer desonestidade textual, para manter suas heresias.
Leia atentamente as seguinte textos das Escrituras, que mostram a impossibilidade do purgatório :
Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Yahusha ha’Mashyach, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
1 João 1:7


E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.
Hebreus 9:22


Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Yahuah, estando na mesma condenação?
E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.
E disse a Yahusha: Mestre, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.
E disse-lhe Yahusha: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.
Lucas 23:40-43


Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente.
Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele;
E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas.
E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado.
E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio.
E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.
Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado.
E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.
E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai,
Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.
Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.
E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam.
Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite.
Lucas 16:19-31


Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?
Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Mas graças a Yahuah que nos dá a vitória por nosso Mestre Yahusha ha’Mashyach.
Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão em Yah.
1 Coríntios 15:55-58


Para que andeis honestamente para com os que estão de fora, e não necessiteis de coisa alguma.
Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.
Porque, se cremos que Yahusha morreu e ressuscitou, assim também aos que em Yahusha dormem, Yahuah os tornará a trazer com ele.
Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra de Yah: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda de Yahusha, não precederemos os que dormem.
Porque o mesmo Yah descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Yahuah; e os que morreram em Yahusha ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar Yah nos ares, e assim estaremos sempre com Yah.
1 Tessalonicenses 4:12-17


E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem em Yahusha. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem.
Apocalipse 14:13


E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Yahuah, que o deu.
Eclesiastes 12:7


Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Yahusha, porque isto é ainda muito melhor.
Filipenses 1:23


Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Yahuah o resgate dele.
(Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre),
Salmos 49:7,8


Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;
Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará;
Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.
2 Timóteo 2:11-13


A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele creem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.
Atos 10:43


Doutrina  Católica do Purgatório: base na Bíblia

  • Afirmam que aquelas almas que não apresentam a pureza necessária para poderem ser admitidas no céu, devem descer ao lugar da purificação chamado de purgatório.
  • Baseiam-se em Mateus 5:26. Pelo contexto, o Messias estava contando uma “história humana” onde a punição não tinha caráter eterno, e sim passageiro:

Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil.
Mateus 5:26

  • A existência do purgatório caso fosse comprovada, seria a falência da expiação de Yahusha no madeiro do calvário. 

E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado;
Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Yahuah amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
João 3:14-16


E, quando Yahusha tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
João 19:30


2)Orações pelos mortos: II Macabeus 12:42-46 contrasta com Isaías 38:18 e 19:
“E tendo feto uma coleta, mandou 12 mil dracmas de prata a Jerusalém, para  serem oferecidas em sacrifícios pelos pecados dos mortos, sentindo bem e religiosamente a ressurreição, (porque, se ele não esperasse que os que tinham sido mortos, haviam um dia de ressuscitar, teria por uma coisa supérflua e vã orar pelos defuntos); e porque ele considerava que aos que tinham falecido na piedade estava reservada uma grandíssima misericórdia. É, pois, um santo e salutar pensamento orar pelos mortos, para que sejam livres dos seus pecados”.
2 Macabeus 12:43-46
Porque não te louvará a sepultura, nem a morte te glorificará; nem esperarão em tua verdade os que descem à cova.
O vivente, o vivente, esse te louvará, como eu hoje o faço; o pai aos filhos fará notória a tua verdade.
Isaías 38:18,19


É neste texto falso, de um livro não canônico, que contradiz toda a Bíblia, que a Igreja Católica Romana baseia sua falta e herege doutrina do purgatório.

  • Este é novamente um ensino Satânico para desviar o homem da redenção exclusiva pelo sangue de Yahusha, e não por orações que livram as almas do fogo de um lugar inventado pela mente apostata dos teólogos católicos romanos.
  • Após a morte o destino de todos os homens é selado, uns para Perdição eterna e outros para a Salvação eterna – não existe meio de mudar o destinos de alguém após a sua morte.

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
Mateus 7:13


E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.
Lucas 16:26


A oração pelos mortos:

  • Baseados principalmente em 1 Timóteo 2:1, a doutrina católica defenda a oração em favor dos mortos.

Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
1 Timóteo 2:1,2


Após uma vírgula do versículo 1, no versículo 2, Paulo diz quem são os alvos das orações:
“pelos reis, e por todos os que exercem autoridade”.  Não existe reinado e muito menos autoridade sob a responsabilidade de mortos”.
E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,
Hebreus 9:27


3)Ensinam que Anjos bons mentem: Tobias 5:10-14 contrasta com Mateus 22:30 e João 8:44):
a) Tobias 5.15-19
“E o anjo disse-lhe: Eu o conduzirei e te reconduzirei. Tobias respondeu: Peço-te que me digas de que família e de tribo és tu? O anjo Rafael disse-lhe: Procuras saber a família do mercenário, ou o mesmo mercenário que vá com teu filho? Mas para que te não ponhas em cuidados, eu sou Azarias, filho do grande Ananias. E Tobias respondeu-lhe: Tu és de uma ilustre família. Mas peço-te que te não ofendas por eu desejar conhecer a tua geração.”
b) Um anjo de Yah não poderia mentir sobre a sua identidade, sem violar a própria lei santa de Yahuah. Todos os anjos de Yahuah, foram verdadeiros quando lhes foi perguntado a sua identidade.
E, respondendo o anjo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Yahuah, e fui enviado a falar-te e dar-te estas alegres novas.
Lucas 1:19


4)Ensinam Artes Mágicas ou de Feitiçaria como método de exorcismo com órgãos de um peixe postos sobre brasas fazendo espantar os demônios: Tobias 6:5-8 contrasta com Marcos 9:17-29:
a)Este ensino que o coração de um peixe tem o poder para expulsar toda espécie de demônios contradiz tudo o que a Bíblia diz sobre como enfrentar o demônio.
b)Yahuah jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a um servo seu, como usar os métodos da macumba e da bruxaria para expulsar demônios.
c)Satanás não pode ser expelido pelos métodos enganosos da feitiçaria e bruxaria, e de fato ele não tem interesse nenhum em expelir demônios:
E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?
Mateus 12:26


d)Um dos sinais apostólicos era a expulsão de demônios, e a única coisas que tiveram de usar foi o nome de Yahusha:
E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
Marcos 16:17


E isto fez ela por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de Yahusha ha’Mashyach, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu.
Atos 16:18


 5)Ensinam que esmolas e boas obras limpam os pecados e salvam a alma: Tobias 12:8 e 9; Eclesiástico 3:30 contrasta com 1 Pedro 1:18 e 19 e I João 1:7-9:
“É boa a oração acompanhada do jejum, dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro; porque a esmola livra da morte (eterna), e é a que apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna”.
Tobias 12.8, 9


“A água apaga o fogo ardente, e a esmola resiste aos pecados”
Eclesiástico 3.33


a)Este é o primeiro ensino de Satanás, o mais terrível, e se encontrar basicamente em todas a seitas heréticas.
b)  A Salvação por obras, destrói todo o valor da obra vicária de Yahusha em favor do pecador. Se caridade e boas obras limpam nossos pecados, nós não precisamos do sangue de Yahusha. Porém, a Bíblia não deixa dúvidas quanto o valor exclusivo do sangue como um único meio de remissão e perdão de pecados:
Mas, vindo Yahusha, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,
Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.
Hebreus 9:11,12,22


Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais,
Mas com o precioso sangue de Yahusha, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,
1 Pedro 1:18,19


d) Contradiz Bíblia toda. Ela declara que somente pela graça de Yahuah e o sangue de Yahusha o homem pode alcançar justificação e completa redenção:
Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Yahusha ha’Mashyach.
Romanos 3:20,24


6)Ensinam o perdão dos pecados através das orações:
“O que ama a Deus implorará o perdão dos seus pecados, e se absterá de tornar a cair neles, e será ouvido na sua oração de todos os dias”.
Eclesiástico 3.4
a)O perdão dos pecados não está baseado na oração que se faz pedindo o perdão, não é fé na oração, e sim fé naquele que perdoa o pecado, a oração por si só, é uma boa obra que a ninguém pode salvar. Somente a oração de confissão e arrependimento baseadas na fé no sacrifício vicário de Yahusha traz o perdão (Provérbios 28:13; 1 João 1:9, 2:1,2).


7)Mulher que jejuava todos os dias de sua vida:
“E no andar superior de sua casa tinha feito para si um quarto retirado, no qual se conservava recolhida com as suas criadas, e, trazendo um cilício sobre os seus rins, jejuava todos os dias de sua vida, exceto nos sábados, e nas neomênias, d nas festas da casa de Israel”
Judite 8:5,6


Este texto legendário tem sido usado por romana relacionado com a canonização dos “santos” de idolatria. Em nenhuma parte da Bíblia jejuar todos os dias da vida é sinal de santidade. Yahusha jejuou 40 dias e 40 noites e depois não jejuou mais.
O livro de Judite é claramente um produção humana, não inspirado, para escravizar os homens aos ensinos da igreja Católica Romana.


8)Ensinam atitudes antimessiânicas como: VINGANÇA, CRUELDADE E EGOÍSMO
a)VINGANÇA – Judite 9:2
b)CRUELDADE e EGOÍSMO – Eclesiástico 12:6
c)Contraria o que a Bíblia diz sobre:
Vingança:
A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens.
Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Yah.
Romanos 12:17,19


Crueldade e Egoísmo:
Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe pão para comer; e se tiver sede, dá-lhe água para beber;
Porque assim lhe amontoarás brasas sobre a cabeça; e o Yah te retribuirá.
Provérbios 25:21,22


Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.
Romanos 12:20


Então Yahusha, levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem?
João 6:5


9)A igreja Católica tenta defender a imaculada conceição baseando em uma deturpação dos próprios apócrifos: Sabedoria 8:9,20 contradizendo Lucas 1.30-35 e Salmos 51:5; Romanos 3:23:
“Mas as almas dos justos estão na mão de Yahuah, e nenhum tormento os tocará. Aparentemente estão mortos aos olhos dos insensatos: seu desenlace é julgado como uma desgraça. E sua morte como uma destruição, quando na verdade estão na paz!
Se aos olhos dos homens suportaram uma correção, a esperança deles era portadora de imortalidade.
E por terem sofrido um pouco, receberão grandes bens, porque Yahuah, que os provou, achou-os dignos de si.
Ele os provou como ouro na fornalha, e os acolheu como holocausto.
No dia de sua visita, eles se reanimarão, e correrão como centelhas na palha.
Eles julgarão as nações e dominarão os povos, e o Senhor reinará sobre eles para sempre.
Os que põem sua confiança nele compreenderão a verdade, e os que são fiéis habitarão com ele no amor: porque seus eleitos são dignos de favor e misericórdia.”
Sabedoria, 3:1-9
Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?
Salmos 6:5


Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.
Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe com coração contente o teu vinho, pois já Yahuah se agrada das tuas obras.
Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça.
Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol.
Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.
Eclesiastes 9:5-10


“Bendisseram, pois, a mão do justo juiz, o Deus, que faz aparecer as coisas ocultas, e puseram-se em oração, para implorar-lhe o perdão completo do pecado cometido. O nobre Judas falou à multidão, exortando-a a evitar qualquer transgressão, ao ver diante dos olhos o mal que havia sucedido aos que foram mortos por causa dos pecados. Em seguida, organizou uma coleta, enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados. Belo e santo modo de agir, decorrente de sua crença na ressurreição! Pois, se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles. Mas, se ele acreditava que uma belíssima recompensa aguarda os que morrem piedosamente, era esse um bom e religioso pensamento. Eis por que ele pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres de suas faltas.”
II Macabeus 12:42-45


Porque não te louvará a sepultura, nem a morte te glorificará; nem esperarão em tua verdade os que descem à cova.
O vivente, o vivente, esse te louvará, como eu hoje o faço; o pai aos filhos fará notória a tua verdade.
Isaías 38:18,19


“Tendo Tobias entrado e contado o sucedido ao seu pai, este ficou muito admirado e pediu que fizesse entrar o jovem. Ele entrou e saudou a Tobit: “A felicidade esteja contigo para sempre!”. Tobit disse-lhe: “Que felicidade posso eu ter ainda? Estou nas trevas, sem poder ver a luz do céu”. O jovem replicou-lhe: “Tem ânimo, porque é fácil a Deus curar-te!”. Tobit disse-lhe: “É verdade que poderás conduzir meu filho à casa de Gabael, em Ragés, na Média? Quando voltares, eu te retribuirei por isso”.
Tobias 5:10-14


Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos do Alahim no céu.
Mateus 22:30


Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.
João 8:44


“O anjo então disse-lhe: “Abre o peixe e tira-lhe o coração, o fel e o fígado. Guarda-os contigo e joga fora as entranhas. O coração, o fel e o fígado do peixe servirão para remédios muito eficazes”. Ele assim o fez. A seguir, assou uma parte da carne do peixe, que levaram consigo pelo caminho. Salgaram o resto, para que lhes bastasse até chegarem a Ragés, na Média. Entretanto, Tobias interrogou o anjo: “Azarias, meu irmão, peço-te que me digas qual é a virtude curativa dessas partes do peixe que me mandaste guardar”. O anjo respondeu-lhe: “Se puseres um pedaço do coração sobre brasas, a sua fumaça expulsará toda espécie de mau espírito, tanto do homem como da mulher e impedirá que ele volte de novo a eles.”
Tobias, 6:6-8


E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo;
E este, onde quer que o apanhe, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.
E ele, respondendo-lhes, disse: Ó geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo.
E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando.
E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância.
E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.
E Yahusha disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê.
E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Mestre! ajuda a minha incredulidade.
E Yahusha, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.
E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto.
Mas Yahusha, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.
E, quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram à parte: Por que o não pudemos nós expulsar?
E disse-lhes: Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum.
Marcos 9:17-29


“Boa coisa é a oração acompanhada de jejum e a esmola é preferível aos tesouros de ouro escondidos, porque a esmola livra da morte: ela apaga os pecados e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna;”
Tobias, 12:8-10


“Não há nenhuma cura para a assembleia dos soberbos, pois, sem que o saibam, o caule do pecado se enraíza neles.”
Eclesiástico, 3


Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais,
Mas com o precioso sangue de Yah, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,
1 Pedro 1:18,19


Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Yahusha ha’Mashyach, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.
1 João 1:7-9


Nossa conclusão (Eric e Sue) acerca dos Apócrifos:
Motivos para Rejeitar os Apócrifos tidos como inspirados pela Igreja Católica:

  • Eles são um poderoso instrumento de Satanás para semear heresias destrutivas.
  • A igreja Católica Romana os abraçou, porque não podia apoiar suas heresias nos livros canônicos, então, apelou para livros que são fontes de falsidades e heresias.
  • Satanás tem usado de todos os meios e artimanhas para confundir a doutrina Bíblica, mas os eleitos terão a luz do Espírito Santo e não se deixaram enganar.
  • A Bíblia completa, se compõe de 66 livros, que são a Única, Verdadeira e Comprovada Palavra de Yahuah Tzvaot.

Antes de pensar em estudar livros apócrifos, esteja certo de que conhece e compreende a Bíblia de forma a conseguir identificar possíveis enganos, como estes citados acima nos apócrifos considerados inspirados pela igreja católica, ou seja, partindo do pressuposto que a Bíblia que temos é sagrada e contém ensinamentos verdadeiros e inspirados, sendo a palavra do Pai, ela não pode se contradizer certo? 
Sendo assim, ao estudar os apócrifos, sempre confirme a informação na Bíblia, se estiver de acordo, ou não tiver algo especifico relacionado , mas não esteja em desacordo, considere, caso nesta comparação encontre informações em primeiro momento contraditória, analise se trata de uma contradição ou dificuldade em interpretação que o leva a crer que seja contrário quando na verdade é explicado.
Por exemplo:

  • No livro de Enoque temos a expressão “Filhos de Deus “ como sendo Anjos. Já no Segundo Livro de Adão e Eva temos a mesma expressão “Filhos de Deus” porém se referem aos filhos de Sete no tempo de Jared. Estudando sobre o Evento narrado nos dois livros apócrifos e também na Bíblia, podemos concluir que os dois eventos aconteceram, mas que um evento aconteceu antes do outro (Genesis 6:4). Considerando um importante Fato de que os dois eventos aconteceram exatamente no mesmo lugar só que em épocas diferentes (Monte Hermon – Montanha Sagrada).
  • O livro de Enoque, por exemplo, traz muitas verdades sobre a cosmologia hebraica (terra plana), Gigantes (Nephlim), Anjos, Apocalipse, Julgamento, Eleição, Predestinação, e muito mais compreensão do Mundo espiritual e de Alahim que estão em conformidade com a Bíblia, ou adicionando informações complementares não contraditórias, porém ferem as “ doutrinas humanas” (na verdade não existem doutrinas humanas, mas sim doutrinas de demônios que usam os humanos para criar as doutrinas) colocadas pelo Cristianismo como verdade, doutrinas estas indo até contrário a própria Bíblia, como o Heliocentrismo, Trindade, Livre Arbítrio e etc…

Na Bíblia diz que Enoque andou com Yahuah:
E andou Enoque com Yahuah, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas.
Gênesis 5:22


Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Yahuah o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Yahuah.
Hebreus 11:5


No Livro Apócrifo de Enoque temos o relato detalhado sobre o que aconteceu com Enoque e o que viu enquanto estava sendo tomado por Yahuah, grandes revelações e contextos:

  • O apócrifo “O primeiro e o segundo Livro de Adão e Eva” retrata Gênesis focado em Adão e Eva mais detalhadamente, relatando em detalhes o conflito no Éden, após Éden até o momento que os descendentes de Adão começam a se espalhar pela Terra. São Livros reveladores, verdadeiras obras perdidas que retratam detalhes ricos que fazem toda a diferença.
  • Alguns outros livros são citados na Bíblia, e desconsiderados como sagrados, como o livro de YASHER/YASAR:

Dizendo ele que ensinassem aos filhos de Judá o uso do arco. Eis que está escrito no livro de Yashar.
2 Samuel 1:18


E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no livro de Yasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro.
Josué 10:13

  • Não perca tempo lendo e estudando os Apócrifos Gnósticos, pois geralmente propagam heresias e distorcem a Bíblia, apresentando uma visão alternativa, não bíblica.

Mudaram os 10 Mandamentos (removendo o 1, 2 e 4)
Mandamentos Católicos:
Dez Mandamentos, que é a base mínima da conduta moral correta de qualquer católico:

  • 1º – Amar a Deus sobre todas as coisas.
  • 2º – Não falar seu Santo Nome em vão
  • 3º – Guardar domingos e festas de guarda.
  • 4º – Honrar pai e mãe.
  • 5º – Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo).
  • 6º – Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º – Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8º – Não levantar falsos testemunhos.
  • 9º – Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos.
  • 10º- Não cobiçar as coisas alheias.

Mandamentos Bíblia:
“Então falou Yahuah todas estas palavras, dizendo:
Eu sou Yahuah teu Alahim, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
1)Não terás outros deuses diante de Mim.
2)Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, Yahuah teu Alahim, Sou Um Alahim zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.
3)Não tomarás o nome de Yahuah teu Alahim em vão; porque Yahuah não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
4)Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
Mas o sétimo dia é o sábado de Yahuah teu Alahim; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.
Porque em seis dias fez o Alahim dos céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou Yahuah o dia do sábado, e o santificou.
5)Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que Yahuah teu Alahim te dá.
6)Não matarás.
7)Não adulterarás.
8)Não furtarás.
9)Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
10)Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
Êxodo 20:1-17


O Messias morreu no Madeiro e não na Cruz (que é um símbolo pagão [Crucifixo])
Para muitos, a cruz é o maior símbolo do cristianismo. 
No entanto, a Bíblia não dá detalhes sobre o instrumento em que Yahusha morreu, de modo que ninguém pode saber exatamente qual era seu formato. 
Mas na Bíblia há maiores evidências que apontam que o Messias morreu numa estaca, ou poste, e não numa cruz. Ou seja o objeto era composto somente de 1 madeira que era a haste, e não 2 cruzadas.
Na verdade, deve-se dizer que originalmente a “cruz” não era o que hoje se entende por ela, mas compunha-se de uma só peça de madeira ou poste, terminado numa ponta.
Denominava-se em hebraico ’ets (pau, tronco) e aparece na Bíblia, pela primeira vez em Gênesis 40:19: עַל-עֵץ
A palavra ’ets aparece também em Josué 8:29: עַד-עֵת
Também a forca de Mordecai (Ester 5:14) é designada como ’ets: יַעֲשׂוּ-עֵץ
Posteriormente os latinos ao descreverem esse madeiro, denominavam-no acuta crux. Temos essa designação em Sêneca, Epistola XVII, 1, 10, referindo-se especificamente a esse instrumento de suplício.
O segredo esta na palavra grega: stau·rós para se referir ao instrumento em que Yahusha foi executado. (Mateus 27:40; João 19:17)
Embora essa palavra muitas vezes seja traduzida como “cruz”, diversos eruditos concordam que seu significado básico na verdade é “poste reto”.
Stau·rós:
1. pau;
2. paliçada;
3. estaca;
4. patíbulo;
5. instrumento de suplício;
6. cruz. 
O Verbo stauroō significa: levantar uma paliçada, proteger com paus, empalar, crucificar. 
Tau é a designação grega da letra T. E o T assemelha-se à cruz. Há até um tipo de cruz exatamente com essa forma. 
A forma de um T ou, no grego, de um TAU. 

O verbo stau·rós, etimologicamente significa “colocar num TAU” (isto é, num T). 
A palavra “tau” está dentro de staurós e stauroô. Daí o sentido de crucificar.
De acordo com o Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, stau·rós denota, primariamente, poste ou estaca vertical. 
Em tais peças os malfeitores eram pregados para execução. O substantivo stau·rós e o verbo stauroō, amarrar a uma estaca ou poste, devem ser originalmente distinguidos da forma eclesiástica da cruz de duas vigas.
Além disso, a Bíblia usa a palavra grega xý·lon como sinônimo de stau·rós.(Atos 5:30; 10:39; 13:29; Gálatas 3:13; 1 Pedro 2:24).
Essa palavra significa “madeira”, “viga”, “estaca” ou “árvore”.
Desse modo, a The Companion Bible (Bíblia Companheira) conclui: “Não há nada no grego do [Novo Testamento] que sequer sugira duas peças de madeira.”
Existem evidencias históricas, arqueológica de 1970, relatos de historiadores (Pagãos  e Pais da Igreja) que apontam para o Madeiro e também para a cruz, como sabemos que o Cristianismo é pagão, fugindo da doutrina real bíblica e apostólica, o que me leva a CRER e ficar com a versão mais antiga ou mais próxima ao antigo, pois com o passar dos anos as coisas foram sendo alteradas… A cruz evoluiu da simples estaca para o instrumento de suplício com duas peças. 
O apóstolo Paulo diz:
“Yahusha nos comprou, livrando-nos da maldição da Lei por se tornar maldição em nosso lugar, pois está escrito: ‘Maldito é todo aquele pendurado num madeiro [“numa árvore”, Versão Rei Jaime, em inglês].”
Gálatas 3:13


Aqui Paulo cita Deuteronômio 21:22, 23, que fala claramente de uma estaca, não de uma cruz. 
Visto que esses meios de execução faziam da pessoa uma ‘maldição’, não seria apropriado os cristãos terem em sua casa imagens do Cristo numa cruz.
Não há evidência de que aqueles que se diziam cristãos usassem a cruz na adoração nos primeiros 300 anos após a morte do Cristo. 
No quarto século, porém, o imperador pagão Constantino converteu-se ao cristianismo apóstata e promoveu a cruz como símbolo deste. 
Qualquer que tenha sido a motivação de Constantino, a cruz nada tinha a ver com Yahusha ha’Mashyach, por isso não é, mas sim o novo deus criado, Iesus Christos. De fato, a cruz é de origem pagã.
A New Catholic Encyclopedia admite: “A cruz está presente tanto na cultura pré-cristã como na cultura não cristã.” Várias outras autoridades no assunto têm ligado a cruz à adoração da natureza e aos rituais do sexo praticados pelos pagãos.
No mínimo suspeito :
Constantino exaltou a cruz a ponto de tornar-se objeto de veneração, a cruz, entre os antigos povos pagãos, foi símbolo de fertilidade, dos órgãos de reprodução, e também das coisas ignóbeis.
Independentemente de como era o instrumento em que Yahusha morreu, os seguintes fatos e versículos bíblicos indicam que não devemos usar a cruz na adoração.

  • Yahuah não aceita o uso de imagens ou símbolos em sua adoração, e isso inclui a cruz. Yahuah proibiu os israelitas de usar “a figura de qualquer símbolo” em sua adoração:

Guardai, pois, com diligência as vossas almas, pois nenhuma figura vistes no dia em que Yahuah, em Horebe, falou convosco do meio do fogo;
Para que não vos corrompais, e vos façais alguma imagem esculpida na forma de qualquer figura, semelhança de homem ou mulher;
Figura de algum animal que haja na terra; figura de alguma ave alada que voa pelos céus;
Figura de algum animal que se arrasta sobre a terra; figura de algum peixe que esteja nas águas debaixo da terra;
Que não levantes os teus olhos aos céus e vejas o sol, e a lua, e as estrelas, todo o exército dos céus; e sejas impelido a que te inclines perante eles, e sirvas àqueles que o Yahuah teu Alahim repartiu a todos os povos debaixo de todos os céus.
Deuteronômio 4:15-19


Do mesmo modo, os cristãos são aconselhados a ‘fugir da idolatria’:
Portanto, meus amados, fugi da idolatria.
1 Coríntios 10:14

  • Os crentes do primeiro século não usavam a cruz na adoração. 
    Todos os cristãos devem seguir o exemplo e os ensinamentos deixados pelos apóstolos:

Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.
2 Tessalonicenses 2:15

  • O uso da cruz na adoração tem origem pagã. 
    Alguns séculos após a morte de Yahusha, as igrejas haviam se desviado dos ensinamentos dele e permitiam que os novos membros retivessem, “em grande parte, os sinais e símbolos pagãos”, incluindo a cruz. (Dicionário Vine — O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento). No entanto, a Bíblia não aprova que símbolos pagãos sejam adotados com o objetivo de se conseguir mais adeptos:

Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz Yah;E não toqueis nada imundo,E eu vos receberei;
2 Coríntios 6:17


Heliocentrismo- Adoração Suméria x Cosmologia Hebraica – Terra Plana
Todas as civilizações, religiões e raças de nosso passado antigo sabiam que a Terra era plana, com uma cultura semelhante a uma barreira acima de nós. Suas representações provam isso, até 500 anos atrás (séc. XVI) as pessoas acreditavam que éramos o centro do universo, a Igreja Católica Romana e uma equipe de cientistas e astrônomos Jesuítas fizeram grandes esforços para mudar essa crença, quando fizeram, eles acreditavam que poderiam tirar muitas almas das verdades bíblicas, confundido e manipulando a historia de forma a condicionar o mundo a adoração ao sol.

  • O conceito de mundo bíblico, ou seja a cosmologia hebraica é o que temos como“ Modelo terra plana“ , e pasmem, a terra só é considerada um “Globo” pela ciência ocultista baseada em “fatos empíricos” a mais ou menos 500 anos, ou seja: de Adão até o ano 5.500 anos a Terra é plana, ou melhor, do Messias até hoje, 1500 anos aproximadamente a terra é plana, e somente os últimos 500 anos é um Globo, ou seja, por muito mais tempo o conceito de terra plana foi aceito, e o Heliocentrismo é relativamente “Novo” e baseado em ciência empírica, ou seja, quando a pessoa se baseia em  fatos que vem da experiência da pessoa, sem ser necessariamente comprovado cientificamente.

MARIOLATRIA – COMO SURGIU E FOI OFICIALIZADA NA IGREJA CATOLICA:
Para regulamentar a prática da mariolatria, a Igreja Católica utiliza a expressão “Mãe de Deus”, dando a entender que Miryam é mãe de Yahuah. 
Entretanto, ela não pode ser a mãe de Yahuah, pois, Yahuah é Um Ser Incriado e Eterno, subsistente em si mesmo e Miryam é um ser humano caído em pecado, limitada ao tempo e não poderia ter gerado algo eterno. 
A Bíblia nos esclarece que o Messias  nasceu como homem e assim se tornou filho de Miryam adquirindo a natureza humana como foi prometido a Eva logo após o pecado:
E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.
Gênesis 3:15

Portanto, Maria não pode ser mãe da divindade de YAHUSHA, mas sim da humanidade, ou seja, do sangue, assim como Maria vem de David, Yahusha vem de Sete, filho de Adão.
Como Miryam era a “mãe de Deus”, no melhor sentido dessa expressão, começaram a perceber que seria uma incongruência se ela tivesse, subsequentemente, filhos comuns através de gerações comuns. 
Como resultado dessa inclinação maniqueísta de pensamento, ela foi declarada aeiparthenos (sempre virgem) e os outros filhos foram forçosamente entendidos como “primos de Jesus”. (WYCLIFFE, 2013, p. 1231).
Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Miryam, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
E não estão entre nós todas as suas irmãs? De onde lhe veio, pois, tudo isto?
Mateus 13:55,56

Assim começou o desenvolvimento da tradição da Mariolatria na Igreja Católica Apostólica Romana de se prestar culto e adoração e uma reverencia antibíblica à “Maria”. 
Seus ensinamentos nunca tiveram algum significado e tem total rejeição nos ensinos Bíblicos, por isso não pode ter autoridade como uma doutrina Bíblica. São crenças extremamente errôneas que têm causado muita confusão durante os séculos subsequentes.

CONCLUSÃO:
Para a Igreja Católica Maria, os Apóstolos, não são apenas exemplos, mas objetos de culto e adoração. São representados por imagens de escultura.
Maria é digna de respeito, um bom exemplo a ser seguido, uma mulher muito importante para o Cristianismo, mas , Não pode ser objeto de culto ou adoração.

Por que alguns pensam que Maria é a mãe de Deus?
O primeiro indício de adoração a Maria vem do final do quarto século d.C. 
Naquela época, a Igreja Católica tornou-se a religião oficial do Império Romano.
Por causa disso, muitos pagãos se tornaram cristãos apenas no nome. 
A Igreja também tinha adotado o ensino não bíblico da Trindade.
A doutrina da Trindade fez com que muitos chegassem à conclusão de que se o Jesus era o próprio Deus encarnado, então Maria só podia ser a mãe de Deus (ápice da inteligência romana). É a Trindade babilônica, Semiramis alega ter sigo engravidado pelos os raios solares (Maçonaria: Raios sol masculino penetra e terra Feminina e nascem a vida da vegetação), engravidando assim de Tamuz, que seria a reencarnação de Ninrode, sendo ele o deus sol, logo sua reencarnação como sendo o filho do sol.
Em 431 d.C., um concílio da Igreja em Éfeso declarou oficialmente Maria como a “Mãe de Deus”. 
A mariolatria — veneração exagerada a Maria — se expandiu depois do Concílio de Éfeso. E, como aqueles que haviam se juntado à Igreja tinham um histórico pagão, as deusas de fertilidade, como Ártemis (Diana, para os romanos) e Ísis, foram aos poucos substituídas por imagens da Virgem Maria.
Em 432 d.C., o Papa Sisto III ordenou que fosse construída, em Roma, uma igreja em homenagem à “Mãe de Deus”. 
Ela foi construída perto de um templo erigido em homenagem a Lucina, a deusa romana do parto. 
Uma escritora descreveu essa igreja como “um símbolo evidente da integração da Grande Mãe das religiões pagãs ao culto de Maria depois da cristianização de Roma”. — Maria: O Guia Completo.

“Coração Imaculado” e da “Concepção Imaculada” de Maria. 
A palavra “imaculada” significa “sem pecado”.
A maior parte das pessoas que frequenta a igreja Católica Romana não tem noção de que a doutrina que afirma que Maria nasceu sem pecado, por ser a “Mãe de Deus” é uma doutrina relativamente nova. Na verdade, esta doutrina foi aceita pela primeira vez, na Igreja em 1854. 
Vou repetir aqui um trecho de um livro escrito por alguém que foi membro da igreja Católica Romana por 50 anos, e que serviu como padre Católico Romano em grande parte desse tempo. Ele estava vivo na época em que esta doutrina foi inicialmente introduzida na Igreja. Ele descreve isso como segue:
“Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX (9) estava sentado em seu trono; uma tríplice coroa de ouro e diamantes estava em sua cabeça; seda e damasco -vestimentas vermelhas e brancas sobre seus ombros; quinhentos prelados com uma mitra na cabeça o cercavam; e mais de cinquenta mil pessoas estavam a seus pés na incomparável Igreja de São Pedro em Roma. Após uns poucos minutos do mais solene silêncio, um cardeal, vestido com seu paramento de cor púrpura, levantou-se de seu lugar, e solenemente caminhou em direção ao papa, humildemente prostrando-se à seus pés, e disse:
 ‘Santo Padre, dizei-nos se podemos crer e ensinar que a Mãe de Deus, a Santa Virgem Maria, foi imaculada em sua concepção.’ O Supremo Pontífice respondeu: ‘Eu não sei; vamos perguntar à luz do Espírito Santo.’ O cardeal retirou-se; o papa e a incontável multidão caíram de joelhos; e o coro harmonioso cantou ‘Veni Creator Spiritus Venha Espírito Criador.’ A última nota do hino sagrado mal tinha ressoado nas abóbadas do templo, quando o mesmo cardeal deixou o seu lugar e novamente foi em direção ao trono do pontífice, prostrou-se aos seus pés, e disse:
‘Santo Padre, dizei-nos se a Santa Mãe de Deus, a bendita Virgem Maria, foi imaculada em sua concepção.’ O papa novamente respondeu: ‘Eu não sei; perguntemos à luz do Espírito Santo.’ E de novo o ‘Veni Creator Spiritus’ foi cantado. Novamente os olhos da multidão seguiram os solenes passos do cardeal de vestes púrpuras pela terceira vez ao trono do sucessor de São Pedro, para perguntar novamente: ‘Santo Padre, dizei-nos se podemos acreditar que a bendita Virgem Maria, a Mãe de Deus, foi imaculada.O papa, como se tivesse acabado de receber uma comunicação direta de Deus, respondeu com uma voz solene: 
 
‘Sim! Temos de crer que a Bendita Virgem Maria foi imaculada em sua concepção… Não há salvação para aqueles que não acreditarem neste dogma!’ E, com alta voz, o papa entoou o Te Deum; os sinos das trezentas igrejas de Roma soaram; os canhões da cidadela atiraram. 
 
O último ato da mais ridícula e sacrílega comédia que o mundo já tinha jamais visto havia terminado; as portas do céu estavam para sempre fechadas contra aqueles que se recusassem a crer na doutrina anti-bíblica de que há uma filha de Eva que não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Ela foi redeclarada isenta quando o Deus da Verdade disse: ‘Não há nenhum justo, não, nem sequer um; pois todos pecaram!’ (Romanos 3:10,23) Nenhum traço deste ensino é encontrado nos primeiros séculos da Igreja.” (50 Years in the “Church” of Rome, The Con-version of a Priest [50 Anos na “Igreja” de Roma, A Conversão de um Padre], por Charles Chiniquy, Chick Publications, 1985, pp. 233-234 [c. 1886])

MIRYAM NÃO É IMACULADA:
Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.
Salmos 51:5

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Yahuah;
Romanos 3:23

MIRYAM NÃO permaneceu virgem:
E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Yahusha.
Mateus 1:25

Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Miryam, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?
E não estão entre nós todas as suas irmãs? De onde lhe veio, pois, tudo isto?
Mateus 13:55,56

Miryam nunca disse que era a mãe de Yahuah. A Bíblia explica que ela deu à luz ao “Filho de Yahuah”, e não ao próprio Yahuah. 
Princípio do Evangelho de Yahusha ha’Mashyach, Filho de Yahuah;
Marcos 1:1

Este será grande, e será chamado Filho do Altíssimo; e YAHUAH ALAHIM lhe dará o trono de Davi, seu pai;
Lucas 1:32

Miryam NÃO é mediadora entre YAHUAH e os Homens:
E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Yah é contigo; bendita és tu entre as mulheres.
Lucas 1:28

Porque há um só Alahim, e um só Mediador entre Yahuah e os homens, Yahusha ha’Mashyach homem.
1 Timóteo 2:5

O Messias nunca disse que Miryam era a mãe de Yahuah ou que ela merecia ser adorada. Na verdade, Yahusha corrigiu uma mulher que destacou o privilégio de Miryam como mãe de Yahusha. Ele disse:
“Não, em vez disso, felizes os que ouvem a palavra de Yahuah e a põem em prática!
E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: Antes bem aventurados os que ouvem a palavra de Yahuah e a guardam.
Lucas 11:27,28

A Bíblia diz que Yahuah sempre existiu:
Então, como ele não teve começo, não pode ter uma mãe. Além do mais, Miryam não poderia ter carregado Yahuah em seu útero, pois a Bíblia diz que nem mesmo os céus podem contê-lo.
Yahuah, tu és o nosso refúgio, sempre, de geração em geração.
Antes de nascerem os montes e de criares a terra e o mundo, de eternidade a eternidade tu és Alahim.
Salmos 90:1,2

Não sabes, não ouviste que o Eterno Yahuah, Alahim, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento.
Isaías 40:28

Mas, na verdade, habitaria Yahuah na terra? Eis que os céus, e até o céu dos céus, não te poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado.
1 Reis 8:27

Através do Ruach que desceu sobre o Messias  no Batismo e começou o ministério, portanto o Pai passou a habitar Nele, o transformando em Um com Ele.Eu e o Pai somos um.
João 10:30

E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele.
E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo.
E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Yahuah.
João 1:32-34

CULTO AOS SANTOS:
Participar de qualquer forma de idolatria corrompe você, que é o templo de Yahuah. Agora vamos examinar uma segunda questão importante no Catolicismo Romano, as orações por pessoas mortas.
“Se alguém disser que é um engano celebrar missas em honra aos santos e com a finalidade de obter a intercessão deles para com Deus, como a Igreja faz, que seja anátema.” (Concílio de Trento, p. 149, Cânon 5).


O Concílio de Trento fez os seguintes comentários com relação às missas por pessoas mortas:
“E, apesar de que a igreja tem estado acostumada a celebrar às vezes certas missas em honra e memória dos santos, ela não ensina que se ofereça sacrifício a eles, mas somente a Deus, o qual os coroou; e, por isso, o sacerdote não diz: A Ti, Pedro ou Paulo, eu ofereço sacrifícios’, mas, dando graças a Deus pelas vitórias deles, ele lhes implora o favor [isto é o favor dos santos] para que eles se disponham a interceder por nós no céu, cuja memória celebramos na terra.” (Ibid., p. 146)


Este cânon claramente declara que o católico ora aos espíritos de pessoas mortas comunicando-se com eles, e suplicando para que intercedam por si ao Criador. A intercessão de Maria é uma doutrina central dos Católicos. Isto ficou bem claro nos Concílios do Vaticano II.
“A maternidade de Maria na ordem da graça começou com o consentimento que ela deu, em fé, na Anunciação, e que ela sustentou sem vacilar diante da cruz. Esta maternidade continuará sem interrupção até completar o número dos eleitos. Pois, elevada aos céus, ela não pôs de lado este papel salvador, mas por seus numerosos atos de intercessão continua a ganhar para nós dons de eterna salvação… Que todo o corpo de fiéis derrame oração perseverante à Mãe de Deus [Maria] e Mãe dos homens.” (The Documents of Vatican II, Walter M. Abbott, S.J., Editor, Guild Press, 1966, pp. 91, 96)


Esta oração e comunhão com espíritos de mortos – os santos – não é diferente das sessões espíritas que são realizadas para invocar espíritos de mortos para obter seu auxílio.
A Bíblia expressamente proíbe tal comunicação. Nós temos somente um mediador entre Yahuah e os homens: Yahusha ha’Mashyach!
Porquanto há um só Alahim e um só Mediador entre Yahuah e os homens, Yahusha ha’Mashyach, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.
1 Timóteo 2:5-6


A Bíblia não nos dá permissão para contatar os mortos em nenhum momento! Isto é pura feitiçaria. As Escrituras ensinam que se deve dirigir orações e adoração à Yahuah Tzvaot, em nome de Yahusha.
E naquele dia nada me perguntareis. Na verdade, na verdade vos digo que tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar. Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra.
João 16:23,24


Então disse-lhe Yahusha: Vai-te, Satanás, porque está escrito: À Yahuah Tzvaot teu Alahim adorarás, e só a ele servirás.
Mateus 4:10


E perguntaram: “Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.
Mateus 2:2


Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Yahuah pela oração e súplica, com ação de graças.
Filipenses 4:6


E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
João 14:13


Mas ele me disse: “Não faça isso! Sou servo como você e seus irmãos, os profetas, e como os que guardam as palavras deste livro. Adore a Yahuah!”
Apocalipse 22:9


E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou.
Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.
Atos 10:25,26


E as multidões, vendo o que Paulo fizera, levantaram a sua voz, dizendo em língua licaônica: Fizeram-se os deuses semelhantes aos homens, e desceram até nós. E chamavam Júpiter a Barnabé, e Mercúrio a Paulo; porque este era o que falava.
E o sacerdote de Júpiter, cujo templo estava em frente da cidade, trazendo para a entrada da porta touros e grinaldas, queria com a multidão sacrificar-lhes. Ouvindo, porém, isto os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgaram as suas vestes, e saltaram para o meio da multidão, clamando,
E dizendo: Senhores, por que fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós, sujeitos às mesmas paixões, e vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo, que fez o céu, e a terra, o mar, e tudo quanto há neles;
Atos 14:11-15


Origem do Rosário – Oração com Terço
Japamala (japamālā, जपमाला) é um cordão sagrado feito de contas, usado para ajudar o praticante de meditação a entrar no estado meditativo.
O termo Japamala, tem origem no sânscrito e é uma palavra composta, formada por duas outras. 
Uma delas é o “japa” que nada mais é que o ato murmurar mantras ou nomes de divindades. A outra palavra, “mala”, significa guirlanda, ou cordão.
No yoga e no hinduísmo, possui em geral 108 contas ou divisores. Em algumas linhas do budismo, possui ainda 3 marcadores, totalizando 111 contas. 
É um artesanato muito utilizado para ajudar nas orações e mentalizações como marcador. Temos então duas correntes: uma espiritual, “Japa”, e outra material, “Mala”. Assim, as energias espirituais invocadas “Japa” energizam o “Mala”.
Segundo a filosofia yogui, ao se completar o circuito de 108 repetições da oração, mentalização ou mantra, alcança-se um estágio superior na consciência chamado de transcendental (o estágio que ultrapassa as fixações da mente, mantendo a consciência concentrada em si mesma).
Os Malas são usados em outras culturas e religiões, mas são conhecidos por nomes diferentes, como contas de oração, contas de rosário (terço) e contas de preocupação. Mais de dois terços da população mundial empregam algum tipo de Mala como parte de sua prática espiritual. O uso de contas em oração parece ter se originado por volta do século VIII a.C. na Índia.
Os Malas por si mesmos tiveram uma poderosa influência e importância na história humana. Os mais antigos encontradas até hoje são de há cerca de 4200 anos. Os Malas foram usadas ao longo da nossa história como talismãs para proteção, amuletos para a sorte, símbolos de status para riqueza e autoridade, ferramentas espirituais e religiosas e como uma forma de permuta. Os significados e o uso das contas mudaram significativamente ao longo do tempo – eles foram usados para simbolizar as relações pessoais e culturais, o poder físico, mágico e sobrenatural e as visões culturais comuns do mundo.
É um objeto antigo de devoção espiritual, conhecido também como rosário de orações no ocidente. 
Rosário: Cordão de cordas, usado no catolicismo romano, A reza Ave Maria e repetida em cada conta menor e o Pai nosso a cada conta maior a mesma maneira repetitiva que um mantra.
Oração: Cuidado com orações longas e repetidas, vãs, repetição de palavras
Quando estamos orando, estamos conversando com Yahuah e adorando-o. É como uma conversa do coração. 
Muitas religiões (Católica) encorajam a repetição de orações memorizadas. 
Algumas igrejas até chegam a exigir que seus membros recitem uma certa oração um número específico de vezes a fim de que sejam absolvidos do pecado. Isso é paganismo e superstição; tais orações memorizadas são “repetições vãs” que não devem ter lugar na igreja. 
Messias já expiou por nossos pecados de uma vez por todas (Hebreus 10:10), e podemos abordar o trono da graça corajosamente no mérito do sacrifício de Yahusha (Hebreus 4:15-16), não por causa de nosso “muito falar” (Mateus 6:7).
Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Yahusha ha’Mashyach, oferecido uma vez por todas.
Hebreus 10:10


Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado.
Assim sendo, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade.
Hebreus 4:15,16


E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos.
Não sejam iguais a eles, porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de o pedirem.
Mateus 6:7,8


Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria.
Salmos 51:6

  • Yahusha ressalta que o uso de palavras repetitivas ou frases fórmulas é uma prática “idólatra” ou “pagã” e não deve fazer parte da oração cristã. Nossas orações devem ser mais como a breve e simples oração de Elias no Monte Carmelo e menos como as orações prolongadas e repetitivas dos profetas de Baal.

E disse Elias aos profetas de Baal: Escolhei para vós um dos bezerros, e preparai-o primeiro, porque sois muitos, e invocai o nome do vosso deus, e não lhe ponhais fogo.
E tomaram o bezerro que lhes dera, e o prepararam; e invocaram o nome de Baal, desde a manhã até ao meio-dia, dizendo: Ah! Baal, responde-nos! Porém nem havia voz, nem quem respondesse; e saltavam sobre o altar que tinham feito.
E sucedeu que ao meio-dia Elias zombava deles e dizia: Clamai em altas vozes, porque ele é um deus; pode ser que esteja falando, ou que tenha alguma coisa que fazer, ou que intente alguma viagem; talvez esteja dormindo, e despertará.
E eles clamavam em altas vozes, e se retalhavam com facas e com lancetas, conforme ao seu costume, até derramarem sangue sobre si.
E sucedeu que, passado o meio-dia, profetizaram eles, até a hora de se oferecer o sacrifício da tarde; porém não houve voz, nem resposta, nem atenção alguma.
Então Elias disse a todo o povo: Chegai-vos a mim. E todo o povo se chegou a ele; e restaurou o altar de Yahuah, que estava quebrado.
E Elias tomou doze pedras, conforme ao número das tribos dos filhos de Jacó, ao qual veio a palavra de Yahuah, dizendo: Ysrael será o teu nome.
E com aquelas pedras edificou o altar em nome de Yahuah; depois fez um rego em redor do altar, segundo a largura de duas medidas de semente.
Então armou a lenha, e dividiu o bezerro em pedaços, e o pôs sobre a lenha.
E disse: Enchei de água quatro cântaros, e derramai-a sobre o holocausto e sobre a lenha. E disse: Fazei-o segunda vez; e o fizeram segunda vez. Disse ainda: Fazei-o terceira vez; e o fizeram terceira vez;
De maneira que a água corria ao redor do altar; e até o rego ele encheu de água.
Sucedeu que, no momento de ser oferecido o sacrifício da tarde, o profeta Elias se aproximou, e disse: Ó Yahuah Alahim de Abraão, de Isaque e de Israel, manifeste-se hoje que tu és Alahim em Ysrael, e que eu sou teu servo, e que conforme à tua palavra fiz todas estas coisas.
Responde-me, Yahuah Tzvaot, responde-me, para que este povo conheça que tu és Yahuah nosso Alahim, e que tu fizeste voltar o seu coração.
Então caiu fogo de Yahuah, e consumiu o holocausto, e a lenha, e as pedras, e o pó, e ainda lambeu a água que
1 Reis 18:25-38


É fácil se distrair com inúmeras repetições, repetindo as mesmas palavras em nossas orações em vez de pensar nas nossas palavras ou deixá-las vir do coração. Devemos nos concentrar em Yahuah em oração e honrá-lo em nossos corações.  
 
Porque Yahuah disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído;
Isaías 29:13


Ser persistente na oração não é o mesmo que usar repetições vãs. Não há nada de errado em orar pela mesma coisa mais de uma vez.
Afinal, Yahusha nos ensinou que devemos “orar sempre e nunca esmorecer”. Entretanto, entende-se que nossas orações são do coração, espontâneas e honram a Yahuah, e não apenas uma repetição de palavras escritas por outra pessoa.
Três vezes roguei à Yah que o tirasse de mim.
Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Yahusha repouse em mim.
2 Coríntios 12:8,9


E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer,
Lucas 18:1

  • A Bíblia nos ensina a orar em fé (Tiago 1:6), 
  • Direcionando-nos diretamente a Yahuah (Mateus 6:9) e no nome de Yahusha (João 14:13).
  • Devemos oferecer nossas orações com reverência e humildade (Lucas 18:13), 
  • com perseverança (Lucas 18:1) e 
  • em submissão à vontade de Yahuah (Mateus 6:10). 
  • A Bíblia nos ensina a evitar orações que sejam hipócritas, destinadas a ser ouvidas apenas pelos homens (Mateus 6:5), 
  • ou que dependam de repetições vãs (Mateus 6:7).

A oração verdadeira tem como Alvo YAHUAH mediado pelo ÚNICO intercessor, Messias que está à destra do Pai celestial.


Ho’oponopono e Mantra (YOGA)
(cuidado com esta pratica muitas vezes dentro do Cristianismo – Yoga Cristão)


Ho’oponopono é uma técnica ancestral havaiana que busca, através da gratidão, resolver mágoas e feridas do passado, criando assim, um estado de paz. Na língua original, “Ho’o” significa “cura”e “ponopono”, “arrumar, endireitar”. Dessa forma, podemos traduzir a junção de ambas como “corrigir um erro”.
Basta apenas repeti-las mentalmente ou vocalmente, até se sentir melhor e livre daquele pensamento.
O hooponopono é feito quando percebermos sentimentos como medo e ansiedade, por exemplo.
Basta dizer: “medo abençoado, sinto muito, por favor, me perdoe, eu te amo, sou grato(a).


Qual é a oração do ho Oponopono?
EU SINTO MUITO, ME PERDOE, EU TE AMO, SOU GRATO. EU SINTO MUITO, ME PERDOE, EU TE AMO, SOU GRATO.
Eu libero todos aqueles de quem eu acredito estar recebendo danos e maus tratos, porque simplesmente me devolvem o que eu fiz a eles antes, em alguma vida passada.
EU SINTO MUITO, ME PERDOE, EU TE AMO, SOU GRATO.
O quê seria um mantra?
Mantra é uma palavra em sânscrito, que por sua vez é uma língua falada antigamente na Índia. O sânscrito é um conjunto de sons que expressam a energia das coisas às quais se nomeia, as palavras em sânscrito portanto, produzem a vibração energética daquilo à que elas se referem… Todo som tem uma vibração.


Em qual religião se usa mais o mantra?
Mantras, os sons sagrados da tradição budista, têm o poder de criar encantamentos e atrair as melhores vibrações para sua vida. Conheça os principais. A palavra mantra é composta pelas sílabas man (mente) e tra (entrega), em sânscrito, antigo idioma da Índia.


O que é mantras poderosos?
Os mantras são repetidos como hinos, sílabas e frases que emanam uma vibração diferente de acordo com a formação de cada um e a força da pronúncia ou até mesmo do pensamento. Por isso, são considerados ferramentas de conexão espiritual com espíritos supremos e desenvolvidos.

ALIANÇA DE CASAMENTO:
O anel que simboliza a união entre pessoas, a aliança teve origem do povo hindu, que o costume de simbolizar a união através de um anel, proliferado esse costume entre gregos e romanos, sendo este posto quarto dedo da mão esquerda por onde se passa a veia que tem ligação com coração (veia d’ amore). A igreja católica adotou esse costume como forma simbólica de união entre casais “cristãos”.
Foi no livro de ORAÇÕES COMUNS (da igreja católica), que foi designada a mão esquerda como a “mão do casamento”, tradição reconhecida até hoje em todo o mundo. Outro fato interessante é que até o século XIII não havia aliança de noivado ou de compromisso.

O papa inocente III declarou que deveria haver período de espera que deveria ser observado até o pedido de casamento e a realização cerimônia matrimonial. É por isso que existe um anel de noivado e depois a aliança de casamento.
O primeiro anel de noivado que se tem notícia foi aquela dada pelo rei da Alemanha, Maximiliano I, a Maria Burgundy em 1447.
Esse anel e aliança surgiu entre os gregos e os romanos, provavelmente vindo de um costume hindu de usar anel para simbolizar o casamento. 
Os romanos acreditavam que no quarto dedo da mão passava uma veia (veia d’ amore) que estava ligada diretamente ao coração, costume carregado culturalmente até os dias de hoje. 
No início a aliança era tida como um certificado de propriedade da noiva, indicando que a mesma não estava mais aptas a outros pretendentes.
A partir do século IX a igreja cristã (cristandade), adotou a aliança como símbolo de união e fidelidade entre os casais cristãos. Muitas crenças nasceram então, como por exemplo que os escocês dizem que a mulher que perde a aliança está condenada a perder o marido.
Se você desconhecia a origem, saiba que os gregos foram os responsáveis por tornar uma tradição ocidental do uso do anel na mão esquerda, embora os hindus foram os primeiros a usarem aliança de casamento.
No ano 3 a.C., os egípcios já usavam aliança quando seu território foi dominado por Alexandre (o grande) que levou o hábito para a Grécia, foram os gregos que passaram a usar a aliança matrimonial na mão esquerda com o nome diatheke (relação mútua). 
A aliança é o mesmo q acordo, união, pacto. Os romanos adotaram a prática após ter conquistado a Grécia e, com a conversão do mundo greco-romano ao cristianismo romano, o uso da aliança da mão esquerda se tornou obrigatório para os que se casavam na “igreja” durante o papado de Nicolau I em 860.
Segundo os registros do arcebispo Isidore de Seville (560 a 636) no livro de Ethymologies, os anéis eram trocados como símbolo de fidelidade mútua de união dos corações. Essa tal veia a ciência descartou. Na acupuntura e no Do In (métodos de cura orientsis milenáres) há um meridiano que passa no anular esquerdo e pelo coração.
Segundo os entendidos, os meridianos são como rio um rio que passa por onde corre a energia do corpo.
O ritual da cerimônia não mudou praticamente nada nos tempos atuais. No século XVI, o casamento civil se tornou obrigatório pela igreja de Roma, as noivas usavam buquês e na cabeça para espantar maus fluidos, usavam coroas de espinhos.
As flores representavam a felicidade e a vida longa e os espinhos afastariam os maus espíritos. Mais tarde foi acrescentado o véu em referência a deusa greca-romana Vesta, protetora do lar, simbolizando a honestidade e a virgindade, virtudes imprescindíveis para uma boa prole e a continuação de “sangue” segundo os costumes da época.
No século XI, ano 1000 surgiu a aliança que é o maior símbolo de uma união. Após esse período, a tradição do noivado passou a ser tão importante quanto o casamento. A cerimônia acontecia 12 meses antes da união, e durante esse período a noiva deveria ser fiel ao noivo, caso contrário seria chamada de adúltera e não poderia noivar novamente. 
Apenas no século XV ano 1400 a aliança com diamante foi recebida por um mulher. Surge também o primeiro beijo em público.
A tradição dos presentes veio na idade média, onde os presentes eram trocados: A família da noiva era responsável pelo pagamento do dote (o pai da noiva sentia se proprietário da noiva, por isso se pedia um valor por ela). Os pais do noivo eram responsáveis pela moradia. E o sacerdote que celebrava o matrimônio recebia o terceiro presente.
Então meus irmãos…são práticas pagãs: assim como domingo, natal, trindade, o inferno (Lago de Fogo) (Sheol – sepultura), ir para o céu (moraremos na terra renovada), preexistência, e outras práticas pagãs foram introduzidas pela união grego-romano na sua invenção: o cristianismo, e depois adotadas pelos que se dizem protestantes e evangélicos.


PEDRO E A PEDRA (IGREJA EXCLUSIVA):
Numa análise superficial de Mateus 16:18,19, a passagem parece apoiar a teologia católica acerca da edificação da Igreja Cristã sobre Pedro, sendo este o primeiro Papa. 
Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;
E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.
Mateus 16:18,19


A Igreja Católica ensina, a partir desta confissão:
1)Cristo lhe mudou o nome, indicando a posição que ocuparia daí por diante; 
2)Edificou sua igreja sobre Pedro; 
3)Pedro é a pedra fundamental do texto de Mateus;
4)Pedro foi o superior hierárquico dos Apóstolos; 
5)Pedro estabeleceu em Roma a sede de seu episcopado;
6)Ele instituiu os bispos de Roma seus herdeiros;
No entanto, estudando mais, percebe-se que esta é uma interpretação não exegética do texto. 
O próprio Pedro, em sua primeira epístola (1Pe 2:4-10), apresenta um comentário da declaração que Yah lhe fizera. Ele afirma ser Yahusha a pedra que vive, sobre o qual os crentes são edificados, tornando-se pedras que vivem, e assim, a Igreja de Yah é edificada, obtendo a sua vitória.
E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Yahuah eleita e preciosa,
Vòs também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdòcio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Yahuah por Yahusha ha’Mashyach.
Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa;e quem nela crer não será confundido.
E assim para vòs, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes,a pedra que os edificadores reprovaram,essa foi a principal da esquina,
E uma pedra de tropeço e rocha de escândalo,para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados.
Mas vòs sois a geração eleita, o sacerdòcio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;
1 Pedro 2:4-9


Além disso, existe na Antiga Aliança uma expectativa messiânica ligada à pedra, e na Nova Aliança existem textos que apontam Yahusha como sendo a pedra. Logo, o fundamento da Igreja de Yah é “Yahusha, o Filho do Alahim vivo” confessado por Pedro em Mateus 16:16.

  • Yah não mudou o nome de Pedro neste momento, mas apenas confirmou o sobrenome que lhe atribuíra no dia do seu chamado. 

Cefas hebraico kepha’ כיפא
Pedro grego petros Πέτρος 
Simão hebraico Shim’on ִׁשוֹן ְמע 
Este achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Messias).
E levou-o a Yahusha. E, olhando Yahusha para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).
João 1:41,42


Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.
Lucas 6:42


PEDRA NA BIBLIA (Antiga Aliança)
YHWH TZVAOT:
YAHUAH é o meu rochedo
Salmos 18:2


Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita
Deuteronômio 32:4


MESSIAS:
Portanto assim diz o Yahuah Alahim: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse.
Isaías 28:16


FUNDAMENTO DA IGREJA:
E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Yahusha.
1 Coríntios 10:4


E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.
Atos 4:12


Como está escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo; E todo aquele que crer nela não será confundido.
Romanos 9:33


Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Yahusha ha’Mashyach.
1 Coríntios 3:11


Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Yahusha ha’Mashyach é a principal pedra da esquina;
Efésios 2:20


E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Yahuah eleita e preciosa,
Vòs também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdòcio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Yahuah por Yahusha ha’Mashyach.
1 Pedro 2:4,5


Diz-lhes Yahusha: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra, que os edificadores rejeitaram, essa foi posta por cabeça do ângulo; por Yah foi feito isto, E é maravilhoso aos nossos olhos?
Portanto, eu vos digo que o reino de Yahuah vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos.
E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.
Mateus 21:42-44


NA LÍNGUA GREGA:
PEDRO = PÉTROS 
PÉTROS significa “fragmento de pedra”, “pedra movediça”, “lasca de pedra”. 
PÉTRA significa “rocha”, “massa sólida de rocha”.
Yahusha não queria que nenhum deles fosse mestre ou guia, porque esta é uma prerrogativa divina.
Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, Yahusha, e todos vós sois irmãos.
E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus.
Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Yahusha.
Mateus 23:8-10


Por duas vezes, o problema da primazia entre os discípulos foi levantado entre eles. Tal problema jamais teria acontecido se Yahusha tivesse estabelecido a Pedro como superior à eles.
E suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior.
Lucas 9:46


E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior.
E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores.
Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve.
Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve.
E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações.
E eu vos destino o reino, como meu Pai mo destinou,
Para que comais e bebais à minha mesa no meu reino, e vos assenteis sobre tronos, julgando as doze tribos de Ysrael.
Lucas 22:24-30


Se Yahusha tivesse indicado a Pedro como o líder da Igreja, como o Papa, ele seria infalível em suas decisões.
Então, prendendo-o, o levaram, e o puseram em casa do sumo sacerdote. E Pedro seguia-o de longe.
E, havendo-se acendido fogo no meio do pátio, estando todos sentados, assentou-se Pedro entre eles.
E como certa criada, vendo-o estar assentado ao fogo, pusesse os olhos nele, disse: Este também estava com ele.
Porém, ele negou-o, dizendo: Mulher, não o conheço.
E, um pouco depois, vendo-o outro, disse: Tu és também deles. Mas Pedro disse: Homem, não sou.
E, passada quase uma hora, um outro afirmava, dizendo: Também este verdadeiramente estava com ele, pois também é galileu.
E Pedro disse: Homem, não sei o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo.
E, virando-se Yahusha, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra de Yah, como lhe havia dito: Antes que o galo cante hoje, me negarás três vezes.
E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente.
Lucas 22:54-62


Sendo Pedro o dirigente, seria a pessoa que enviaria outros. Porém Pedro e João foram enviados pelos apóstolos.
Os apóstolos em Jerusalém, ouvindo que Samaria havia aceitado a palavra de Yah, enviaram para lá Pedro e João.
Atos 8:14


Se fosse o superior hierárquico dos apóstolos a arguição que eles fizeram e a defesa de Pedro seriam inoportunas e desarrazoadas.
E ouviram os apóstolos, e os irmãos que estavam na Judéia, que também os gentios tinham recebido a palavra de Yahuah.
E, subindo Pedro a Jerusalém, disputavam com ele os que eram da circuncisão,
Dizendo: Entraste em casa de homens incircuncisos, e comeste com eles.
Mas Pedro começou a fazer-lhes uma exposição por ordem, dizendo:
Estando eu orando na cidade de Jope, tive, num arrebatamento dos sentidos, uma visão; via um vaso, como um grande lençol que descia do céu e vinha até junto de mim.
E, pondo nele os olhos, considerei, e vi animais da terra, quadrúpedes, e feras, e répteis e aves do céu.
E ouvi uma voz que me dizia: Levanta-te, Pedro; mata e come.
Mas eu disse: De maneira nenhuma, Mestre; pois, nunca em minha boca entrou coisa alguma comum ou imunda.
Mas a voz respondeu-me do céu segunda vez: Não chames tu comum ao que Yahuah purificou.
E sucedeu isto por três vezes; e tudo tornou a recolher-se ao céu.
E eis que, na mesma hora, pararam, junto da casa em que eu estava, três homens que me foram enviados de Cesaréia.
E disse-me o Espírito que fosse com eles, nada duvidando; e também estes seis irmãos foram comigo, e entramos em casa daquele homem;
E contou-nos como vira em pé um anjo em sua casa, e lhe dissera: Envia homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro,
O qual te dirá palavras com que te salves, tu e toda a tua casa.
E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo, como também sobre nós ao princípio.
E lembrei-me do dito de Yah, quando disse: João certamente batizou com água; mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.
Portanto, se Yahuah lhes deu o mesmo dom que a nós, quando havemos crido no Messias Yahusha ha’Mashyach, quem era então eu, para que pudesse resistir a Yahuah?
E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se, e glorificaram a Yahuah, dizendo: Na verdade até aos gentios deu Yahuah o arrependimento para a vida.
Atos 11:1-18


O primeiro concílio da igreja não foi convocado e dirigido por Pedro mas por Tiago. O contexto sugere que Tiago era o presidente.
E, havendo-se eles calado, tomou Tiago a palavra, dizendo: Homens irmãos, ouvi-me:
Simão relatou como primeiramente Yahuah visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome.
E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito:
Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído, levantá-lo-ei das suas ruínas, e tornarei a edificá-lo.
Para que o restante dos homens busque à Yah, e todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado, diz Yah, que faz todas estas coisas,
Conhecidas são a Yahuah, desde o princípio do mundo, todas as suas obras.
Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Yahuah.
Atos 15:13-19
Se Pedro fosse o líder, Paulo não poderia escrever o que se encontra em Gálatas 2:11-14, pois seria faltar à ética hierárquica.
E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível.
Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão.
E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação.
Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?
Gálatas 2:11-14


Se Pedro fosse o Papa, na enumeração dos ofícios da Igreja, Paulo não se esqueceria deste tão preeminente.
E a uns pôs Yahuah na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
1 Coríntios 12:28


Paulo afirma que Tiago, Cefas (Pedro) e João eram considerados como colunas. Note-se que Tiago está em primeiro lugar.
E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas, a graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão;
Gálatas 2:9

Deixe um comentário

COMPARTILHE ESTE POST NAS REDES SOCIAIS:

POSTS RECENTES

Heresias
Eric Guedes

A Origem do Cristianismo

Instagram Telegram Youtube A ORIGEM DO CRISTIANISMO A CRIAÇÃO DO JESUS CRISTO Nós sempre ouvimos que foi Jesus Cristo quem criou o cristianismo, ou melhor,

Leia Mais »
Apocalipse
Eric Guedes

Modelo do Apocalipse

Instagram Telegram Youtube MODELO DO APOCALIPSE A CRONOLOGIA CORRETA DO APOCALIPSE Esse é o nosso modelo do Apocalipse, originalmente criado por mim, Eric Guedes, baseado

Leia Mais »